Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Negociações entre o governo e o Movimento de Libertação Popular são retomadas no Sudão

Militar sudanês em Cartum, Sudão, em 21 de julho de 2020 [Mahmoud Hjaj / Agência Anadolu]
Militar sudanês em Cartum, Sudão, em 21 de julho de 2020 [Mahmoud Hjaj / Agência Anadolu]

O governo sudanês e o Movimento de Libertação Popular do Norte (SPLM) concordaram na sexta-feira em retomar as negociações em Juba, após uma suspensão de duas semanas. O comunicado foi emitido pelo escritório de mídia do Conselho de Ministros e assinado pelo primeiro-ministro Hamdok e pelo líder do SPLM, Abdulaziz Al-Hilu, de acordo com a Agência Anadolu.

Ambas as partes concordaram em “realizar workshops não oficiais para discutir questões diferenciais, como a relação problemática entre religião e Estado e autodeterminação, a fim de alcançar um entendimento mútuo que facilite a missão dos grupos de negociação oficiais”.

Eles também concordaram que as negociações serão sediadas no Sudão do Sul e sob a mediação de Juba, além de estabelecer um roteiro para definir a abordagem das negociações. A participação de parceiros regionais e internacionais também será valiosa.

Hamdok havia convidado o SPLM e o movimento do Exército de Libertação do Sudão a aderir ao acordo de paz, logo após seu retorno de Juba, onde um tratado de paz de iniciativa foi assinado com a Frente Revolucionária armada que garante oito protocolos, mais proeminentemente, compartilhando poder, riqueza e justiça de transição.

Na capital da Etiópia, Adis Abeba, Hamdok e Al-Hilu concordaram na quinta-feira sobre a importância de reconhecer plenamente a diversidade racial e cultural no Sudão e cumprir legalmente a igualdade.

Em outra declaração, eles concordaram em “estabelecer um estado democrático no Sudão”, com “a constituição baseada na separação da religião do estado, autodeterminação e liberdade religiosa”.

LEIA: Sudão assina acordo de paz histórico com cinco grupos rebeldes

A declaração acrescentou que: “o estado não pode ter uma religião oficial e não pode distinguir religiosamente entre cidadãos sudaneses”.

O primeiro-ministro chegou na quarta-feira à capital etíope para se encontrar com o presidente do SPLM, na esperança de quebrar o gelo das negociações estagnadas em Juba.

Em 20 de agosto, o SPLM desistiu das negociações em protesto pelo fato de que Mohamed Hamdan Dagalo, ovice-presidente do Conselho de Soberania, presidir a delegação governamental de negociação.

Nas conversações com o governo sudanês, o SPLM exige que o secularismo seja explicitamente mencionado na constituição, endossando a autodeterminação ao povo do Nilo Azul e do Cordofão do Sul. Ambas as províncias foram palco de lutas entre o SPLM e o governo desde junho de 2011.

Categorias
ÁfricaNotíciaSudão
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments