Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Washington é o problema, não a solução, então por que Abbas está buscando novos patrocinadores ‘poderosos’?

Presidente dos EUA Joe Biden (esquerda) e presidente palestino Mahmoud Abbas em Belém, Cisjordânia em 15 de julho, 2022 [Presidência Palestina/Agência Anadolu]

Descrever a recente visita do presidente dos EUA, Joe Biden, a Israel e à Palestina como um “fracasso” em termos de ativação do “processo de paz” adormecido é usar um termo impróprio. Para que essa declaração fosse precisa, Washington teria que indicar que tinha até mesmo um desejo nominal de pressionar por negociações entre o governo israelense e a liderança palestina.

Deixando de lado os chavões políticos e diplomáticos, o atual governo dos EUA fez exatamente o oposto, conforme indicado pelas palavras e ações de Biden. Alegando que o compromisso dos EUA com uma solução de dois Estados “não mudou”, Biden descartou o interesse de seu governo em tentar alcançar tal objetivo, declarando que “o terreno não está maduro” para as negociações.

Dado que a Autoridade Palestina liderada por Mahmoud Abbas anunciou repetidamente sua disposição de retornar às negociações, só podemos supor que o processo está parado devido à intransigência de Israel. De fato, nenhum dos principais líderes de Israel ou dos principais partidos defende as negociações – o chamado processo de paz – como um objetivo estratégico.

No entanto, Israel não é o único culpado. Os americanos também deixaram claro que abandonaram completamente essa farsa política, que inventaram e depois sustentaram por décadas. De fato, o prego final no caixão da “solução negociada” foi martelado pelo governo Donald Trump, que simplesmente apoiou todas as reivindicações israelenses e evitou todas as demandas palestinas legítimas.

LEIA: Abbas está endossando um status quo alterado após a visita de Biden

A administração Biden tem sido acusada habitualmente por palestinos, árabes e vozes progressistas dentro do Partido Democrata por não conseguir reverter os movimentos preconceituosos de Trump em favor de Israel: transferir a embaixada dos EUA de Tel Aviv para Jerusalém, por exemplo; fechar o Consulado dos EUA em Jerusalém Oriental; e aceitar as alegações infundadas de Israel sobre sua jurisdição sobre assentamentos judaicos ilegais construídos em terras palestinas ocupadas. A lista continua.

Mesmo se alguém assumir que o governo Biden é capaz de reverter algumas ou todas as ações ilegais de Trump, de que adiantaria isso no esquema geral das coisas? Washington foi e continua sendo o maior benfeitor de Israel, financiando sua ocupação militar da Palestina com uma doação anual de US$ 4 bilhões, além de muitos outros esquemas, incluindo um orçamento maciço e crescente alocado apenas para o sistema de defesa antimísseis Iron Dome de Israel.

Primeira visita de Biden ao Oriente Médio – Charge [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Por mais horríveis que tenham sido os anos de Trump em termos de minar uma resolução justa para a ocupação israelense da Palestina, as políticas de Biden são apenas uma continuação de um legado americano pró-Israel existente que supera o de Trump em décadas.

Para Israel, o “processo de paz” cumpriu seu propósito, o que explica a infame declaração do CEO do conselho de assentamento judaico, Yesha, na Cisjordânia ocupada em 2018: “Não quero me gabar de que vencemos … Outros diriam que parece que estamos vencendo.”

No entanto, a suposta “vitória” de Israel após três décadas de um “processo de paz” fraudulento não pode ser creditada apenas a Trump. Biden e outros altos funcionários dos EUA também foram bastante úteis. Embora seja amplamente entendido que os políticos dos EUA apoiam Israel por interesse próprio – eles precisam, por exemplo, apaziguar o influente lobby pró-Israel em Washington – o apoio de Biden a Israel tem uma base ideológica. O presidente dos Estados Unidos foi menos que tímido quando repetiu sua famosa declaração no aeroporto Ben Gurion, em Israel, em 13 de julho: “você não precisa ser judeu para ser sionista”.

Consequentemente, pode parecer intrigante ouvir autoridades palestinas pedirem aos EUA – e Biden especificamente – que pressionem Tel Aviv para encerrar sua ocupação de 55 anos de Jerusalém Oriental, Cisjordânia e Faixa de Gaza.

LEIA: A AP tem décadas de fracassos diplomáticos por trás

Mohannad Al-Aklouk, o representante palestino na Liga Árabe, é apenas um dos que repetiu a mesma linguagem clichê e irreal de esperar que os EUA “exerçam pressão prática sobre Israel”, “preparem o cenário para um processo político justo baseado em lei” e “cumpram o seu papel de patrocinador justo do processo de paz”. Estranhamente, Al-Aklouk realmente acredita que Washington, com seu histórico sombrio de viés pró-Israel, pode ser o salvador dos palestinos.

Outra autoridade palestina disse ao New Arab que o presidente da AP Abbas estava “decepcionado com os resultados da visita de Biden”, pois, aparentemente, o líder palestino “esperava que o presidente dos EUA fizesse progressos no processo de paz”. A mesma fonte acrescentou que a autoridade de Abbas está realizando reuniões com representantes de “países poderosos” para substituir os EUA como patrocinadores das negociações.

A postura política de Abbas é confusa. O “processo de paz” é, afinal, uma invenção americana. Foi um estilo de diplomacia único e egoísta que foi formulado para garantir que as prioridades de Israel permaneçam no centro do palco da política externa dos EUA no Oriente Médio. No caso palestino, o “processo de paz” serviu apenas para consolidar a colonização da Palestina por Israel, ao mesmo tempo em que degradava, ou deixava completamente de lado, as demandas palestinas legítimas. Esse “processo” também foi construído com o objetivo de marginalizar o direito internacional como um quadro político e jurídico de referência para a ocupação israelense da Palestina.

Em vez de questionar todo o aparato do “processo de paz” e se desculpar pelo erro estratégico de perseguir as miragens americanas às custas dos direitos palestinos, a Autoridade Palestina ainda se agarra desesperadamente à mesma velha fantasia, mesmo quando os EUA e Israel há muito abandonaram o farsa política que eles criaram.

Mesmo que a China, a Rússia ou a Índia, por exemplo, concordem em ser os novos patrocinadores do “processo de paz”, não há razão para Tel Aviv se envolver em futuras negociações quando puder alcançar seus objetivos coloniais com total apoio de os EUA. Além disso, nenhum desses países tem, por enquanto, muita influência sobre Israel e, portanto, são incapazes de sustentar qualquer tipo de pressão significativa sobre Tel Aviv para respeitar a lei internacional.

LEIA: Biden provou que Israel é um representante dos EUA no Oriente Médio

No entanto, a AP ainda está resistindo, simplesmente porque o “processo de paz” provou ser muito benéfico em termos de fundos, poder e prestígio desfrutados por uma pequena mas poderosa classe de palestinos que foi formulada em grande parte após os Acordos de Oslo em 1993.

É hora de os palestinos pararem de investir seu capital político em Biden ou em qualquer outro governo. O que eles precisam não é de um novo patrocinador “poderoso” do “processo de paz”, mas de uma luta de base por liberdade e libertação começando em casa, que galvanize as energias do próprio povo palestino. Infelizmente, esse novo paradigma não pode ser alcançado quando as prioridades da liderança palestina permanecem fixadas nas doações financeiras e na validação política de Washington e seus aliados ocidentais.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEstados UnidosIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments