Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Comunidade internacional se mobiliza para ajudar o Líbano

O Líbano é uma longa história de desastre e crise [Sabaaneh / Monitor do Oriente Médio]
O Líbano é uma longa história de desastre e crise [Sabaaneh / Monitor do Oriente Médio]

A comunidade internacional correu para entregar ajuda ao Líbano após as explosões que abalaram a capital Beirute na terça-feira, matando pelo menos 137 e ferindo milhares de outras.

Noruega, Hungria, França, Austrália, Turquia, Arábia Saudita, Tunísia, Catar e até Israel, entre outros, ofereceram uma variedade de ajuda ao Líbano na esperança de ajudar o país a se recuperar.

O Reino Unido também prometeu “apoiar o povo libanês em seu momento de necessidade”, afirmou ontem o secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Commonwealth, Dominic Raab, prometendo um pacote de ajuda de 5 milhões de libras (6,6 milhões de dólares). Raab disse que o pacote estava “pronto para ir”, acrescentando que especialistas médicos, equipes de busca e resgate e um navio da Marinha Real – o HMS Enterprise – ajudariam nos esforços de socorro, se necessário, de acordo com um relatório da BBC.

A Austrália prometeu pelo menos dois milhões de dólares australianos (US $ 0,8 milhão) para o esforço inicial de socorro da cidade. A ajuda será enviada diretamente ao Programa Mundial de Alimentos e à Cruz Vermelha para distribuição no Líbano, de acordo com a Associated Press (AP).

LEIA: Explosão no porto deixou 300.000 pessoas desabrigadas, relata governador de Beirute

Tanto a Rússia quanto a Alemanha enviaram equipes de socorro especializadas para ajudar na busca de sobreviventes. Enquanto isso, o Líbano também recebeu quatro hospitais de campo do Catar, Irã e Jordânia, além de um laboratório de testes de coronavírus e equipamentos de proteção da Rússia, juntamente com 50 equipes de emergência e pessoal médico.

As Nações Unidas (ONU) também disseram que intensificarão sua assistência de emergência ao Líbano, enquanto a Organização Mundial da Saúde (OMS) disse estar transportando suprimentos para Beirute.

O presidente da França, Emmanuel Macron, se tornou o primeiro líder estrangeiro a visitar Beirute na esteira das explosões, junto com o pessoal de segurança civil francês que deve ajudar a procurar sobreviventes nos escombros.

O Líbano é uma longa história de desastre e crise [Sabaaneh / Monitor do Oriente Médio]

O Líbano é uma longa história de desastre e crise [Sabaaneh / Monitor do Oriente Médio]

Macron, que foi recebido no aeroporto pelo presidente do Líbano, Michel Aoun, deve se reunir com líderes políticos libaneses para mostrar solidariedade com o país após as explosões de terça-feira e pressionar por reformas.

LEIA: Após explosão, Líbano tem reservas de grãos para menos de um mês

Falando depois de chegar a Beirute, Macron disse: “O Líbano está enfrentando uma crise política e econômica e é necessária uma resposta urgente a isso … se não forem feitas reformas, o Líbano continuará sofrendo”. Ele foi ao Twitter para enviar uma mensagem em árabe: “O Líbano não está sozinho”.

Não são apenas os governos estrangeiros que ofereceram ajuda ao Líbano. Palestinos na Faixa de Gaza, bem como refugiados palestinos e sírios que vivem no Líbano aderiram a uma campanha de doação de sangue para ajudar a abastecer os hospitais de Beirute.

Categorias
Europa & RússiaFrançaLíbanoNotíciaOriente MédioRússia
Show Comments
Show Comments