Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A maldição da tenda: Gaddafi nos avisou, mas não o escutamos

Muammar Gaddafi, da Líbia, acenando antes de fazer um discurso na Assembleia Geral das Nações Unidas na sede da ONU em 23 de setembro de 2009 na cidade de Nova York. [Mario Tama/ Getty Images]
Muammar Gaddafi, da Líbia, acenando antes de fazer um discurso na Assembleia Geral das Nações Unidas na sede da ONU em 23 de setembro de 2009 na cidade de Nova York. [Mario Tama/ Getty Images]

Se o falecido Muammar Gaddafi voltasse do túmulo, ele reconheceria imediatamente a nova Líbia, embora nunca a tivesse visto. Ele previu quase tudo o que está acontecendo em seu país hoje. Em alguns casos, suas previsões eram tão vívidas em detalhes, como se ele as estivesse vendo se desenrolar.

Antes de fazer sua última resistência em sua cidade natal, Sirte, o falecido líder líbio fez um breve discurso enquanto ainda estava em Trípoli. Em sua mensagem gravada de 21 de agosto de 2011, ele exortava seu povo a lutar, prometendo “lutar” com eles até a última “gota de sangue”. Ele mencionou claramente o petróleo como o principal alvo dos “invasores e seus agentes”. Gaddafi cumpriu sua promessa e morreu em sua cidade natal em 20 de outubro de 2011. Ele sempre acreditou que o Ocidente estava apenas atrás do petróleo do país.

A última ideia que agora vem sendo discutida como uma forma de resolver o conflito de nove anos na Líbia inclui compartilhar a riqueza do petróleo na ausência de qualquer governo central totalmente soberano no país. É outra boa maneira de desviar a riqueza do país de maneiras inexplicáveis.

No entanto, a região produtora de petróleo da Líbia está atualmente fora do controle de ambas as administrações – o Governo de Acordo Nacional de Trípoli (GNA) e a cidade de Al-Bayda no leste da Líbia, onde o governo paralelo está baseado. Mercenários russos do Grupo Wagner controlam grande parte dos campos de petróleo. Os mercenários estão lutando ao lado do Exército Nacional da Líbia (LNA) do general Khalifa Haftar. Desde janeiro deste ano, os terminais exportadores de petróleo da costa mediterrânea estão fechados.

LEIA: Reino Unido expressa apreensão sobre mercenários nas instalações de petróleo da Líbia

Lembrando-se dos discursos de Gaddafi durante o ataque da OTAN que o derrubou em 2011, muitos líbios se sentem amaldiçoados, não apenas por ele, mas pela tenda icônica – destruída por uma multidão enfurecida – depois de permanecer em seu quartel-general durante seu reinado de 42 anos. Em vez de preservá-lo como um acervo, todo o complexo foi demolido depois que a tenda foi saqueada dos poucos móveis que possuía.

A Líbia, hoje, não tem uma palavra real sobre seu próprio futuro, muito menos decidir sobre questões fundamentais como sua riqueza em petróleo e como ela deve ser usada. Até a auditoria rotineira das contas de seu Banco Central está sendo decidida por potências estrangeiras.

Desde que a campanha de um ano do general Haftar para tirar Trípoli da GNA desmoronou em maio passado, quem manda nesta guerra por procuração são os russos, turcos, egípcios e catarianos, em menor grau. Mesmo a missão das Nações Unidas ao país, que pretendia facilitar o diálogo entre os líbios, está sendo posta cada vez mais de lado desde que seu chefe, Ghassan Salame, renunciou em março passado.

Haftar sanguinário [Sabaaneh/ Monitor do Oriente Médio]

Haftar sanguinário [Sabaaneh/ Monitor do Oriente Médio]

Também as iniciativas políticas para encontrar algum tipo de solução estão sendo feitas progressivamente por potências estrangeiras, com condições destinadas a servir seus próprios interesses. Mais ou menos no mês passado, autoridades turcas, incluindo o presidente, assumiram as funções de porta-vozes em tempo parcial em diferentes funções, em nome da GNA em Trípoli. A GNA ganhou a vantagem na última rodada de violência, graças a milhares de mercenários sírios trazidos para o conflito por Ancara. Ancara também forneceu perícia militar e equipamento para ajudar a derrotar as forças do LNA.

No lado oposto, apoiando Haftar, estão mercenários russos com caças e sistemas de mísseis. Isso só pode ser fornecido pelo Estado russo, embora Moscou negue qualquer envolvimento no conflito sangrento.

Agora que o LNA se retirou para a região de Sirte, perto da área rica em petróleo da Líbia, os turcos veem o grande prêmio – o petróleo – mas ainda não podem alcançá-lo. O que eles estão propondo é que Haftar e suas forças deixem a área para que Ancara e seu representante, o GNA, possam assumir o controle do dinheiro do petróleo de que precisam desesperadamente.

Mas é muito improvável que Haftar deixe a região que vai de Sirte, no norte, até o oásis de Jufra, cerca de 300 quilômetros de profundidade no deserto. Mas, novamente, Haftar não é mais o senhor de seu próprio destino. Seus apoiadores: Moscou, Cairo e Abu Dhabi são os que realmente têm a palavra final, e atualmente estão tentando chegar a algum acordo. Quando isso acontecer, Haftar terá apenas uma escolha – aceitar o que for proposto ou continuar por conta própria. Ainda não chegamos a esse estágio e os apoiadores de Haftar não são homogêneos em seus objetivos e interesses de longo prazo na Líbia.

LEIA: Novas remessas de armas são entregues às milícias de Haftar, na Líbia

Isso significa que, mesmo que ele rejeite o que as conversações Moscou-Ancara produzem, outros como Abu Dhabi ainda não estão preparados para desistir dele na ausência de uma alternativa confiável. Ao mesmo tempo, seu principal apoiador local, a porta-voz do Parlamento, Águila Saleh, com sede em Tobruk, está tentando chegar a algum tipo de acordo que provavelmente salvará Haftar, ao mesmo tempo que impelirá Saleh ao cargo interino de chefe de estado.

A última reunião em 11 de agosto no Cairo entre Saleh e o Embaixador dos EUA na Líbia, Richard Norland, é um acontecimento notável. Os Estados Unidos preferem algum tipo de congelamento do conflito até depois das eleições presidenciais marcadas para 3 de novembro. Durante o ano eleitoral, a política externa dos EUA está em espera e, particularmente no que diz respeito a Donald Trump, a Líbia não é uma prioridade.

Gaddafi estava certo ao prever o destino de sua nação? Os eventos desde seu assassinato são um lembrete gritante de que ele, de fato, estava. Além disso, muitos observadores ainda se lembram de suas declarações antes da cúpula da Liga Árabe em Damasco, Síria, em 2008. Criticando a falta de ação dos árabes após o enforcamento de Saddam Hussain no Iraque dois anos antes, Gaddafi disse a seus colegas que: “Sua vez [para ser derrubado e enforcado] pode estar chegando e pode ser qualquer um de vocês … A América poderia concordar em nos enforcar um dia. ”

Na verdade, Gaddafi previu sua própria morte anos antes. Em um conto que escreveu, intitulado Fuga para o Inferno, ele descreveu como temia as massas “tiranas” quando se revoltassem.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArtigoLíbiaOpinião
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments