Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Chefe do Banco Central do Líbano e sua família possuem US$100 mi espalhados pelo mundo

Riad Salameh, governador do Banco Central do Líbano, em Beirute, capital do país, 11 de novembro de 2019 [Joseph Eid/AFP/Getty Images]
Riad Salameh, governador do Banco Central do Líbano, em Beirute, capital do país, 11 de novembro de 2019 [Joseph Eid/AFP/Getty Images]

Riad Salameh, governador do Banco Central do Líbano, e sua família possuem um total de US$100 milhões em recursos no exterior, revelou um relatório divulgado pelo Projeto de Denúncia de Corrupção e Crime Organizado (OCCRP) e seu parceiro libanês Daraj.

A fortuna, alega o documento, foi difundida entre empresas aparentemente ligadas a Salameh e sua família. Muitos dos recursos estão investidos na forma de imóveis na Europa, a maioria na Alemanha, Bélgica e Reino Unido, incluindo um apartamento de £3.5 milhões (US$4.1 milhões), no centro de Londres.

Segundo as informações, o apartamento foi comprado por uma empresa desconhecida registrada no Panamá, no início da década de 2010. Em 2013, o endereço em Londres foi listado como residência oficial do filho de Salameh, Nady, embora ainda pertencente à empresa panamenha.

Em janeiro de 2017, a propriedade legal do imóvel foi transferida a Nady Salameh. A empresa panamenha foi dissolvida dois meses depois, segundo o relatório. Aparentemente, trata-se do modus operandi do governador, ao utilizar outras empresas estrangeiras para acumular fortuna.

LEIA: FBI deve juntar-se a inquérito sobre explosão em Beirute, afirma representante dos EUA

Riad Salameh, de 70 anos, chefia o Banco Central do Líbano desde 1993. Recentemente, tornou-se alvo de críticas pela forma como tratou da crise financeira no Líbano. Muitos manifestantes o responsabilizam pela crise.

O governador do Banco Central, contudo, já desfrutou de forte reputação popular, inclusive projetado como futuro presidente do país. Agora, enfrenta duras críticas por fixar a libra libanesa ao dólar americano, diante do colapso da moeda nacional, o que resultou na perda de mais de 80% de seu valor, em 2020.

Em discurso televisionado em abril, o Primeiro-Ministro Hassan Diab culpou Salameh pelo colapso cambial do país, ao afirmar que houve “lacunas de performance, estratégias, franqueza, clareza e política monetária”.

O governador do Banco Central também é criticado por seu programa de engenharia financeira, introduzido em 2016, que encobriu o verdadeiro estado da economia libanesa por anos, o que desacelerou, mas não impediu o colapso.

Salameh definiu as críticas que sofre como “campanha sistemática” para incitar a opinião pública contra ele. Apesar da enorme desaprovação a suas ações, a dimensão de sua fortuna pessoal, até então, havia escapado do escrutínio.

Em resposta às alegações do relatório, Salameh afirmou que havia acumulado fortuna considerável de US$23 milhões antes mesmo de ser indicado à liderança do Banco Central, em 1993, por meio de investimentos privados e herança; alegou, portanto, não ter violado nenhuma lei.

LEIA: Beirute faz vigília uma semana após a explosão devastadora

Categorias
LíbanoNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments