Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Na esperança de uma ‘OTAN do Oriente Médio’ contra o Irã, Israel e os EUA podem acabar com o coração partido

O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), Jens Stoltenberg, concede entrevista coletiva antes da cúpula dos líderes da OTAN,marcada para a capital da Espanha, Madri. Entrevista concedida na sede da OTAN em Bruxelas, Bélgica, em 27 de junho de 2022 [OTAN / POOL - Agência Anadolu]

Como os estados árabes Emirados Árabes Unidos, Bahrein, Sudão e Marrocos começaram a estabelecer laços com Israel nos últimos anos e aquecendo relações com seu antigo adversário, muitos viram isso como o início de uma nova era. E, de certa forma, era: o comércio agora podia fluir abertamente entre as nações da região e o mundo árabe poderia se beneficiar ainda mais da tecnologia israelense e do spyware.

Exceto que as coisas não foram inteiramente de acordo com o plano de Israel. Semanas antes da visita do presidente dos EUA, Joe Biden, ao Oriente Médio no início deste mês, o ministro da Defesa de Israel anunciou a formação de uma aliança regional com os estados árabes, no que supostamente se tornaria a “OTAN do Oriente Médio”. Sob essa bandeira, os novos aliados se coordenariam para defender uns aos outros contra a influência e agressão iraniana, liderando o contra-ataque.

Ao contrário das esperanças de Tel Aviv de um eixo unificado árabe-israelense contra o Irã, no entanto, as rachaduras na aliança nascente começaram a surgir e provar à liderança israelense e seus aliados ocidentais que a questão não é tão preto no branco.

Este mês, vários estados árabes fizeram declarações ou movimentos para sinalizar que não se opõem diretamente ao Irã, com a Jordânia negando que Teerã represente uma ameaça à segurança nacional e o conselheiro presidencial dos Emirados Árabes Unidos, Anwar Gargash, afirmando que os Emirados enviarão um embaixador ao Irã. país e que é contra um eixo anti-Irã. Isso, apesar de Amã lutar contra traficantes de drogas apoiados pelo Irã ao longo de sua fronteira com a Síria, e Abu Dhabi admitir preocupações com o programa nuclear do Irã.

LEIA: OTAN do Oriente Médio deve vir a público ou ser adiada

Omã também manteve suas relações com o Irã e procurou expandi-las, e autoridades egípcias e iranianas mantiveram conversas secretas na capital de Omã, Mascate, no mês passado. Até a Arábia Saudita, o principal inimigo de longa data do Irã, continua negociando com seu vizinho do outro lado do Golfo. Os países da região que estão sob influência iraniana – Síria, Iraque e Líbano – também não têm, é claro, aspirações de se opor a Teerã.

Não há dúvida de que a maior parte do mundo árabe está preocupada com o Irã em algum nível, particularmente em relação às suas supostas ambições nucleares, mas todos eles percebem o país e sua liderança de maneira diferente através das lentes de suas próprias perspectivas ou objetivos de política externa. Enquanto alguns veem Teerã com cautela e inimizade, outros o veem como oportunidade ou com neutralidade.

Para Israel e os EUA acreditarem que todos eles estariam dispostos a se comprometer inquestionavelmente com uma estrutura militar regional inteiramente nova dedicada a combater o inimigo iraniano foi uma generalização grosseira e um erro de julgamento desde o início.

A visão ou aspiração das nações árabes em relação ao  Irã talvez possa ser melhor resumida pelo discurso do príncipe herdeiro saudita Mohammed Bin Salman a Teerã na abertura da Cúpula de Segurança e Desenvolvimento de Jeddah na semana passada. Ele pediu ao Irã “como país vizinho, com o qual compartilhamos laços religiosos e culturais, que coopere com os países da região para fazer parte dessa visão, aderindo aos princípios de legitimidade internacional, não ingerência nos assuntos internos de outros países, cooperando com a Agência Internacional de Energia Atômica e cumprindo suas obrigações a este respeito.”

Os países árabes da região são céticos em relação à ideia de uma OTAN no Oriente Médio ou uma aliança militar árabe-israelense pela razão óbvia de que tal projeto representaria um nível perigoso de escalada em um momento em que é desnecessário. Falta praticidade no contexto da situação atual, em que não há premência de Estados árabes – e especialmente os Países do Conselho de Cooperação do Golfo (GCC) – realizarem qualquer ataque ou defesa contra o Irã, pois não estão sob nenhuma condição urgente e ameaça existencial, apesar das tensões regionais em curso.

Como afirmou este mês o jornalista egípcio Suleiman Guoda em sua coluna no jornal saudita Al-Sharq Al-Awsat, a ideia do projeto era principalmente israelense e apoiada pelos EUA, com agendas próprias que não convergiam totalmente com os interesses dos estados árabes. “Esta ideia, em todas as suas fases, era como uma planta que alguém arrancou e tentou plantar em solo estrangeiro, e toda vez que murchava e morria”, escreveu Gouda.

Ele esclareceu que “os países que declararam abertamente sua rejeição à [iniciativa] da OTAN árabe não o fizeram por desejo de expressar apoio ao Irã, Deus me livre, mas por acreditar que o problema [iraniano] só pode ser resolvido através do diálogo, não através de guerra ou confronto. Ao rejeitar abertamente esta iniciativa, eles transmitiram ao governo do [Supremo] Líder do Irã que ele deveria tomar nota dessa abordagem racional em suas relações com o Irã e que esperavam que adotasse uma abordagem semelhante .”

A proposta de uma aliança regional semelhante à OTAN contra o Irã, portanto, tornou-se “natimorta”.

Há também a possibilidade de que os estados árabes – tanto aqueles que reconhecem Israel quanto aqueles que estão prestes a fazê-lo – ainda não confiem plenamente no apoio de Tel Aviv e Washington o suficiente para arriscar qualquer escalada ou confronto sério com Teerã.

LEIA: Washington é o problema, não a solução, então por que Abbas está buscando novos patrocinadores ‘poderosos’?

Acima de tudo, se alguém realmente quiser comparar as perspectivas e a eficácia dessa aliança do Oriente Médio com a da OTAN, a maior diferença é que esta última é amplamente unificada em sua visão, enquanto a primeira não é. Todos os estados membros da OTAN vêem a Rússia como o inimigo comum, ou pelo menos um adversário problemático, enquanto nem todos os estados árabes estão unidos contra a ‘ameaça iraniana’.

Isso sem levar em consideração as inúmeras partes móveis que compõem a complexa situação política do Oriente Médio e as alianças convergentes, em contraste com a falta geral disso na Europa.

Israel e os EUA logo perceberão que os laços de aquecimento dos estados árabes com Tel Aviv não se traduzem necessariamente em uma vontade de confrontar Teerã, e que os novos aliados do estado de ocupação operam em um nível de pragmatismo – embora muitas vezes equivocado – que os atraiu para estabelecer tais laços em primeiro lugar..

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArtigoÁsia & AméricasEmirados Árabes UnidosEstados UnidosIrãIsraelOmãOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente MédioOTANSudão
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments