Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Listar empresas para boicotar crimes de guerra israelenses é um começo…

Turista fotografa uma placa pintada em uma parede na cidade bíblica de Belém, na Cisjordânia, em 5 de junho de 2015, chamando para boicotar produtos israelenses provenientes de assentamentos judeus [Thomas Coex/AFP/Getty Images]

A ONU finalmente publicou seu banco de dados neste mês listando empresas que lucram com a brutal ocupação militar de Israel na Cisjordânia. Essa mudança foi feita somente após anos de atrasos inexplicáveis. Muito prestativamente, porém, a Federação Sionista – um grupo de lobby anti-Palestina e anti-Israel na Grã-Bretanha – admitiu que: “Os Estados Unidos e Israel trabalharam por mais de três anos para barrar sua publicação”. Isso confirma que é provável que essa lista prejudique a economia de Israel se houver uma ação adequada após sua publicação.

A resposta israelense à lista foi, portanto, previsível. O ministro de Assuntos Estratégicos, Gilad Erdan, reagiu dizendo que a ONU é culpada de “antissemitismo”. O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu ameaçou retaliar a ONU, dizendo que “quem quer que nos boicote será boicotado”. Ele anunciou que já havia retirado Israel da instância da ONU por trás da lista, o Conselho de Direitos Humanos.

Exatamente ao mesmo tempo em que os propagandistas de Israel no Ocidente querem nos enganar, alegando que é antissemita usar o termo “lobby de Israel”, Netanyahu se gabou de que nos últimos anos ele e Trump haviam “promovido leis na maioria dos estados dos EUA”, que determinam que uma ação forte deve ser tomada contra quem tentar boicotar Israel “.

O lobby de Israel quer nos levar a acreditar que é poderoso e influente, ao mesmo tempo em que não existe. Esta é realmente a terra dos cucos, um estado de coisas bizarro que não só foi adotado por governos de direita como os liderados por Netanyahu e Trump, mas também pelo supostamente centro esquerda do Partido Trabalhista da Grã-Bretanha, que está sob o domínio da mesma ilusão em massa.

Os documentos enviados a mim pelos órgãos disciplinares do partido no início deste mês me ameaçaram com mais sanções e punições, caso eu continuasse com meus relatórios sobre Israel e seu lobby na Grã-Bretanha. Obviamente, como sempre, os fatos não foram contestados pelo partido. Em vez disso, fui atacada por relatar com precisão o fato de que o lobby de Israel existe e que está na vanguarda da campanha de difamação contra Jeremy Corbyn desde 2015. Renunciei em protesto contra essa censura flagrante pela mão morta da burocracia de direita opressora do Partido Trabalhista,

Apesar de todo o tumulto israelense sobre a malvada ONU supostamente boicotar o Estado, o banco de dados em questão é realmente bastante tímido – acredito que é moderado demais – e nem exige um boicote às empresas listadas. Além disso, parece ter uma visão bastante restrita do que constitui cumplicidade com a ocupação israelense.

Por exemplo, a lista exclui alguns objetivos estratégicos de longa data do movimento palestino de boicote, desinvestimento e sanções – BDS, incluindo Volvo, Caterpillar, G4S e HP. No entanto, inclui muitas empresas israelenses e algumas marcas internacionais conhecidas, incluindo Airbnb, Booking.com e TripAdvisor, além da fabricante de equipamentos de construção JCB, do corretor Re/Max e da empresa de eletrônicos Motorola.

Manifestante palestino segura um cartaz lê “Boicote a Israel” durante uma manifestação contra a ação militar israelense em Gaza, perto da cidade de Nablus, na Cisjordânia. Em 16 de julho de 2014. [Nedal Eshtayah/Apaimages]

O Comitê Nacional da BDS na Palestina saudou a divulgação do banco de dados  como “um primeiro passo concreto muito significativo de uma entidade da ONU no sentido de responsabilizar empresas israelenses e internacionais que possibilitam e lucram com os assentamentos ilegais de Israel, que constituem um crime de guerra”.

O comitê observou que o banco de dados está incompleto. Espera-se que a própria ONU atualize a lista anualmente. Fundamentalmente, as empresas podem ser afastadas se deixarem de investir em assentamentos, envolvimento direto em crimes de guerra israelenses. Somente esse fator faz dessas empresas bons alvos para campanhas estratégicas e possíveis de boicote.

O movimento BDS está provando mais uma vez que é a principal estratégia do movimento internacional de solidariedade com os palestinos que pode ter o maior efeito isolado a longo prazo.

Esse novo banco de dados da ONU, embora não faça parte explícita do movimento BDS, pode ser uma ferramenta útil para ativistas do BDS na Grã-Bretanha e em todo o mundo.

Outro novo banco de dados útil faz parte explicitamente do movimento BDS, produzido recentemente pela Campanha Palestina de Solidariedade, examinando as universidades britânicas e seus investimentos em empresas envolvidas na ocupação da Cisjordânia. Como parte de sua pesquisa impressionante e detalhada sobre os assuntos financeiros das universidades, a PSC encontrou US$ 450 milhões em investimentos e vínculos institucionais com empresas cúmplices no comércio de armas de Israel e na economia de assentamentos ilegais. O grupo cruzou sua pesquisa com o novo banco de dados da ONU e descobriu que um número significativo de universidades britânicas está envolvido.

A PSC anunciou esta semana que escreveu para 10 universidades britânicas, incluindo a Universidade de Manchester, a University College London e a London School of Economics, pedindo-lhes que “terminem imediatamente esses investimentos e laços financeiros e tomem medidas urgentes para acabar com todos os investimentos em empresas cúmplices do regime de apartheid de Israel. ”

O ativista estudantil deve intervir para obrigar suas instituições a ouvir e, em seguida, agir desinvestindo do apartheid israelense. Listar empresas para boicotar crimes de guerra israelenses é um começo, mas levá-las a se desfazer o investimento tem que ser o próximo passo.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoBDSInquéritoIsraelOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestine
Show Comments
Show Comments