Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Parlamento da Catalunha reconhece ‘crimes de apartheid’ de Israel contra palestinos

A resolução acusou Israel de aplicar um sistema que é “contrário ao direito internacional” e é “equivalente ao crime de apartheid”

Em um movimento histórico, o Parlamento da Catalunha aprovou ontem uma resolução reconhecendo que Israel está cometendo o crime de apartheid contra o povo palestino, tornando-se o primeiro parlamento europeu a fazê-lo.

A resolução acusou Israel de aplicar um sistema que é “contrário ao direito internacional e é equivalente ao crime de apartheid, conforme definido no Estatuto de Roma do Tribunal Penal Internacional, Artigo 7.2 (h)”.

Mais cedo na terça-feira, a Human Rights Watch descreveu o bloqueio de Israel à Faixa de Gaza como “parte dos crimes das autoridades israelenses contra a humanidade do apartheid e perseguição contra milhões de palestinos”.

Em um relatório, marcando o 15º aniversário do cerco israelense à Faixa de Gaza, a HRW disse: “As amplas restrições de Israel à saída de Gaza privam seus mais de dois milhões de moradores de oportunidades de melhorar suas vidas”, acrescentando que o fechamento devastou a economia. em Gaza e contribuiu para a fragmentação do povo palestino.

“A política de fechamento de Israel impede que a maioria dos moradores de Gaza vá para a Cisjordânia, impedindo que profissionais, artistas, atletas, estudantes e outros busquem oportunidades dentro da Palestina e viajem para o exterior via Israel, restringindo seus direitos ao trabalho e à educação. Políticas egípcias restritivas na travessia de Rafah com Gaza, incluindo atrasos desnecessários e maus-tratos aos viajantes, exacerbaram os danos do fechamento aos direitos humanos”, acrescentou.

Embora a ONU reconheça o uso de medidas e políticas do apartheid por parte de Israel contra os palestinos, bem como sua contínua violação do direito internacional na Cisjordânia, pouco foi feito pela instituição global ou seus estados membros para responsabilizar Tel Aviv.

Grupos destacados de direitos humanos como Human Rights Watch, Anistia Internacional e B’Tselem concluíram que Israel alcanca o limite que o define como um país que pratica o apartheid e crimes contra a humanidade.

LEIA: Por que os ‘normalizadores’ árabes nunca buscam a aprovação de seu povo para os laços com Israel?

Categorias
EspanhaEuropa & RússiaIsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments