Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Analista diz a jornal israelense que até Paquistão pode aderir à normalização

Primeiro-ministro de Imran Khan em Islamabad, Paquistão em 14 de fevereiro de 2020 [Erçin Top/ Agência Anadolu]
Primeiro-ministro de Imran Khan em Islamabad, Paquistão em 14 de fevereiro de 2020 [Erçin Top/ Agência Anadolu]

Um analista britânico-paquistanês disse esperar que o Paquistão siga os países árabes do Golfo e normalize os laços com Israel, informou Israel Hayom na segunda-feira.

Noor Dahri, fundador e diretor executivo da Teologia Islâmica do Contra-Terrorismo, um think tank com sede no Reino Unido, disse ao jornal Israel Hayom que muitos outros países árabes podem seguir os passos dos Emirados Árabes Unidos e Bahrein, que anunciaram a normalização dos laços com a ocupação Estado. Ele inclui até mesmo o Paquistão, que já declarou que nunca o faria.

“Os acordos de paz dos Emirados Árabes Unidos e Bahrein com Israel são apenas uma porta [para eles] para a abertura de mais relações diplomáticas, comerciais e estratégicas com Israel”, disse ele.

“Há muitos países que aguardam a assinatura do acordo, como Omã, Sudão, Marrocos e Arábia Saudita.”

LEIA: Paquistão não reconhecerá Israel a menos que os palestinos obtenham seus direitos, afirma premiê

Israel e Bahrain normalizam totalmente as relações diplomáticas – Cartoon [Sabaaneh /Monitor do Oriente]

Ao mesmo tempo, ele destacou as boas relações do Catar com Israel, observando que pode ser um incentivo para estabelecer relações oficiais no futuro. Doha mediou negociações entre facções palestinas na Faixa de Gaza sitiada e Israel e fornece ajuda aos palestinos com a aprovação do estado de ocupação.

“Não devemos esquecer que apesar da forte tensão política entre o Catar e outros membros do GCC [Conselho de Cooperação do Golfo], Israel já manteve boas relações mútuas com o Catar e não há dúvida de que o Catar pode aderir ao acordo de paz com Israel mais cedo ou mais tarde ”, disse ele.

“O Paquistão também não fechou a porta completamente, mas seus interesses nacionais não permitem  que anuncie relações abertas com o Estado judeu.” No entanto, ele disse que “ambos os estados têm relações militares e de inteligência há décadas”, e que “o Paquistão nunca considerou o estado judeu como seu inimigo, e pode estabelecer relações condicionais com ele no futuro, após os acordos árabes”.

Por outro lado, o primeiro-ministro paquistanês Imran Khan insistiu que, mesmo se todo mundo normalizasse os laços com Israel, o Paquistão nunca o faria.

LEIA: Paquistão precisa de uma nova política para o Oriente Médio, diante da nova realidade

“Não podemos tomar uma decisão que vá contra as aspirações da nação palestina oprimida”, disse ele. “Continuaremos apoiando a resolução justa da questão palestina”.

“Se o mundo inteiro quisesse reconhecer Israel, Islamabad não o faria e nunca tomaria uma decisão contrária aos desejos do povo palestino”, disse Khan à rede de notícias de televisão 92 News em urdu, ontem.

Ele concluiu: “Até que uma solução justa para a questão palestina seja produzida, qualquer reconhecimento do regime sionista está descartado. Como podemos aceitar a normalização com os sionistas quando os principais partidos palestinos não aceitam isso? ”

Categorias
Ásia & AméricasBahreinCatarEmirados Árabes UnidosIsraelNotíciaOriente MédioPalestinaPaquistão
Show Comments
Show Comments