Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Os Emirados Árabes Unidos são uma ferramenta a serviço dos EUA e Israel

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo (dir.), se reúne com o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu (esq.) depois de viajar para o exterior pela primeira vez em meio à nova pandemia de coronavírus. Em Jerusalém Ocidental, em 13 de maio de 2020. [Kobi Gideon / GPO / Folheto - Agência Anadolu]
O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo (dir.), se reúne com o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu (esq.) depois de viajar para o exterior pela primeira vez em meio à nova pandemia de coronavírus. Em Jerusalém Ocidental, em 13 de maio de 2020. [Kobi Gideon / GPO / Folheto - Agência Anadolu]

Os Emirados Árabes Unidos são um país relativamente jovem, pequeno em termos de área e peso político. No entanto, ele tem a capacidade de conspirar contra os muçulmanos, não apenas no mundo árabe, mas também em todo o mundo, do Mali à Turquia e aos Bálcãs – onde é aliado aos sérvios anti-muçulmanos – e à Índia, assim como à China.

Que tipo de país são os Emirados Árabes Unidos, grupo de vários pequenos emirados que ainda não completaram sua quinta década? É impulsionado pela ambição própria e pelo expansionismo? Ou os Emirados Árabes Unidos estão sendo manipulados para servir aos interesses dos outros? De onde vem sua força e influência, que permite mover-se para o norte, sul, leste e oeste?

Na verdade, não é preciso muito para ver que as autoridades dos Emirados Árabes Unidos não estão realmente no controle; que eles estão sendo usados ​​por outros. Os Emirados Árabes Unidos, de fato, são um estado que dedicou seus recursos para atender a agendas estrangeiras. Como disse recentemente o ministro da Defesa da Turquia, Kulusi Akar, é apenas um peão que está sendo explorado remotamente por vários países para servir suas ambições políticas e militares. Quem são essas partes? – ele perguntou retoricamente. Em nome de quem os Emirados Árabes Unidos estão agindo?

Akar está ciente, é claro, de que os Emirados Árabes Unidos são uma ferramenta nas mãos dos sionistas para se mover quando e onde quiserem. É, portanto, um braço da entidade colonial sionista, Israel. Nesse sentido, também podemos deduzir que o pequeno Estado do Golfo está trabalhando para os EUA e seus projetos coloniais na região às custas do mundo árabe do qual se separou.

LEIA: Presidente do Parlamento da Tunísia mantém cargo após voto na câmara

É possível que apenas tenhamos percebido que os Emirados Árabes Unidos estão desempenhando esse papel após o início das revoluções da Primavera Árabe, pois muitos de nós ficamos fascinados por sua transformação de um deserto árido em um paraíso verde. O governo construiu vales e lagos artificiais com uma infraestrutura sofisticada, hotéis luxuosos, lojas sofisticadas e paisagens encantadoras que cativam os olhos e o coração das pessoas. Pensávamos que isso era tudo sobre a ambição de um país jovem capaz de fazer uma mudança tão grande, e a admiramos e a incentivamos, desejando que uma transformação semelhante pudesse ocorrer em todos os países árabes.

Muitos jovens esperavam conseguir um emprego nos Emirados Árabes Unidos, até que a máscara caísse após a Primavera Árabe e vimos o papel desempenhado pelos Emirados Árabes Unidos contra o povo da região para abortar suas revoluções; e como foi usado pelos sionistas para esfaquear o povo pelas costas, nos dividir e inundar nossa região com poças de sangue na Síria, Líbia e Iêmen.

Este pequeno país temia que os ventos das revoluções árabes varressem e concedessem ao seu próprio povo a chance de experimentar liberdade, justiça e igualdade na distribuição de sua riqueza natural. Essa, é claro, é usurpada pela família governante, que se recusa a permitir genuína participação popular na vida política, temendo que a democracia derrube seu trono.

Os Emirados Árabes Unidos estabeleceram um centro de operações para combater as revoluções árabes, com a ajuda do Mossad de Israel e da CIA dos EUA. Washington não apoiou as revoluções, ao contrário do que dizem alguns que tentam estabelecer um elo entre os levantes populares e a conspiração dos EUA para o caos criativo, conforme anunciado pela ex-secretária de Estado Condoleezza Rice, em 2006. Se o governo dos EUA estivesse satisfeito com as revoluções, todas teriam sido bem sucedidos.

O que é importante para os EUA, acima de tudo, é a entidade sionista. EUA está ciente de que Israel é ameaçado pela liberdade política no Oriente Médio. Portanto,disponibiliza planos de implementação imediata para frustrar qualquer faixa democrática nos países árabes, especialmente aqueles com orientações islâmicas. Foi nesse nível que os Emirados Árabes Unidos encontraram um terreno comum com os EUA e Israel para garantir que as revoluções da Primavera Árabe não alcançassem nada.

Os Emirados Árabes Unidos gastaram bilhões de dólares junto com a Arábia Saudita porque ambos temiam a ascensão das tendências islâmicas nos países da Primavera Árabe. A mais importante delas foi a Irmandade Muçulmana. Abu Dhabi e Riyadh não apenas proibiram o movimento em seus próprios feudos, mas também usaram todos os meios à sua disposição – armas, dinheiro e mídia – para apoiar os ditadores e tentar persuadir a comunidade internacional a classificá-lo como uma organização terrorista. Eles falharam neste último intento, pelo menos por enquanto.

O último estágio desta guerra contra a democracia é visto na conspiração dos Emirados Árabes Unidos contra a Tunísia. Suas tentativas de desestabilizar o país do norte da África incluem o financiamento de uma campanha do deputado Abir Moussi e de alguns partidos leais ao antigo regime do presidente deposto Zine El Abidine Ben Ali para derrubar o presidente do Parlamento Rached Ghannouchi, líder de Ennahda, afiliado à Irmandade. O fato de o Ennahda ser o partido mais popular da Tunísia não significa nada para forças antidemocráticas como os Emirados Árabes Unidos.

LEIA: O caráter do novo modelo de governança dos Emirados Árabes Unidos

No entanto, esses esforços fracassaram e o parlamento em Túnis não apenas deu a Ghannouchi um voto de confiança, mas também deu ao mundo árabe outra lição de democracia. A Tunísia venceu e os conspiradores perderam seu dinheiro, mas não vão parar de tentar sabotar o país; os Emirados Árabes Unidos e seus aliados não querem que a Tunísia seja um modelo democrático para o mundo árabe.

A primeira contra-revolução dos Emirados Árabes Unidos aconteceu no Egito, onde financiou o golpe que derrubou o primeiro presidente eleito democraticamente em 2013, apesar de Mohamed Morsi ter vencido eleições livres e justas. Os Emirados Árabes Unidos enterraram a nascente democracia do Egito antes de contratar mercenários para apoiar Bashar Al-Assad e transformar a nobre revolução em uma feroz guerra civil. Os Emirados Árabes Unidos ajudaram a destruir o país e o povo e transformaram uma linda terra abençoada com uma paisagem cativante e uma grande arquitetura em montanhas de escombros nadando em mares de sangue.

Essas atrocidades também foram estendidas ao Iêmen, que os Emirados Árabes Unidos invadiram em 2015 como parte da coalizão liderada pela Arábia Saudita. Dezenas de milhares de pessoas foram mortas e toda a sociedade do Iêmen foi destruída. As terras do país devastado pela guerra foram divididas pelos Emirados Árabes Unidos, que ocupam o sul e usurparam seus portos sob pretextos falsos, como fizeram na Somália e no Djibuti, antes de serem expulsos pelas autoridades locais. A ambição delinqüente dos Emirados Árabes Unidos foi exposta quando tentou apreender um porto ocupado pelos EUA apenas para receber o aviso: “conheça seus limites”.

Os EAU tentaram fazer o mesmo na Líbia, apoiando o renegado traidor Khalifa Haftar com dinheiro e armas, apesar de suas derrotas impostas pelas mãos do Governo do Acordo Nacional (GNA), apoiado pela Turquia, com sede em Trípoli. Essa situação. por si só, é digna de um artigo.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEmirados Árabes UnidosEUAIsraelOpiniãoOriente Médio
Show Comments
Show Comments