Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Internautas ironizam os EUA nos conflitos externos e se dizem “exército livre” dos americanos

Protesto contra a morte de George Floyd em Minneapolis, Nova York, nos Estados Unidos. em 1 de junho de 2020. [Mostafa Bassim/Agência Anadolu]
Protesto contra a morte de George Floyd em Minneapolis, Nova York, nos Estados Unidos. em 1 de junho de 2020. [Mostafa Bassim/Agência Anadolu]

O cenário é familiar demais: o assassinato quase casual em Minneapolis de um cidadão afro-americano desarmado – ele tem nome: George Floyd – por policiais provocou uma onda de distúrbios sociais e protestos em todo o país. Desde o assassinato de Floyd em 25 de maio, vimos os piores “distúrbios raciais” em uma geração, após os exemplos de Los Angeles em 1992 e Detroit em 1967. O que diferencia os protestos atuais é a rapidez com que eles se espalharam pelos Estados Unidos, ajudados em parte, sem dúvida, pela disponibilidade e uso das mídias sociais. Os eventos estão ocorrendo com o pano de fundo da pandemia de coronavírus em um país com o maior número registrado de casos e mortes.

No entanto, enquanto numerosas cidades estão queimando, lojas estão sendo saqueadas e confrontos violentos estão ocorrendo entre cidadãos e policiais, o enquadramento desses eventos como “tumultos” é hipócrita. Comentaristas e políticos podem muito bem ser cegados pelo excepcionalismo dos EUA, à medida que se apressam em descrever protestos semelhantes no Oriente Médio e Hong Kong, por exemplo, como “levantes” ou “revoluções”, enquanto a agitação doméstica é rotulada como qualquer outra coisa. Com os “motins” implicando que a culpa recai sobre os cidadãos nas ruas, as distinções sutis raramente são explicadas.

LEIA: Coronavírus força cancelamento de conferência sionista nos Estados Unidos

Internautas divulgam o mar de manifestantes que encheu as ruas de Chicago por George Floyd. Um deles diz que esses protestos pacíficos em massa raramente chegam à grande mídia.

No ano passado, escrevi sobre os protestos iranianos em reação ao aumento do preço do combustível subsidiado pelo governo, atingido por sanções. Muitas autoridades e analistas ocidentais da época estavam salivando com as perspectivas de um levante popular contra o “regime mulá”, como têm acontecido nos últimos 40 anos. O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, deu boas-vindas aos acontecimentos e disse na época: “o mundo está assistindo”, assim como o presidente Donald Trump.

Em uma ironia suprema, dada a situação atual nos EUA, Trump twittou: “Aos líderes do Irã – NÃO MATE SEUS PROTESTADORES. Milhares já foram mortos ou presos por você, e o mundo está assistindo. Mais importante, os EUA estão assistindo. Ligue novamente a Internet e permita que os repórteres circulem gratuitamente! Pare com a morte do seu grande povo iraniano! É claro que ele ameaçou lançar “armas ameaçadoras” e “cães cruéis” contra manifestantes americanos. “Quando o saque começa, o tiroteio começa.”

O mundo agora está assistindo os EUA enquanto os protestos da Black Lives Matter se espalham por mais de 30 cidades, incluindo a capital. Agentes do Serviço Secreto entraram em choque com manifestantes que derrubaram barricadas de segurança do lado de fora da Casa Branca, onde Trump e sua família foram levados para um abrigo seguro.

Um internauta diz no twitter que o chefe do regime, em apuros isolado dentro do palácio presidencial, elogia a segurança do estado “  Ele reproduz a mensagem de Trump, elogiando o serviço secreto dos EUA que fizeram com que ele sentisse seguro, e deixaram os manifestantes  gritar e reclamar o quanto quisessem,.

No Irã, como apontei no ano passado, em meio a protestos legítimos, houve também ataques criminosos a instituições estatais, bancos e outras propriedades. Eventos semelhantes ocorreram no Iraque e no Líbano. Como eu disse, “as reações podem diferir, mas nenhum governo toleraria ataques criminosos contra instituições estatais”. Além disso, após os protestos irados dos iranianos sobre a queda do avião de passageiros ucraniano em janeiro, o deputado Ali Motahari disse que essas reações eram naturais até certo ponto, mas nenhum governo aceitaria protestos com “agendas subversivas”.

LEIA: Presidente dos Estados Unidos Donald Trump ameaça suspender recursos à OMS

Um internauta chama a atenção para as imagens que não aparecem na mídia.

Agora estamos testemunhando esses eventos nos EUA, com a Guarda Nacional totalmente mobilizada no estado de Minnesota e Trump anunciando que o movimento antifascista de esquerda, Antifa, será designado como uma organização “terrorista”.

Vale a pena lembrar que a Primavera Árabe foi incendiada pela auto-imolação de um homem tunisino em protesto contra a injustiça dos policiais locais. A guerra civil na Síria foi impulsionada pela resposta brutal do governo aos protestos que se seguiram à tortura de alguns meninos por policiais por grafitarem algumas paredes. George Floyd foi morto por causa de uma infração igualmente menor à lei. De fato, existem numerosos exemplos de cidadãos negros dos EUA sendo mortos a tiros ou brutalizados e abusados por infrações de trânsito e outros incidentes que justificariam cautela ou multa em qualquer outra democracia.

Enquanto em lugares como a Síria a divisão é traçada ao longo de linhas religiosas, nos EUA é definitivamente a raça o fator que a define, juntamente com o baixo status social que muitos não-brancos experimentam. Estados estrangeiros apoiaram grupos armados da oposição e desertores do exército durante os primeiros dias do conflito na Síria. Os EUA eram um dos vários países que financiavam e armavam grupos terroristas no país, incluindo frequentemente combatentes estrangeiros, nem mesmo da Síria.

Como é habitual quando os governos se defrontam com qualquer tipo de oposição, o fantasma dos “extremistas” foi invocado na Síria e agora estamos ouvindo o mesmo mantra nos EUA. O procurador-geral William Barr disse que os protestos pacíficos foram “seqüestrados por violentos elementos radicais”, enquanto o governador de Minnesota, Tim Walz, atribuiu a violência e a atividade criminosa a “forasteiros” de outros estados da América.

Internauta reage ao post de Donald Trum que elogiou a Guarda Nacional em Minneapolis, autorizada a fazer “o trabalho que o prefeito democrata não poderia fazer” e que ele lamenta não ter sido usada dois dias antes para proteger a sede da polícia dos manifestantes. O internauta lembra que em 2011, quando o presidente sírio enviou o exército a Daraa após a morte de dezenas de policiais, civis e a destruição de propriedades públicas, ele foi rotulado de “criminoso” pelo governo de Obama.

Embora as deserções generalizadas das forças de segurança sejam muito improváveis nos EUA, vimos imagens de pelo menos um xerife, Chris Swanson, de Flint, Michigan, do lado dos manifestantes. Também houve postagens satíricas em uma conta no Twitter do “Exército Americano Livre”, revertendo o papel que os EUA geralmente desempenham ao se intrometer nos assuntos de outros países.

Nste post, internautas ironizam o papel dos EUA nos conflitos externos, anunciam o “Exército Livre americano” e pedem à China e o Irã ajuda e assistência para alcançar seus objetivos.

Outro fenômeno em comum com os regimes ditatoriais do Oriente Médio e de outros lugares são os “leais ao regime” e paramilitares que buscam esmagar a dissidência popular por qualquer meio. Muitos apoiadores de Trump são proprietários e defensores das armas. Em abril, apoiadores armados de Trump, alguns brandindo bandeiras confederadas, fizeram protestos próprios em resposta a ordens de distanciamento social destinadas a conter o surto de coronavírus. As reações estaduais e federais foram silenciadas em comparação com as que enfrentam os manifestantes da Black Lives Matter. Na pior das hipóteses, o dado é lançado para conflitos ao longo de linhas raciais, mas há esperança: cidadãos brancos também foram às ruas à medida que os protestos #ICantBreathe se espalham.

LEIA: Conflito entre Irã e Estados Unidos: encoberto pela névoa da guerra

No entanto, o alvo deliberado de jornalistas em um esforço para reprimir a mídia foi visto nos EUA na semana passada. Tais tentativas grosseiras de censura à imprensa estão mais associadas a não-democracias, mas um jornalista de Denver disse que seu cinegrafista foi atingido quatro vezes pela polícia com bolas de paintball e sua câmera também foi atingida, enquanto um correspondente negro da CNN foi preso ao vivo enquanto estava no ar, apesar de mostrar sua carteira de imprensa. Outro repórter e seu cinegrafista filmando em Louisville foram baleados pela polícia usando balas de borracha.

O que esquecido na América no momento é o financiamento e armamento de manifestantes no exterior. Os EUA têm a geografia a seu favor, mas de todo modo já estão cheios de armas e munições. Se grupos terroristas surgissem como surgiram e continuem a fazê-lo na Síria com a ajuda de atores vizinhos, regionais e internacionais – incluindo os EUA – Washington teria uma perna moral em que se apoiar?

Embora se possa argumentar que pelo menos as autoridades americanas não estão bombardeando seus próprios cidadãos, isso realmente aconteceu. Em 13 de maio de 1985, a polícia da Filadélfia jogou uma bomba de sacola composta por explosivos C-4 fornecidos pelo FBI e Tovex, em um bairro residencial amplamente afro-americano, visando o grupo de libertação negro MOVE. Onze pessoas foram mortas, incluindo cinco crianças, e 61 casas foram destruídas; centenas ficaram desabrigadas. A pouca consideração que muitas pessoas no poder e no uniforme têm pelos direitos humanos de seus concidadãos nos Estados Unidos espelha em muitos aspectos a desumanização sofrida por pessoas e estados que enfrentam agressões e ocupações financiadas pelos EUA.

No momento em que escrevo, não está claro para onde estão indo os protestos das Vidas Negras nos EUA, mas já estão sendo expressas dúvidas sobre se a família e os amigos de George Floyd podem esperar por justiça tão cedo. Não apenas passaram dias para o policial envolvido ser preso e acusado, mas seus colegas que ficaram do lado e não fizeram nada para detê-lo também estão em liberdade.

O assassinato de Floyd poderia ser um momento decisivo, frente à resposta desastrosa do governo Trump ao covid-19, desemprego em massa e uma economia devastada. Longe de “tornar a América novamente grande”, Trump está presidindo um país cuja posição no mundo nunca foi tão baixa. O PIB da China está a caminho de superar o dos EUA até o final da década e o poder declinante do petro-dólar significa que os americanos enfrentam tempos difíceis pela frente. Eles precisam controlar o racismo que atrapalha sua sociedade antes que seja tarde demais; este poderia ser o fator a influenciar a balança.

LEIA: Conflito entre Irã e Estados Unidos: encoberto pela névoa da guerra

 

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEstados UnidosOpiniãoTendências do TwitterTrends do Twitter
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments