Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel não ter libertado Manasra, preso criança, é ultrajante, diz Anistia

Ahmed Manasra (C), um menino palestino de 14 anos, condenado pela tentativa de assassinato de dois israelenses em outubro de 2015, deixa o Tribunal Distrital de Jerusalém após sua audiência de sentença em 7 de novembro de 2016. [AHMAD GHARABLI /AFP via Getty Images]

A Anistia Internacional pediu a libertação imediata do jovem palestino Ahmad Manasra, que atualmente sofre de graves problemas de saúde mental.

O jovem de 21 anos está detido em uma prisão israelense desde os treze anos. Ele foi mantido em confinamento solitário no Centro de Detenção de Eshel nos últimos oito meses.

Em resposta à rejeição do Serviço Prisional de Israel de um pedido para tirar Manasra do confinamento solitário, a Diretora Regional da Anistia Internacional para o Oriente Médio e Norte da África, Heba Morayef, disse: “É ultrajante que as autoridades israelenses tenham renovado o feitiço de Ahmad Manasra em confinamento solitário.”

“Continuar a deter Ahmad Manasra em condições tão desumanas é um ato insensível de injustiça. Ahmad foi diagnosticado com esquizofrenia e está gravemente deprimido”.

Ahmad Manasra, jovem palestino preso há sete anos, desde os 13 anos de idade, sob tortura psicológica da ocupação [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Isso ocorre depois que a equipe psicológica que acompanha o caso de Manasra com a equipe de defesa expressou preocupação no mês passado em relação ao seu estado psicológico devido à violência, isolamento e opressão a que ele é submetido nas prisões israelenses.

LEIA: Petição para libertar Ahmad Manasra reúne meio milhão de assinaturas

Como resultado, a equipe de defesa apresentou um pedido urgente à Autoridade Prisional de Israel para liberar Manasra imediatamente, ressaltando que o jovem – que foi detido como menor – requer diagnóstico profissional, tratamento com medicamentos apropriados e fim de seu isolamento.

Haverá uma nova audiência sobre suas condições solitárias no Tribunal Distrital de Beersheba em 16 de agosto.

“Ele tinha apenas 13 anos quando foi preso. A decisão de detê-lo deveria ser sempre uma medida de último recurso e pelo menor tempo possível”, acrescentou Morayef.

Ahmad Manasra foi condenado a 12 anos de prisão – mais tarde reduzido para nove – pela tentativa de homicídio de um rapaz de 20 anos e de um rapaz de 12 anos num assentamento judaico ilegal em Jerusalém Oriental ocupada; isso apesar de ele não ter participado do ataque.

Seu primo foi morto a tiros por um israelense em 2015, enquanto Manasra foi brutalmente espancado por uma multidão israelense e esmagado por um motorista israelense, deixando-o com ferimentos na cabeça. No momento de sua prisão, a lei israelense afirmava que crianças menores de 14 anos não podiam ser responsabilizadas criminalmente.

LEIA: A vergonhosa ‘Lista de Vergonha’ da ONU que iguala o perpetrador israelense e a vítima palestina

Categorias
Anistia InternacionalIsraelNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments