Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Instagram pede desculpas por excluir o post de Bella Hadid celebrando a identidade palestina

Após repercussão, a rede social afirmou em comunicado que o conteúdo "não deveria ter sido removido"

A rede social Instagram pediu desculpas à supermodelo Bella Hadid após as críticas públicas da modelo por ter tido excluída pela plataforma uma postagem mostrando o local de nascimento de seu pai como Palestina.

Depois que a supermodelo palestino-americana postou uma imagem do passaporte expirado do magnata do setor imobiliário, Mohammed Hadid, com o número do passaporte embaçado, o Instagram enviou um aviso de remoção, alegando que sua postagem era contrária às “diretrizes da comunidade”.

Hadid, 23 anos, falando diretamente ao Instagram social, escreveu: “que parte de meu orgulho pelo local de nascimento de meu pai na Palestina é ‘bullying, assédio, nudez gráfica ou sexual?'”

Em resposta, o Instagram afirmou em comunicado que o conteúdo “não deveria ter sido removido”.

LEIA: O pai da modelo Gigi Hadid e sua casa de infância na Palestina

“Para proteger a privacidade de nossa comunidade, não permitimos que as pessoas publiquem informações pessoais, como números de passaporte, no Instagram”, disse um porta-voz da empresa-mãe do Instagram, o Facebook.

“Nesse caso, o número do passaporte ficou fora de foco; portanto, esse conteúdo não deveria ter sido removido. Restauramos o conteúdo e pedimos desculpas a Bella pelo erro.

A modelo publicou novamente a foto do passaporte, que atualmente permanece em seu feed de mídia social, e afirmou: “Vocês querem que ele mude seu local de nascimento para te atender? Todos devem postar onde suas mães e pais nasceram hoje! Lembre-os de como você se orgulha de sua origem! Tenho orgulho de ser palestino. ”

Mohamed, 71 anos, nascido na Palestina, e sua filha supermodelo, Gigi Hadid, repassaram o Story de Bella no instagram para o perfil deles com uma tag para demonstrar “orgulho”.

A família Hadid é defensora dos direitos palestinos há anos, usando suas plataformas para promover a causa.

LEIA: Ong de direita quer banir cantora das rádios por criticar soldados israelenses

Categorias
Ásia & AméricasEUANotíciaOriente MédioPalestinaVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Show Comments