Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Líder de colonos de Israel diz que Trump não é amigo de Israel

O presidente dos EUA, Donald Trump, e seu consultor, Jared Kushner, na Casa Branca em Washington DC, EUA, em 1 de outubro de 2018 [Chip Somodevilla / Getty Images]
O presidente dos EUA, Donald Trump, e seu consultor, Jared Kushner, na Casa Branca em Washington DC, EUA, em 1 de outubro de 2018 [Chip Somodevilla / Getty Images]

Um alto líder de colonos disse ontem que o presidente dos EUA, Donald Trump, e seu conselheiro sênior, Jared Kushner, mostraram através do chamado “acordo do século” que “eles não são amigos do Estado de Israel”.

Nas últimas semanas, os colonos de direita, incluindo David Elhayani, que preside o chamado grupo de prefeitos de colonos do Conselho Yesha, se opuseram às condições estabelecidas no “acordo do século” de Trump, argumentando que abriria a porta para um estado palestino ao por fim a qualquer expansão dos assentamentos israelenses em grande parte da Cisjordânia ocupada.

Trump e seu principal conselheiro do Oriente Médio Jared Kushner “não são amigos de Israel”, disse Elhayani ao jornal Haaretz.

No plano de Trump, pretensamente para a paz entre israelenses e palestinos, Israel mantém a maioria de seus assentamentos ilegais na Cisjordânia ocupada, território que os palestinos buscam como parte de seu estado.

LEIA: Coronavírus força cancelamento de conferência sionista nos Estados Unidos

Elhayani acrescentou que o presidente e Kushner, seu genro, “não têm em mente os interesses de segurança e os assentamentos de Israel” e que “a única coisa com a qual eles se preocupam com relação ao plano é promover seus próprios interesses antes da próxima eleição.”

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu “condenou veementemente” as declarações de Elhayani, insistindo que “o presidente Trump é um grande amigo do Estado de Israel”.

“Ele liderou processos históricos para o bem do Estado de Israel, entre eles reconhecendo a soberania israelense sobre as colinas de Golã, reconhecendo Jerusalém como capital de Israel, transferindo a embaixada dos EUA para Jerusalém e reconhecendo a legalidade da empresa de assentamentos na Judéia e Samaria, ” ele disse, referindo-se à Cisjordânia ocupada.

Netanyahu repete sempre que planeja avançar anexando unilateralmente essas áreas a partir do próximo mês, embora os EUA tenham dito para ele “desacelerar o processo”.

O acordo do século de Trump e os planos de anexação de Israel são duramente condenados pelos palestinos e contrariam o direito internacional.

LEIA: Estados Unidos devem pressionar o TPI para cessar investigações sobre os crimes de Israel

Categorias
Ásia & AméricasEUAIsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments