Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A oportunidade na crise: Israel, Palestina e comunidade internacional

Muro da separação. {Domínio Público/Piqsels]
Muro da separação. {Domínio Público/Piqsels]

Numa época em que a pandemia de Covid-19 está causando crises de saúde, políticas, sociais e econômicas em diferentes partes do mundo, e durante a qual mudamos nossos velhos hábitos, na Palestina nada é muito diferente.Israel vive a crise de um país que realizou três eleições no ano passado, juntamente com Benjamin Netanyahu acusado de suborno, fraude e quebra de confiança em três casos diferentes, e que apenas algumas semanas atrás conseguiu chegar a um acordo para formar o governo de unidade com o líder do partido Azul e Branco, Benny Gantz.Assim, o contexto da crise de covid-19 levou a “democracia” israelense a concordar que ambos alternariam o poder por um período de três anos, mas sob o denominador comum de avançar com o plano de anexar o Vale do Jordão, e o partes da Palestina ocupada na Cisjordânia.

O fato é que a colonização da Palestina não tem uma divergência política em Israel desde 1948, e aparentemente também não terá. É uma prioridade nacional, e os diferentes líderes israelenses disseram isso. Ze’ev Jabotinsky, o inspirador do Likud, partido do atual primeiro-ministro Netanyahu, já havia dito isso muito antes: “Não podemos dar nenhuma compensação pela Palestina, nem aos palestinos nem a outros árabes. Portanto, um acordo voluntário é inconcebível. Toda colonização (…) deve ser realizada em desafio à vontade da população nativa. E só pode continuar e se desenvolver sob uma Muralha de Ferro que a população local nunca será capaz de atravessar. Esta é a nossa política árabe. Formulá-la de outra maneira seria hipocrisia ”. Ele afirmava que o sionismo“ é uma aventura de colonização ”.

LEIA: Diáspora palestina na América Latina

Em 1992, quando Isaac Rabin, do Partido Trabalhista, que mais tarde assinaria os chamados “Acordos de Oslo”, assumiu o poder, ele anunciou que as novas diretrizes aprovadas pela liderança trabalhista estabeleciam que o futuro governo “fortalecerá os assentamentos em todas as linhas de confronto ”, isto é, nos principais locais estratégicos: o Vale do Jordão e as colinas de Golã, também a favor da continuação da construção em Jerusalém, o que mostra claramente que o governo trabalhista também não tinha – embora alguns acreditem – as intenções de interromper a colonização durante o processo de Oslo. Pelo contrário,estas aumentaram consideravelmente, como testemunham suas estratégias de assentamento.

Diante disso, muitos palestinos não entendem por que a comunidade Internacional é surpreendida por uma política sistemática dos sucessivos governos de Israel e, ainda mais seriamente, intensificada após Oslo, quando era de supor que Israel deveria parar construção de assentamentos.

Negociação do Acordo do Século com os EUA [Sabaaneh/ Monitor do Oriente Médio]

Negociação do Acordo do Século com os EUA [Sabaaneh/ Monitor do Oriente Médio]

Embora a anexação esteja enquadrada na “proposta” EUA-Israel chamada “Acordo do Século”, a verdade é que, de uma perspectiva histórica, o que está prestes a acontecer é uma nova fase da estratégia colonial israelense, anteriormente sob justificativa legal dos “Acordos de Oslo” e hoje sob a justificativa legal do “Acordo do Século”.E diante dessa nova fase, o presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmud Abbas, repetiu mais uma vez que “se retirará” do que foi estabelecido em Oslo e, consequentemente, dos chamados acordos de segurança com Israel.

A verdade é que, como muitos afirmam, chegou a hora de mudar a estratégia. Que essa crise nos abra a perspectivas de enfrentar o triste cenário que a Palestina enfrenta. Oslo foi um fracasso, foi apenas uma fase do projeto colonial israelense, que não apenas provocou a aceitação da “legalidade” da colonização da Palestina Histórica, mas que inevitavelmente levou à colonização de nossas demandas e narrativas.

LEIA: A lembrança da Naksa pelos palestinos na América Latina

Oslo mudou o ponto de vista do problema palestino, que era o de um local ainda a ser descolonizado, que exigia o retorno de refugiados palestinos, para adotar agora a farsa dos dois estados, a fim de satisfazer a comunidade Internacional que Nada fez pela Palestina. Forjou a premissa – desde então – de que seria um “conflito” e, portanto, entre duas partes supostamente iguais, enquanto na realidade os palestinos concordaram em se engaiolar em troca de um estado que ainda não chegou. e que parece cada vez mais distante.

Pior ainda, os chamados acordos de segurança inevitavelmente deixaram claro que a vítima era Israel e não os palestinos. Pois a necessidade de segurança era (e é) atribuída ao ocupante e, portanto, os palestinos (que seriam os agressores sob essa lógica) tinham que garantir essa segurança. Incomum. Oslo então tornou evidente a agressão israelense como uma necessidade, como se estivesse realmente agindo em sua própria defesa. A lógica colonial foi então aceita.

Diante disso, é vital retomar nossa linguagem, focar na Palestina como um lugar a ser descolonizado e não continuar falando sobre a “solução de dois estados” (não exatamente porque não concordar com essa solução, mas porque desvia a atenção do que é realmente essencial), enquanto a Palestina mal continua sendo uma cidade fragmentada, ocupada e fechada em 8% do território que possuía em 1948.

Vinte e sete anos após o fatídico Acordo de Oslo, Israel continua tratando os palestinos como o mesmo grupo indesejado e colonizado, sejam “cidadãos” de Israel, “residentes” de Jerusalém, ocupados na Cisjordânia, refugiados no bloqueio de Gaza ou na diáspora. E essa fragmentação em grupos também faz parte da estratégia colonial, que não apenas obedece a uma fragmentação territorial, mas também a identidade, que destrói o tecido social e nacional palestino. Portanto, a mobilização exigida pelo movimento palestino também não será fácil nem instantânea.

A verdade é que anunciar a saída dos Acordos de Oslo não significa nada, especialmente se considerarmos que Israel nunca os respeitou. De resto, pôr um fim nelas significaria pôr um fim à Autoridade Nacional Palestina, criada precisamente por Oslo, e não creio que a liderança palestina ou a israelense estejam dispostas.

LEIA: Servil a Trump e Netanyahu, Brasil afunda na pandemia

Dada a impunidade com que Israel violou o direito internacional nos territórios ocupados e após o anúncio da anexação, não há melhor oportunidade para os palestinos finalmente abandonarem um discurso que aparentemente satisfaz apenas a uma comunidade internacional que forneceu a oportunidade para que Netanyahu, com a desculpa de interromper as negociações, continue com sua política de colonização.

Os palestinos, apesar de suas limitações e deturpações, já deram muito tempo à comunidade Internacional que nada fez pela Palestina. A comunidade Internacional, por sua vez, também já deu a Israel tempo suficiente para interromper suas políticas, sem sucesso. Diante disso, a oportunidade de mudar de estratégia não está apenas na Palestina, mas também na própria comunidade Internacional, que deve confirmar que a atual estrutura territorial não permite mais continuar apoiando a tese dos “dois estados” e que os territórios palestinos (bantustans) não são realmente autônomos, mas são inteiramente governados pela ocupação militar israelense.

Da Palestina Histórica ao Acordo do Século. [Mapa ilustrativo/ Nad-NSU]

Da Palestina Histórica ao Acordo do Século. [Mapa ilustrativo/ Nad-NSU]

Não é necessário esperar a anexação para começar a pensar em sanções, pois a violação legal da justifica é mais do que evidente. O Tribunal Internacional de Justiça, o Conselho de Segurança das Nações Unidas o disseram, e esperamos que o Tribunal Penal Internacional também o fortaleça em breve. Portanto, ações devem ser tomadas agora para acabar com a violação sistemática do direito internacional, mas também como uma medida de pressão preventiva em caso de anexação.

LEIA: Alinhamentos na América Latina definem as primeiras posições frente ao Acordo do Século

A estratégia da comunidade Internacional deve ser trabalhar para passar do apartheid atual para uma estrutura que permita a igualdade perante a lei de todos os cidadãos do território que compõe a Palestina-Israel, uma vez que a anexação da Cisjordânia esconde permanentemente qualquer possibilidade para uma solução de dois estados, e o que é ainda pior, constitui uma ruptura sem precedentes nos pilares fundamentais de nossa sociedade protegidos pela Carta das Nações Unidas.

Diante disso, é que a comunidade Internacional deve refletir e entender que a situação atual é o resultado, não apenas da negligência de Israel, mas do tratamento preferencial e permitido que esta lhe deu. A comunidade Internacional não fez o suficiente para materializar a solução dos dois estados, nem estava disposta a confrontar as ações internacionalmente ilegais de Israel, ou mesmo reconhecer o Estado da Palestina – com exceções.

Assim, é preciso elaborar políticas que apontem para as implicações da realidade atual (impostas por Israel), mas de maneira eficaz em que as relações com Israel sejam pesadas contra o suposto desejo de manter a atual arquitetura internacional que proíbe, não apenas apartheid, mas também a aquisição de território pela força.

LEIA: Gaza sitiada tenta isolar coronavírus

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasChileIsraelOpiniãoPalestina
Show Comments
Show Comments