Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O caráter do novo modelo de governança dos Emirados Árabes Unidos

Príncipe herdeiro de Abu Dhabi, Mohammed Bin Zayed, em Berlim, Alemanha, em 11 de junho de 2019 [Sean Gallup / Getty Images]
Príncipe herdeiro de Abu Dhabi, Mohammed Bin Zayed, em Berlim, Alemanha, em 11 de junho de 2019 [Sean Gallup / Getty Images]

O novo modelo adotado pelos Emirados Árabes Unidos em suas políticas internas e externas está se tornando mais claro, e o entendimento de suas principais características e desvantagens está crescendo. Este mês, dois relatórios sobre a política externa dos Emirados Árabes Unidos foram publicados pela Chatham House, da Grã-Bretanha, e pelo Instituto Alemão de Assuntos Internacionais e de Segurança, que fazem uma leitura interessante.

Ambos os estudos transmitiram a mesma mensagem: a política dos Emirados Árabes Unidos mudou, principalmente desde a Primavera Árabe. Ela não adota mais a política tradicional pela qual os Emirados eram conhecidos durante o governo do xeque Zayed Bin Sultan, que buscou consenso e construiu estruturas para o desenvolvimento conjunto dos árabes e do Golfo. A atual política dos Emirados Árabes Unidos, que é dirigida pelo governante de fato do país, o príncipe herdeiro de Abu Dhabi, Mohammed Bin Zayed, é muito diferente e teve um impacto em todo o mundo árabe. Isso exige que nos concentremos nela, entendamos e racionalizemos as relações ocidentais com ela, pois as antigas percepções não são mais válidas.

O estudo da Chatham House foi realizado pelo analista-chefe do International Crisis Group, Peter Salisbury. Ele diz que os Emirados Árabes Unidos estão adotando um modelo de governança e política externa que se afasta cada vez mais do que o Ocidente defende. Sob a liderança de Bin Zayed, os Emirados Árabes Unidos querem construir um império econômico, com portos no Golfo, no Mar Arábico e no Chifre da África,

ao lado poderes militares, econômicos e moderados para defender e expandir seus próprios interesses econômicos. No entanto, ao mesmo tempo, conta com um modelo autocrático de governança da segurança, suprimindo a oposição e disseminando suas idéias e estilo de governança na região.

O relatório do Instituto Alemão para Assuntos Internacionais e de Segurança, escrito pelo pesquisador Guido Steinberg, afirma que foi Bin Zayed quem convenceu a liderança saudita em 2015 a se envolver na guerra do Iêmen. Ambos os estudos indicam a grande influência que ele exerce sobre seu colega saudita, Mohammad Bin Salman, e a estreita relação que os une, observando que este último considera Bin Zayed um modelo e professor.

LEIA: Governador iemenita pede que os EAU tirem as mãos do petróleo, gás e portos de seu país

Os dois estudos ilustram o papel que os Emirados Árabes Unidos desempenharam no apoio ao golpe militar no Egito (2013) e no apoio aos esforços do general rebelde Khalifa Haftar para controlar a Líbia pela força. Esses esforços estão sendo frustrados pelo apoio militar da Turquia ao Governo do Acordo Nacional (GNA) em Trípoli. Os relatórios também apontam o apoio dos Emirados Árabes Unidos às milícias separatistas no sul do Iêmen, que mudaram o mapa das forças políticas do país, fatores que influenciam claramente o novo papel dos Emirados.

Tudo isso exige que os governos ocidentais tenham alguma consciência sobre a natureza das inclinações dos Emirados e não lidem com os Emirados Árabes Unidos da perspectiva tradicional de sua abertura social e religiosa, seu modelo econômico, pela facilidade com que os diplomatas ocidentais vivem lá e suas estreitas relações com seus funcionários, sem também focar na essência de sua nova orientação. Esta é baseada em um estado policial, que suprime a dissidência, monitora seus cidadãos usando a tecnologia mais recente, espalha tirania na região e trabalha para fortalecer seus laços com a China e a Rússia, a fim de combater qualquer pressão que o Ocidente possa exercer.

Prédios danificados são vistos depois que a coalizão militar liderada pela Arábia Saudita realizou ataques aéreos em Sanaa, Iêmen, em 16 de maio de 2019 [Mohammed Hamoud / Agência Anadolu]

Prédios danificados são vistos depois que a coalizão militar liderada pela Arábia Saudita realizou ataques aéreos em Sanaa, Iêmen, em 16 de maio de 2019 [Mohammed Hamoud / Agência Anadolu]

Ambos os estudos mostram que a visão política de Mohammed Bin Zayed se baseia em sua animosidade em relação ao Irã – que ocupa ilhas dos Emirados desde a década de 1970 e cada vez mais espalha sua influência na região – e à Irmandade Muçulmana, especialmente desde a Primavera Árabe.

O Instituto Alemão diz que a hostilidade de Bin Zayed em relação à Irmandade é a principal força motriz por trás de suas políticas externas e excede sua hostilidade em relação ao Irã. A raiz disso é o medo da oposição política do príncipe herdeiro de Abu Dhabi e o fato de o grupo Islah, que está ligado intelectualmente à Irmandade, ser o maior movimento de oposição política nos Emirados Árabes Unidos. Por isso, o governo se concentrou em suprimir o grupo e proibi-lo após a Primavera Árabe; e continua a oprimir ativistas liberais também.

O problema não é a própria Irmandade Muçulmana, mas a objeção de Bin Zayed à oposição política em si, e seu medo de que o regime seja alterado. Como tal, ele insiste em retratar todos os ramos da Irmandade Muçulmana como terroristas, mesmo que não sejam violentos. Ele também os retrata como grupos não nacionais, sugerindo que sua lealdade está no movimento matriz no Egito e não em seus próprios países. O príncipe herdeiro luta contra o grupo em toda a região, mesmo que isso o exponha a perdas políticas, como aconteceu no Iêmen, onde o estudo diz que os houthis conseguiram controlar Sanaa porque a coalizão árabe não se opôs fortemente à invasão da capital, na esperança de que a Irmandade Iemenita fosse atraída para um confronto violento. Isso não aconteceu, no entanto, e Sanaa caiu nas mãos dos houthis, após o que a Arábia Saudita se aliou em ocasiões com a Irmandade Iemenita, enquanto os Emirados Árabes Unidos permaneceram hostis ao movimento. A hostilidade em relação à Irmandade Muçulmana, bem como a oposição política, e o trabalho para espalhar ditaduras e autocracias desde a Primavera Árabe, parecem ser os focos mais importantes para a política externa dos Emirados hoje.

LEIA: As vidas das crianças do Iêmen também importam; a guerra deve ter fim

A animosidade dos Emirados Árabes Unidos em relação ao Irã parece ser mais complicada, devido à ameaça direta que isso pode representar para os Emirados, que também temem pesadas perdas materiais no caso de um confronto militar entre os EUA e o Irã e seus aliados regionais. .

De acordo com o estudo da Chatham House, essa política dos Emirados Árabes Unidos está cheia de sérias falhas, pois a disseminação de ditaduras e autocracias não ajuda a estabilidade nos países árabes, principalmente porque aqueles como o Egito, por exemplo, não possuem os enormes recursos financeiros que ajudam os Emirados Árabes Unidos a adotar essa política e, ao mesmo tempo, a gastar generosamente em projetos econômicos e, assim, a compra a satisfação de seus cidadãos. Outros países árabes se distinguem por seu pluralismo interno ou por seu desejo de preservar os direitos e liberdades de seus cidadãos em graus variados. Chatham House, no entanto, mostra que a liderança dos Emirados não possui uma estratégia clara a esse respeito, nem instituições de tomada de decisão, e que as decisões políticas são tomadas predominantemente por Mohammed Bin Zayed e um pequeno grupo de conselheiros próximos.

Isso se presta a decisões imprudentes, como a retirada de um grande número de forças dos Emirados Árabes Unidos do Iêmen no verão de 2019 e a decisão de parar de treinar as forças somalis em 2017, após uma disputa com o governo somali decorrente do relacionamento de Abu Dhabi com a República da Somalilândia – não reconhecida pela Somália – e construindo uma base militar no porto de Berbera. Outras decisões infelizes incluem o envolvimento dos Emirados Árabes Unidos na Líbia e no Iêmen sem coordenação com seus aliados, como Egito e Arábia Saudita. Os dois estudos mencionam a cooperação dos Emirados Árabes Unidos com os grupos militantes Salafi no Iêmen e na Líbia que apóiam seu projeto político, o que contrasta com a vontade dos líderes dos Emirados em afirmar sua hostilidade ao extremismo religioso. Na realidade, eles estão cooperando com grupos religiosos militantes, alguns dos quais podem estar ligados à Al-Qaeda, como é o caso do Iêmen.

LEIA: Grupo iemenita com apoio emiradense cede à autonomia para filiar-se ao governo

As políticas dos Emirados Árabes Unidos levaram a graves violações dos direitos humanos em zonas de guerra, particularmente no Iêmen, onde as forças dos Emirados são acusadas de apoiar assassinatos políticos, prisões arbitrárias e tortura, por meio de suas milícias aliadas. Isso expõe os Emirados Árabes Unidos às críticas ocidentais, às quais não está acostumado e talvez tenha ajudado a forçá-lo a retirar a maior parte de suas forças do Iêmen.

De acordo com o estudo do Instituto Alemão, “os Emirados Árabes Unidos também são importantes para o atual governo dos EUA porque têm menos problemas com os planos de Jared Kushner para a paz entre palestinos e israelenses. Bin Zayed provavelmente também aceitaria uma solução que esteja amplamente alinhada com as idéias do governo de Israel. ” Em suma, a governança dos Emirados Árabes Unidos mudou radicalmente desde a Primavera Árabe, e os governos ocidentais precisam entender o novo modelo político que adotou. Suas políticas estão afetando mais países, como Rússia e China, no que diz respeito à busca de crescimento econômico sob um sistema doméstico despótico e políticas externas que apóiam a tirania e a autocracia, mesmo que os Emirados Árabes Unidos continuem mantendo suas fortes relações com o Ocidente e Israel. .

Artigo publicado pela primeira vez em árabe em Al-Araby Al-Jadeed em 28 de julho de 2020

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArábia SauditaArtigoEmirados Árabes UnidosIêmenIsraelLíbiaOpiniãoOriente MédioPalestinaSlide Grande
Show Comments
Show Comments