Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Jornal denuncia que outro dissidente do Irã foi morto na Turquia além de Khashoggi

Dissidente iraniano Masoud Maulavi Vardanjani. [Twitter]

O jornal Daily Sabah da Turquia publicou uma reportagem comparando o assassinato do dissidente iraniano Masoud Maulavi Vardanjani na Turquia ao assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi, que foi morto no consulado da Arábia Saudita em 2 de outubro de 2018 em Istambul.

Vardanjani foi assassinado no ano passado em 14 de novembro: “Como o jornalista saudita Jamal Khashoggi, morto no consulado de seu país em Istambul, Vardanjani foi morto a tiros nas ruas do distrito Sisli”, disse o jornal.

LEIA: Medalhista olímpico do Irã contrai coronavírus

Khashoggi e Vardanjani eram ambos oponentes proeminentes aos regimes de seus países.

O jornal apontou que o assassinato de Vardanjani – um ex-agente de inteligência do Irã – estava ligado a seus posts nas mídias sociais sobre corrupção nacional envolvendo autoridades iranianas e a Força Quds no Corpo de Guarda Revolucionário Islâmico do Irã (IRGC).

Vardanjani fugiu do Irã para Istambul em junho de 2018, depois que as autoridades iranianas o colocaram sob investigação.

Em Istambul, o dissidente iraniano manteve amizade com Ali Esfanjani, que no entanto estava “fornecendo informações sobre ele a dois empresários iranianos que trabalhavam como informantes da inteligência iraniana sem o conhecimento de Vardanjani”.

Baseado em imagens de câmeras de segurança recolhidas pelas autoridades turcas, o jornal turco acrescentou que Esfanjani encontrou o assassino de Vardanjani, identificado como Abdulvahhab Koçak, em 13 de novembro,.

LEIA: Investigadora da ONU denuncia que não houve justiça pelo assassinato de Jamal Khashoggi

“Os dois homens se encontraram em um shopping e conversaram por cerca de meia hora. Esfanjani então conhecia Vardanjani e os dois começaram a andar na rua quando Koçak se aproximou por trás e disparou 11 tiros em Vardanjani ”, diz a reportagem.

O jornal ainda informa que Esfanjani obteve documentos de viagem falsos no consulado iraniano em Istambul após o assassinato e fugiu para o Irã.

Revelou que um iraniano, identificado como Siyavash Abazari Shalamzari, ajudou Esfanjani em sua fuga e que mais tarde foi capturado pelas forças de segurança. “Pelo menos seis oficiais de inteligência iranianos ajudaram Esfanjani a fugir para o Irã após o assassinato”, disse o Daily Sabah.

LEIA: Estados Unidos renova isenção a empresas russas e chinesas sobre sanções ao Irã

Categorias
Arábia SauditaEuropa & RússiaIrãNotíciaOriente MédioTurquia
Show Comments
Show Comments