Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

CIA não encontra razão para rotular ongs palestinas como ‘grupos terroristas’

1
Escritórios de ongs palestinas fechadas após operação israelense em Ramallah, na Cisjordânia ocupada, em 18 de agosto de 2022 [Issam Rimawi/Agência Anadolu]

Um relatório confidencial da Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos (CIA) não encontrou provas para fundamentar a decisão israelense de classificar seis instituições da sociedade civil palestina como “grupos terroristas”.

Segundo relatos, a agência submeteu dados de inteligência a seus homólogos israelenses, no início do ano, mas descartou as alegações sobre as ongs alvejadas, ao concluir que o material analisado não demonstrou qualquer suporte à posição de Tel Aviv.

Segundo o jornal britânico The Guardian, uma fonte confirmou que o relatório da CIA “não atribui qualquer culpa aos grupos em questão”. Uma segunda fonte insistiu que a análise é altamente sigilosa.

Neste entremeio, o Presidente dos Estados Unidos Joe Biden e seu governo permanecem sob pressão para assumir uma posição veemente sobre a matéria, sobretudo após vários países – incluindo aliados de Israel – rejeitarem os esforços de criminalização.

Washington, no entanto, não criticou ou questionou publicamente a investida de Tel Aviv, até recentemente, apesar de suas agências corroborarem a falta de provas.

“Os Estados Unidos devem ser bem claros ao reivindicar que o governo israelense reverta as designações e permita que as organizações mantenham seu trabalho vital”, comentou Omar Shakir, diretor do Human Rights Watch (HRW) para Israel e Palestina.

LEIA: Países europeus prometem manter apoio a ongs palestinas fechadas por Israel

“A realidade é que Washington lava suas mãos há tempo demais; em alguns casos, até mesmo autorizou abusos bastante graves por parte de Israel”, acrescentou Shakir.

Shakir destacou que a posição americana sobre as organizações palestinas é parte de um padrão que aponta o fracasso dos Estados Unidos em proteger verdadeiramente direitos humanos na região, em particular.

“Sua postura sobre as organizações palestinas revela um fracasso muito maior da política de Washington sobre a questão israelo-palestina e mostra que seu governo está absolutamente desvinculado do consenso sobre direitos humanos”, concluiu Shakir.

Em outubro, Tel Aviv criminalizou as seguintes ongs da sociedade civil: Associação de Direitos Humanos e Apoio aos Prisioneiros Addameer, Fundação al-Haq, Centro Bisan para Pesquisa e Desenvolvimento, União dos Comitês de Mulheres Palestinas (UPWC), União dos Comitês dos Trabalhadores Agrários (UAWC) e a Defesa da Infância Internacional – Palestina, cuja matriz é sediada em Genebra.

Na época, relatos sugeriram que os avanços israelenses para desacreditar tais grupos decorriam de seu trabalho junto ao Tribunal Penal Internacional (TPI), que investiga a ocupação por crimes de guerra e lesa-humanidade.

Não obstante, o repúdio à investida israelense foi quase universal.

LEIA: Ataque de Israel contra ongs palestinas resulta da inação dos EUA, alerta Tlaib

Após breve hiato nas doações aos grupos, diplomatas europeus confirmaram não encontrar evidências para as alegações da ocupação e retomaram o envio de recursos. Em julho, nove países expressaram sua recusa em interromper a colaboração com as ongs palestinas.

A associação Israelenses Contra o Apartheid também rechaçou a medida. Em solidariedade aos palestinos, a fundação judaico-israelense condenou a decisão em carta aberta com mais de mil assinaturas. Ativistas da organização reforçaram seu apelo em favor do movimento de Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS), contra o regime de apartheid imposto por Israel.

Na última semana, autoridades sionistas escalaram seus ataques ao invadir escritórios das ongs palestinas na Cisjordânia ocupada. Agentes armados confiscaram documentos e computadores e soldaram as portas das repartições.

Washington expressou somente “preocupação” sobre as ações israelenses, apesar de corroborar a falta de evidências suficientes para tanto.

Uma nota assinada por 150 organizações conclamou a comunidade internacional a responder aos ataques de Israel contra liberdades civis, representados no fechamento compulsório e na criminalização das ongs palestinas.

LEIA: Não há razão para interromper apoio a ongs palestinas, reafirma Europa

Categorias
Ásia & AméricasEstados UnidosIsraelNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestinaUnião Europeia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments