Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Investigar a vítima expõe a depravação da propaganda israelense

1
Uma foto tirada em 23 de novembro de 2019 na cidade israelense de Herzliya mostra Mimi Reinhardt, secretária de Oskar Schindler, um Industrial alemão que salvou a vida de centenas de judeus durante o Holocausto nazista. - Reinhardt morreu em 8 de abril de 2022 aos 107 anos [Gideon Markowicz/AFP via Getty Images]

“Não houve massacre em Jenin” foi a manchete de um editorial do Haaretz em 19 de abril de 2002, uma semana depois que Israel encerrou seu ataque mortal ao campo de refugiados palestinos sitiado no norte da Cisjordânia. Esta conclusão injustificada do diário israelense, de outros meios de comunicação israelenses e, em última análise, de vários meios de comunicação ocidentais, não foi o resultado de uma investigação completa realizada por uma comissão independente de inquérito.

Muito pelo contrário, na verdade. Em 9 de abril, um comboio da ONU foi impedido por Israel de chegar ao campo de Jenin e, em 30 de abril, Israel bloqueou oficialmente um inquérito da ONU sobre os assassinatos. A declaração aparentemente conclusiva do Haaretz foi o resultado de dois tipos de evidências arbitrárias: a afirmação do próprio exército israelense de que não cometeu um massacre em Jenin; e o fato de que o número de vítimas palestinas foi rebaixado de centenas para dezenas.

No próprio Israel, “muitos temiam que Jenin fosse adicionado à lista negra de massacres que chocaram o mundo”, relatou o Haaretz com óbvio alívio. Embora Israel tenha cometido vários crimes e massacres contra palestinos antes de abril de 2002, e muitos mais desde então, os israelenses continuam confortados pela persistente ilusão de que ainda estão do lado certo da história.

Aqueles que insistiram no uso do termo “massacre de Jenin” foram atacados e difamados, não apenas pela mídia e autoridades israelenses, mas também pela mídia ocidental. Acusar Israel de massacrar palestinos foi equiparado à sempre previsível contra-alegação de “anti-semitismo”.

Esta acusação foi a mesma que foi desencadeada contra aqueles que acusaram Israel de responsabilidade pelo massacre de Sabra e Shatila, que matou milhares de palestinos e libaneses em setembro de 1982. Comentando sobre o horrível banho de sangue nos campos de refugiados do sul do Líbano, o primeiro-ministro israelense no tempo, Menachem Begin, retrucou: “Goyim mata goyim, e eles vêm para enforcar os judeus.”

LEIA: A vergonhosa ‘Lista de Vergonha’ da ONU que iguala o perpetrador israelense e a vítima palestina

Foi Begin quem ordenou a invasão do Líbano por Israel, que matou cerca de 17.000 palestinos e libaneses, e ainda assim ele se sentia completamente inocente. As acusações supostamente infundadas, ele acreditava, eram mais um tropo antissemita, não apenas visando Israel, mas também todos os judeus em todos os lugares. Ironicamente, a Comissão Kahan oficial de Israel considerou o ministro da Defesa, general Ariel Sharon, “indiretamente responsável pelo massacre”. Surpreendentemente, Sharon mais tarde se tornou o primeiro-ministro de Israel.

O recente frenesi político e midiático gerado depois que o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, usou a palavra “holocausto” para descrever os crimes israelenses contra palestinos deve, portanto, ser colocado no contexto acima, não na palavra em si.

É um fato que muitos israelenses estão totalmente familiarizados com o uso da palavra “holocausto” na mídia árabe; várias organizações pró-Israel monitoram a mídia árabe e palestina como uma coisa natural. Eles já devem ter encontrado muitas referências semelhantes ao “holocausto sírio”, ao “holocausto iraquiano”, ao “holocausto palestino” e assim por diante.

No uso árabe, a palavra “holocausto” passou a representar o equivalente a um massacre horrível, ou muitos massacres. Ao contrário de “mathbaha” (“massacre”), holocausto carrega um significado mais profundo e comovente. No mínimo, o uso da palavra acentua ainda mais o crescente entendimento que os árabes sentem em relação ao assassinato em massa de judeus e outras minorias vulneráveis ​​pelos nazistas alemães durante a Segunda Guerra Mundial. . Não negam, rejeitam nem tentam substituir a referência aos crimes desprezíveis de Hitler.

De fato, uma simples análise do discurso da referência de Abbas é suficiente para esclarecer suas intenções. Falando em árabe, o líder palestino disse: “De 1947 até os dias atuais, Israel cometeu 50 massacres em aldeias e cidades palestinas… 50 massacres, 50 holocaustos e até hoje, e todos os dias há baixas mortas pelos militares israelenses”.

LEIA: Comentários de Abbas sobre Holocausto criam onda de protesto

É duvidoso que Abbas estivesse se referindo a 50 massacres específicos porque, francamente, se ele estava, então certamente está errado, pois muitos outros massacres foram cometidos no período que ele especificou. Deixando de lado a Nakba, Jenin e muitos desses assassinatos em massa, as guerras israelenses em Gaza em 2008-9 e 2014 testemunharam os assassinatos combinados de quase 3.600 palestinos, a maioria civis. Famílias inteiras em Jabaliya, Beit Hanoun, Rafah, Khan Younis, Zeitun, Buraij e outros lugares foram exterminadas nessas “guerras” unilaterais contra uma população sitiada, em grande parte civil.

Abbas estava simplesmente ilustrando que os crimes israelenses contra os palestinos são muitos e ainda não terminaram. Suas declarações em uma entrevista coletiva em Berlim com o chanceler alemão Olaf Scholz foram feitas em resposta a uma pergunta de um jornalista alemão sobre se Abbas estava pronto para se desculpar pela morte de onze atletas israelenses nos Jogos Olímpicos de Munique de 1972.

Esta pergunta era estranha porque o grupo que realizou o ataque em Munique era um grupo palestino marginal que não representava a Organização para a Libertação da Palestina (OLP), a liderança palestina no exílio na época.  Além disso, a pergunta foi feita  cerca de uma semana depois que Israel matou 49 palestinos, a maioria civis, incluindo dezessete crianças, em sua última ofensiva militar não provocada contra o povo de Gaza.

Teria sido mais adequado o jornalista perguntar a Abbas se ele havia recebido um pedido de desculpas de Israel por matar civis palestinos; ou, talvez, perguntar a Scholz se Berlim estava disposta a pedir desculpas ao povo palestino por seu apoio militar e político cego ao estado de ocupação. Nada disso aconteceu, é claro. Em vez disso, foi Abbas quem foi atacado e envergonhado por ousar usar o termo “holocausto”, especialmente na presença do líder alemão que, por sua vez, também foi castigado pela mídia e autoridades israelenses por não responder a Abbas imediatamente.

LEIA: Um dia para lembrar do sofrimento dos judeus sob o nazismo e a limpeza étnica do povo palestino sob a Nakba

Para evitar uma crise política com Israel, Scholz twittou no dia seguinte sobre o quão “enojado” ele estava com as “observações ultrajantes” feitas por Abbas. Ele condenou o líder palestino pela “tentativa de negar o crime do Holocausto”, e assim por diante.

Previsivelmente, os líderes israelenses aproveitaram o momento. Em vez de serem responsabilizados pela morte de civis palestinos, eles se viram em uma posição em que supostamente tinham uma posição moral elevada. O primeiro-ministro Yair Lapid se enfureceu contra a “desgraça moral” e a “mentira monstruosa” de Abbas. O ministro da Defesa, Benny Gantz, juntou-se, descrevendo as palavras de Abbas como “desprezíveis”. A enviada especial do Departamento de Estado dos EUA para monitorar e combater o antissemitismo, Deborah E. Lipstadt, também entrou na briga, acusando Abbas de “distorção do Holocausto” que “alimenta o antissemitismo”.

Apesar do rápido pedido de desculpas do presidente palestino, os alemães continuaram a escalar a questão. De fato, a polícia de Berlim teria “aberto uma investigação preliminar” contra Abbas pelo uso do termo “50 holocaustos”. As repercussões desses comentários estão em andamento, e investigar a vítima expõe a depravação da propaganda israelense.

A realidade é que autoridades, acadêmicos e jornalistas palestinos não negam o Holocausto, mas usam o termo para enfatizar seu sofrimento contínuo nas mãos de Israel. Ao contrário dos negadores do Holocausto na Europa e na América, os palestinos sentem uma afinidade entre si como vítimas do sionismo e vítimas da Alemanha nazista. Nisso, não há crime a investigar.

O que realmente requer investigação e condenação urgentes, portanto, é a contínua exploração do Holocausto por Israel para marcar pontos políticos baratos contra os palestinos, silenciar os críticos e esconder a verdadeira extensão de seus numerosos massacres, ocupação militar criminosa e regime racista de apartheid.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEstados UnidosIsraelONUOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments