Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Se o Ocidente não tomar cuidado, a Rússia fará dos Bálcãs uma segunda frente

Residentes locais limpam os escombros e detritos após um Ataque com mísseis russos no sul de Kharkiv, Ucrânia, em 10 de julho de 2022 [Sofia Bobok/ Agência Anadolu]

Este mês provavelmente foi o mais esmagador para a Rússia desde que lançou sua invasão da Ucrânia há quase sete meses. Em uma operação contra-ofensiva agressiva, as forças ucranianas recapturaram as cidades de Kharkiv e Kupiansk, retomando rapidamente 3.000 quilômetros quadrados de território e expulsando as forças russas. Além de Kherson e dos territórios anexados no leste do país, Moscou, até agora, não conseguiu manter o controle de qualquer outra grande cidade ucraniana até agora. Sete meses depois, as coisas não estão funcionando bem para a Rússia.

Uma falha não se traduz necessariamente em outra falha em uma arena diferente, no entanto, já que o Kremlin e seus vários agentes ainda permanecem agitadores, influenciadores e disruptores capazes e bem-sucedidos. É o caso em cenários como os da Líbia, Mali e República Centro-Africana através do uso do mercenário Wagner Group, assim como na Europa e América do Norte, através de manipulação cibernética e influência nos setores político e midiático. Nos Bálcãs ocidentais, porém, isso é muito mais profundo e mais fortemente enraizado.

Apesar da presença de disputas e divisões internas de longa data, o medo real dos analistas é que na Bósnia – e na região dos Balcãs Ocidentais, em geral – a Rússia possa explorar essas divisões através do uso de atores locais, tanto políticos quanto civis.

Politicamente, os russos têm Milorad Dodik, o membro sérvio da presidência tripartite da Bósnia que, no ano passado, provocou temores de um conflito renovado no país ao cortejar a separação de áreas como a Republika Srpska do país. Tal movimento facilitado pela Sérvia e, mais sutilmente, pela Rússia, reavivou os pensamentos de um retorno aos eventos traumáticos de 1992-1995 e à agressão sérvia.

Desde então, e desde a reunião do presidente turco Recep Tayyip Erdogan com Dodik no ano passado e seu colega sérvio, Aleksandar Vucic este ano, esses temores parecem ter diminuído por enquanto. A qualquer momento, no entanto, o Kremlin pode retomar prontamente essas pulsações, e há relatos de que a Embaixada da Rússia na Bósnia afirmou que o presidente Vladimir Putin e Dodik têm um acordo privado sobre as medidas a serem tomadas no país dividido.

De uma maneira muito mais sutil, Moscou também poderia utilizar simpatizantes e manifestantes sérvios pró-Rússia para projetar seus interesses políticos, exercer pressão sobre as autoridades ou aumentar a instabilidade na região. Além dos manifestantes que se manifestaram no início deste ano em apoio à invasão russa da Ucrânia, há alegações – principalmente de analistas ocidentais – de que o Kremlin os paga e certamente o faria no futuro para incitar a violência atirando em policiais no norte de Kosovo.

LEIA: A estratégia de expansão da OTAN está ajudando a destruir a Ucrânia, membro de fato

De acordo com Reuf Bajrovic – ex-ministro de Energia, Mineração e Indústria da Bósnia e analista de políticas que atualmente é vice-presidente da Aliança EUA-Europa – que falou ao Monitor do Oriente Médio, a forte resistência dos militares ucranianos à invasão russa foi um fator-chave para impedir Moscou de atingir com sucesso os Balcãs Ocidentais.

“Os representantes russos na Bósnia estavam prestes a instigar uma rebelião, mas a longa guerra na Ucrânia derrubou seus planos”, disse ele. “Se os russos tivessem vencido rapidamente na Ucrânia, a Bósnia teria sido a próxima.” No entanto, não é apenas Moscou que tem explorado as divisões da região, com Bajrovic enfatizando que “o aspecto mais perigoso da crise quase permanente da Bósnia é que os países ocidentais estão cooperando estreitamente e permitindo que alguns dos representantes russos, como a política bósnia-croata partido – a HDZ [União Democrática Croata].”

Muitas dessas questões e a propensão à instabilidade resultam diretamente dos Acordos de Dayton e do sistema de compartilhamento de poder que governa o país. Além de dividir o país em duas zonas principais – a Federação da Bósnia-Herzegovina e a Republika Srpska – os Acordos de Dayton fornecem essencialmente uma sobre-representação para os diferentes grupos de interesse. Como foi delineado em uma Conferência da Comissão Européia há 17 anos, a Bósnia tinha três presidentes, 13 primeiros-ministros, 14 parlamentos, 147 ministros e 700 parlamentares. Se esse ainda for o caso,é tudo para uma população de apenas cerca de 3,2 milhões, e tudo ditado por cotas étnicas. Com efeito, isso mina a própria soberania da Bósnia e garante que ela nunca poderá ser verdadeiramente unificada sob este sistema atual.

Os Acordos de Dayton foram, afinal, apenas para ser um movimento temporário para cessar o conflito e enfaixar as feridas para parar o sangramento. Nunca foi concebido – pelo menos sob qualquer lógica razoável do lado bósnio – para ser uma solução permanente ou de longo prazo. Uma das críticas mais recentes de Dayton a esse respeito veio de Erdogan, que afirmou em entrevista coletiva com seu homólogo croata, Zoran Milanovic, em Zagreb que “se for perguntado de onde vem essa angústia na Bósnia, acho que vem de Dayton. Infelizmente, Dayton não poderia ser um acordo visando uma solução na Bósnia-Herzegovina.”

A Rússia se beneficia diretamente deste atual sistema disfuncional e utiliza-o para manter o seu domínio sobre a região, não só através do já mencionado uso de actores locais e simpatizantes no terreno, mas também pelo facto de ainda estar na ‘Implementação da Paz Council”, que supervisiona a implementação dos Acordos de Dayton. Isso dá a Moscou uma base legal clara, sob o direito internacional, para manter alguma forma de influência diplomática e ter uma palavra direta sobre como a Bósnia é governada em sua atual forma não-soberana.

LEIA: Na esperança de uma ‘OTAN do Oriente Médio’ contra o Irã, Israel e os EUA podem acabar com o coração partido

Como Samir Beharic, oficial de pesquisa do The Balkan Forum e membro do German Marshall Fund dos Estados Unidos disse ao Middle East Monitor, o acordo de Dayton “é uma maldição e uma bênção para a Bósnia e seu povo. Pode ter encerrado a guerra, mas os políticos a usam principalmente como plataforma para retórica etnonacionalista, ameaças constantes de secessão e belicismo.”

A ligação com a Rússia também foi vista no início deste ano, disse ele, quando o presidente do nacionalista croata HDZ, Dragan Čović, se juntou aos deputados bósnios-sérvios pró-Rússia na votação contra a Bósnia-Herzegovina sancionar Moscou e se alinhar com a UE em sua política externa e de segurança. política. “A Rússia não fará nada além de explorar o cenário em que os nacionalistas sérvios e croatas estão ampliando as divisões étnicas no país”, enfatizou Beharic.

Recordando que o “embaixador russo na Bósnia e Herzegovina, Igor Kalbukhov, ameaçou recentemente a Bósnia e Herzegovina com cenário ucraniano caso o país decida aderir à OTAN”, disse que as acções de Dodik e outras figuras pró-russas são um “bem actividade coordenada destinada a desmantelar a Bósnia-Herzegovina e desestabilizar toda a região”, em vez de uma simples ‘retórica inflamatória’.

Embora as nações ocidentais tenham se concentrado – compreensivelmente – na Ucrânia e no conflito em andamento, elas esqueceram ou negligenciaram em grande parte os esforços que a Rússia está realizando nos Balcãs Ocidentais. Apesar do embaixador dos EUA na Bósnia reconhecer recentemente o assunto e reiterar que Washington e o Ocidente “não vão deixar [a Bósnia-Herzegovina] para a Rússia”, bem como outros embaixadores afirmarem que a presença da UE e da OTAN na região é importantes para sua estabilidade, eles ainda permitiram amplamente que o Kremlin preenchesse o vazio na região e encorajasse as divisões na Bósnia.

Beharic exortou a necessidade de “mais atenção por parte dos principais atores do Ocidente, que têm apaziguado os fantoches russos nos Bálcãs por muito tempo. Agora é a hora de os EUA, o Reino Unido e a UE combaterem a má influência da Rússia, que preencheu o vazio nos Balcãs criado pela falta de envolvimento de atores externos do Ocidente.”

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoBósnia & HerzegovinaEuropa & RússiaOpiniãoRússiaSérviaTurquiaUcrânia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments