Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Pioneiro de direitos humanos saudita morreu na prisão, informa observatório

Abdullah Al-Hamid, pioneiro do movimento de reforma política da Arábia Saudita

Uma importante figura saudita em direitos humanos morreu após sofrer um derrame no início deste mês, informou o observatório de direitos humanos Human Rights Watch (HRW)

Ativistas sauditas de direitos humanos dizem que Abdullah al-Hamid, de 69 anos, não recebeu atendimento médico adequado antes de sua morte e que sua condição se deteriorou ao longo de vários meses.

LEIA: Bin Salman quer ajuda em controlar o Oriente Médio a fim de ‘normalizar relações com Israel’

Al-Hamid, 69 anos, passou os últimos sete anos de sua vida na prisão após ser condenado em março de 2013 por acusações relacionadas ao seu ativismo político pacífista e de direitos humanos.

Al-Hamid foi professor, reformista político e co-fundador da Associação dos Direitos Civis e Políticos da Arábia Saudita (ACPRA). Ele defendia os direitos humanos há mais de 25 anos, e as autoridades sauditas o detiveram mais de seis vezes desde 1993.clarou

Michael Page, vice-diretor da Human Rights Watch no Oriente Médio, de: “Perdemos uma das principais luzes do movimento de direitos humanos da Arábia Saudita, mas sua mensagem e os muitos ativistas que ele inspirou permanecerão vivos e continuarão pressionando por reformas”.

“É inaceitável que Abdullah al-Hamid tenha sido forçado a passar seus últimos anos na prisão apenas por criticar os excessivos abusos dos direitos humanos na Arábia Saudita”.

Em 2009, al-Hamid e outros acadêmicos e ativistas de direitos autorais co-fundaram a ACPRA em resposta ao agravamento da situação dos direitos humanos na Arábia Saudita. O grupo pediu que o governo da Arábia Saudita aplicasse os princípios da Declaração Universal dos Direitos Humanos e recomendou uma monarquia constitucional com um parlamento eleito.

A ACPRA também ajudou muitas famílias a processar o Ministério do Interior por violações da lei saudita em casos de detenção arbitrária.

Em abril de 2012, ele e outros ativistas pediram a renúncia do então ministro do Interior, príncipe Nayef, devido ao número de detidos que supostamente sofreram maus tratos durante sua gestão.

As autoridades iniciaram um processo criminal contra ele e seu colega Mohammed al-Qahtani sob acusações que incluíam “semear discórdia e perturbar a ordem pública”, além de criticar os líderes religiosos e o sistema judicial do país.

LEIA: Jornal denuncia que outro dissidente do Irã foi morto na Turquia além de Khashoggi

Em 9 de março de 2013, o Tribunal Penal de Riad condenou al-Hamid a cinco anos de prisão e acrescentou mais seis anos de uma sentença anterior que o falecido rei Abdullah havia trocado em perdão real condicional em 2006.

De acordo com o ALQST, o estado de saúde de al-Hamid piorou nos últimos meses e as autoridades atrasaram uma operação cardíaca que um médico disse que al-Hamid precisava no início de 2020. O ALQST afirmou que as autoridades tomaram medidas para impedir que al-Hamid discutisse seu estado de saúde com a família. Ele sofreu um derrame no dia 9 de abril e permaneceu hospitalizado em coma até sua morte em 24 de abril.

Jamal Khashoggi falando na conferência do AlSharq Forum [AlSharq Forum]

Ativistas divulgaram na sexta-feira um videoclipe nas redes sociais do jornalista saudita Jamal Khashoggi, falando sobre o ativista de direitos humanos Abdullah Al-Hamid.

No videoclipe retirado de uma entrevista anterior na televisão, Khashoggi falou sobre o surgimento de um movimento que pedia a monarquia constitucional na Arábia Saudita, mesmo antes do início da onda da Primavera Árabe, no início de 2011.

Khashoggi, assassinado pelas autoridades sauditas dentro do consulado de seu país em Istambul em 2018, descreveu Abdullah Al-Hamid como um “criador constitucional”, convidando todos os cidadãos sauditas a visitar a página de Al-Hamid para testemunhar sua criatividade.

LEIA: Ativistas sauditas são acusados de lançar a hashtag ‘Palestina não é minha causa’

Relatos sauditas confirmaram na sexta-feira de manhã a morte do conhecido acadêmico detido, Abdullah Al-Hamid, dias após a deterioração de sua condição de saúde.

Khashoggi disse na entrevista na TV que “Al-Hamid é do puro solo saudita de Salafi. Ele é uma pessoa culta e educada, com uma formação islâmica firme, mas não estrita. ”

Al-Hamid foi o fundador da Associação dos Direitos Civis e Políticos da Arábia Saudita e um dos mais proeminentes defensores da reforma do estado. As autoridades o prenderam em março de 2013 e o sentenciaram a 11 anos de prisão, sem explicar o motivo da sentença, segundo a organização saudita de direitos humanos ALQST.

Categorias
Arábia SauditaHRWNotíciaOrganizações InternacionaisOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments