Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Eid al-Adha , a Festa do Sacrifício – Entrevista com o Sheik Mohamad Bukai

Sheik Mohamad Bukai
Sheik Mohamad Bukai

Hoje os muçulmanos iniciam a comemoração do Eid al-Adha, conhecido como a Festa do Sacrifício, uma das datas mais importantes da religião islâmica. O festival sucede a peregrinação à Meca, o Hajj, que celebra a última revelação do Alcorão e é tido como o 5° Pilar do Islam, ou seja uma tarefa a ser realizada por todos os praticantes da religião, mas que este ano precisou ser adaptada devido à pandemia de coronavírus.

A comemoração do Eid al-Adha tem duração de quatro dias e está interligada com o Eid al- Fitr, que marca o fim do jejum do Ramadã, mês sagrado do islamismo e também pilar da religião, por celebrar a primeira revelação no Alcorão. São, portanto, as duas grandes comemorações no islamismo, ligadas à primeira e última revelação contidas em seu livro sagrado.

O Eid al-Adha é celebrado pelos muçulmanos de todo o mundo em memória ao profeta Abraão. A tradição religiosa diz que quando Ismael, seu único filho, tinha 13 anos e Abraão 99 anos, o profeta recebeu em sonho uma revelação com a tarefa de levar e sacrificar seu filho no Monte Arafat. Porém, no momento do sacrifício, Deus providenciou que fosse colocado um cordeiro no lugar de seu filho, poupando assim sua vida.

Nesse dia, os praticantes da religião lembram o sacrifício de Abraão, associado à celebração do amor ao semelhante, caridade e confiança em Deus. É uma grande festa que se pratica a caridade com doação de carne aos mais necessitados e também com reuniões familiares e troca de presentes.

Em entrevista concedida ao Monitor do Oriente, Sheiik Muhamad Bukai, Imã da Mesquita Brasil, fala do significado dessa data especial para os muçulmanos.

Qual o significado do Eid al-Adha?

O Eid al-Adha, significa a Festa do Sacrifício. Linguisticamente falando, significa o horário do clareamento, depois do nascimento do sol, quando o dia fica claro, que é o momento que são iniciados os sacrifícios. Por isso tem esse nome, porque os sacrifícios são feitos nesse período, após o nascimento do sol.

O primeiro significado dessa data é a rememoração da história do patriarca dos profetas, Abraão, quando recebeu a ordem de sacrificar o filho. o que ele aceitou, pois, tinha certeza de que era uma ordem de Deus. Foi um grande teste que recebeu e passou com louvor, por isso é homenageado. Abraão é exemplo para o Alcorão Sagrado como uma nação de muita fé; Aceitou sacrificar seu ente amado, auge da evidência de Deus. Esse sacrifício foi ordenado para mostrar e anular as práticas erradas de vários povos que, naquela época, matavam seus próprios filhos para agradar os deuses. Várias civilizações acreditavam que matando seus filhos, crianças ou outras pessoas, agradariam aos deuses. Então, o profeta Abraão veio mostrar a toda a humanidade que isso não existe, Deus não quer que ninguém mate seu filho ou seu semelhante para agradá-lo, Deus não precisa disso. Então, qual o objetivo desse sacrifício? Quando você faz um sacrifício de um animal para alimentar as pessoas necessitadas, claro, isso é um ato de generosidade, um ato de caridade, que pode ajudar a alimentar as pessoas. É isso que Deus quer de nós, que um ajude o outro. Essa data vem nos lembrar que precisamos dar suporte aos necessitados. Essa é nossa filosofia, assim como a peregrinação. O profeta nos diz que, quem faz o Hajj ou seja, a peregrinação, tem todos os pecados perdoados. Essa alegria é demonstrada nessa festa repetida todos os anos.

Como é celebrado o Hajj?

A palavra Hajj quer dizer a peregrinação, um dos pilares da prática do Islã, que o muçulmano que tem condições físicas e financeiras tem que fazer uma vez na vida. Quem não tem condições físicas, está doente, não consegue, ou não tem as condições financeiras, não precisa fazer

É um congresso internacional que une muçulmanos de todos os lugares do mundo, na prática dos vários valores que a gente sempre coloca na vida, a igualdade por exemplo, mas que no Hajj a gente expressa de uma forma muito concreta.

São pessoas de todas as nacionalidades, várias, línguas, cores e culturas, todo mundo unido. Não há roupa para diferenciar. Os homens usam toalhas como vestimenta para cobrir o corpo. As mulheres usam seus trajes normais.

O objetivo é que as diferenças sociais criadas pelo homem, que discriminam as pessoas, desapareçam. Queremos demonstrar que, da mesma forma que nascemos, , retornaremos ao Criador, que somos todos iguais, homens, mulheres, brancos, negros, qualquer língua, não importa, todos somos iguais e isso colocamos em prática na peregrinação.

LEIA: Com tamanho reduzido, começa peregrinação do Hajj 2020

Como a data é comemorada no Brasil?

O Dia do Sacrífício é comemorado aqui como em qualquer lugar do mundo. Começa com uma oração especial e um sermão. Neste dia, declamamos por muitas vezes ” Allah Akbar, Allah Akbar, Allah Akbar, que significa Deus é Maior, Deus é Maior, Deus é Maior, nosso símbolo da alegria que significa que Deus é Maior que tudo que existe.

Logo depois vem a parte social, as famílias se reúnem nos salões das mesquitas, em uma grande confraternização.

Infelizmente, esse ano essa parte sera cancelada devido à pandemia. A oração será feita na mesquita para um número reduzido de pessoas e, seguindo todo protocolo de segurança, faremos a transmissão ao vivo por nossas páginas na internet.

Pessoas que não muçulmanas podem participar dessa festa?

Normalmente vem pessoas interessadas. Vêm para conhecer. Sempre há pessoas não muçulmanas. Nossas portas estão abertas a todas.

Como o senhor avalia a temporada do Hajj neste ano?

Infelizmente, não teremos a grande peregrinação por causa da pandemia. Ela será feita apenas por mil pessoas que moram na Árabia Saudita,

É uma tristeza no meu coração, mas ao mesmo tempo a gente sabe que a vida do ser humano está acima de tudo. Preservar a vida, nas regras islâmicas, sempre é uma prioridade. Deus quer que protejamos nossa vida e a de outras pessoas. Não indo para o Hajj esse ano, estamos protegendo a vida e esse é um dos nossos propósitos de existência. Tem tristeza? É claro, por não podermos fazer (a peregrinação) mas a gente sabe que, se não for neste ano, no próximo ano poderemos voltar para fazer, InshaAllah (Se Deus quiser).

LEIA: Islâmicos do Brasil celebram o Eid em isolamento social

Qual é a sua mensagem para os muçulmanos e a sociedade brasileira?

Quero parabenizar todos os muçulmanos, toda nossa comunidade islâmica, na chegada dessa data, desejando muita alegria e saúde nesse momento de sacrifício. Desejo que Deus aceite nossas orações, nossas súplicas nesses dias abençoados e também quero dizer a todos brasileiros que desejo que essa pandemia seja removida. Desejo muita saúde a todos, paz, tranquilidade, especialmente às pessoas que estão precisando, que sofreram por causa da pandemia. Nossas orações nunca param, para que tudo volte ao normal e também pelas pessoas que estão doentes, necessitadas de saúde, aos desempregados que estão procurando trabalho, correndo pela sobrevivência. Vocês estão muito presentes em nossas orações, que Deus proteja o Brasil, que remova essa pandemia de todo o mundo, InshaAllah.

LEIA: Gaza terá menos cordeiros neste Eid

Categorias
Ásia & AméricasBrasilEntrevistasOriente MédioSlide Grande
Show Comments
Show Comments