Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Além da diversidade: como as mulheres negras e muçulmanas estão mudando a indústria editorial

Escritoras muçulmanas dizem que lutam para convencer os editores a aceitar suas histórias [Ilustração/Middle Eas Eye]

Cansadas ​​com a falta de vozes diversas na literatura, autoras minoritárias e muçulmanas estão tomando o assunto por conta própria

Quando se trata de diversidade, a indústria editorial nos países ocidentais há muito tem a reputação de não publicar livros de pessoas não brancas ou de diferentes origens religiosas.

Se essa caracterização é um assunto de debate, mas autores de grupos da diáspora e minorias religiosas muitas vezes reclamam de suas lutas para publicar suas histórias.

Alguns dizem que recebem rejeições imediatas, enquanto outros são informados de que suas histórias, que apresentam personagens que não são brancos e giram em torno de temas de religião e cultura, não ressoariam com um público mais amplo ou simplesmente não venderiam.

Uma série de grandes editoras, como Penguin Random House e Harper Collins, estão fazendo esforços altamente divulgados para publicar autores de origens muçulmanas e do Oriente Médio, entre outros.

No entanto, algumas autoras e editoras estão tomando as rédeas da situação, voltando-se para a autopublicação ou estabelecendo editoras de obras alternativas que visam produzir livros dedicados a comunidades tradicionalmente sub-representadas na literatura.

Essas tendências representam um desejo por parte das autoras muçulmanas, juntamente com os de outras comunidades, de deixar sua marca na indústria e garantir que suas histórias sejam contadas.

A escritora anglo-egípcia Yousra Samir diz que escreveu seu livro de estreia Hijab and Red Lipstick em uma época em que os livros centrados em personagens muçulmanos, especialmente mulheres, eram escassos.

LEIA: Mulheres palestinas são tema de doutorado na USP

Publicada em 2018, a história é semi-autobiográfica e inspirada em suas experiências de crescimento sob o sistema de tutela no Golfo.

A jovem de 33 anos disse ao Middle East Eye que nunca havia lido um livro escrito por uma autora muçulmana sobre crescer no Golfo e por isso sentiu que tinha algo novo e único a oferecer.

No entanto, o processo de publicação não foi simples.

“Lutei para encontrar um agente”, disse ela, acrescentando: “O feedback que recebi foi que não havia nada de errado com minha escrita, mas eles não conseguiam ver um lugar no mercado para ela”.

“Eu senti que isso não era verdade; há tantos muçulmanos no Reino Unido e além que expressavam o desejo de mais livros escritos por autores muçulmanos, centrados em personagens muçulmanos”.

Eventualmente, Samir teve seu livro publicado em 2020 pela Hashtag Press, depois de vencer um concurso de redação onde o prêmio era um contrato de livro.

Yousra Samir diz que lutou para ser publicada porque lhe disseram que a história não venderia [Arquivo pessoal/Yousra Samir]

“Ser publicada foi uma grande conquista”, disse Samir, acrescentando: “Estou feliz que tenha sido por uma editora, a Hashtag Press, cuja missão é publicar especificamente livros de autores de diversas origens.

“Parecia que alguém finalmente reconheceu o quão importante minha história era.”

Editores independentes

Assim como Samir, Aisha Yusuf também lutou para que suas histórias fossem publicadas. A escritora somali-canadense decidiu fazer as coisas com as próprias mãos depois de sua própria experiência desencorajadora tentando ser publicada.

Na escola, Yusuf parou de ler e começou a escrever depois de ficar frustrado com a falta de representação de pessoas como ela na literatura.

“Como mulheres negras muçulmanas, testemunhamos nossas histórias sendo diluídas ou apagadas completamente”, disse ela ao Middle East Eye.

Ela finalmente começou a trabalhar em seu próprio livro Race to the Finish Line, um romance de mistério destinado a jovens adultos.

A história gira em torno de uma garota negra muçulmana que experimenta ódio e intolerância depois de se mudar para uma nova cidade. Ela descobre que a cidade está escondendo um segredo perigoso e decide expô-lo com seus amigos.

Aisha Yusuf montou uma editora para que comunidades muçulmanas e outras tenham uma saída literária [Arquivo pessoal/ Aisha Yusuf]

“Eu queria ler um livro onde eu me conectasse com a protagonista. Eu estava cansada da falta de representação de muçulmanas e negras na literatura e na mídia”, explicou Yusuf.

Quando ela começou a abordar agentes e editores, no entanto, Yusuf enfrentou rejeição após rejeição.

“Eu estava recebendo respostas em que os agentes diziam coisas como ‘a premissa era forte’, mas não estavam confiantes em sua capacidade de vender o livro”, disse ela.

Implacável, Yusuf decidiu por uma abordagem diferente; querendo garantir que outras autoras minoritárias e muçulmanas não enfrentassem os mesmos obstáculos.

LEIA: As inspiradoras mulheres muçulmanas e o desconhecimento dos brasileiros sobre elas

Ela aprendeu sozinha sobre como transformar um manuscrito em um romance, aprendendo tudo, desde como formatar o texto até projetar a capa de um livro.

Em 2020, Yusuf fundou a Abayo House junto com suas irmãs. A editora prioriza histórias de autores minoritários e tenta adquirir livros sobre temas que se alinhem aos seus valores; histórias que poderiam ser rejeitadas pelas editoras tradicionais.

“A Abayo House foi criada não por lazer ou paixão, mas por necessidade”, disse ela.

Falta de diversidade

De acordo com uma investigação conduzida pelo New York Times, grandes editoras lançam livros predominantemente de autores brancos, embora a diversidade tenha aumentado nos últimos anos.

O motivo citado foi que a maioria das principais editoras é chefiada por CEOs brancos, enquanto os editores e os que trabalham na aquisição de novos títulos também são brancos.

A Associação de Editores do Reino Unido realizou uma pesquisa sobre a força de trabalho editorial em 2021, falando com pessoas de mais de 70 empresas. Descobriu-se que a presença e representação de grupos étnicos negros, asiáticos e minoritários (BAME na sigla em inglês) no setor permaneceu em torno de 13% desde 2017.

Ruth Howells, vice-diretora de assuntos externos da Publishers Association, diz que, embora existam muitas iniciativas que promovem a inclusão na indústria editorial, mais precisa ser feito.

“As editoras têm aumentado seus esforços para tornar o setor mais diversificado e inclusivo, tanto em termos de equipe quanto dos livros que publicam. Embora tenha havido progresso, reconhecemos que ainda há muito trabalho a ser feito para garantir uma representação mais ampla”, disse ela ao Middle East Eye.

 

Mas alguns autores negros e de outras minorias dizem que as razões para a falta de representação também precisam ser investigadas.

‘Quando a indústria editorial diz diversidade, eles querem dizer que aceitarão nossas histórias se estiverem dentro das margens do que eles consideram aceitável’

– Aisha Yusuf, escritora

De acordo com Abiola Bello, autora e editora da Hashtag Press, a falta de pessoas da BAME na indústria editorial geralmente se deve a suposições e estereótipos negativos.

“Antes havia uma suposição de que os negros não leem, não tenho ideia de onde isso veio”, disse Bello.

“(As editoras) estão cheias de brancos de origens semelhantes, então eles não entendem a cultura e o contexto por trás de nossos livros”, acrescentou.

Como Bello, Yusuf sustenta que, apesar de editoras e selos promoverem esquemas de inclusão, a indústria está fortemente enraizada e não inclusiva.

LEIA: A dor de Soad e o rosto do apartheid

“Você notará quando a indústria editorial diz diversidade, eles querem dizer que aceitarão nossas histórias se estiverem dentro das margens do que eles consideram aceitável”, disse ela.

Estereótipos na literatura

Mais autores estão assumindo a responsabilidade de escrever ficção que apresenta personagens que contrastam com as versões estereotipadas que existem em livros publicados por grandes editoras.

De acordo com Yusuf, livros com personagens negros e muçulmanos tendem a ser centrados em raça ou religião.

Ela se lembra de ter se sentido de coração partido depois de visitar uma biblioteca e pesquisar os romances para jovens adultos que apresentavam personagens muçulmanos.

“Em primeiro lugar, personagens negros muçulmanos não existem. Em segundo lugar, a maioria desses livros era sobre garotas muçulmanas que se encaixavam nos estereótipos do que a cultura popular acredita que as mulheres muçulmanas são – que odiamos o hijab, que somos oprimidas e, minha favorita, queremos namorar um garoto branco.

Ela acrescentou: “A narrativa alternativa sobre muçulmanos na literatura é sobre terrorismo”.

Mudança na indústria

A literatura fornece um meio para comunidades e indivíduos minoritários comunicarem suas ideias sobre questões como imigração e integração em comunidades mais amplas.

Em meio a queixas de discriminação e perfil racial nas sociedades ocidentais, a narrativa fornece uma maneira de os autores transmitirem seus medos e esperanças à sociedade em geral.

Consequentemente, um número crescente de autores está colocando ênfase na elaboração de histórias que incluem diversos elencos de personagens, na esperança de que possam ser usadas como uma ferramenta educacional dentro das escolas para os jovens.

Segundo Samir, a necessidade de autores muçulmanos no setor é vital. Apesar de haver uma mudança para melhor na indústria nos últimos anos, ela afirma que os leitores querem livros com os quais possam se relacionar e ressoar.

“Esses livros devem ser escritos por autores muçulmanos e minoritários, pois eles saberão como escrever os personagens de uma maneira que seja matizada e evite tropos prejudiciais”, diz ela.

Embora tenha havido esforços notáveis para tornar a indústria editorial mais diversificada, escritores minoritários dizem que ainda há um longo caminho a percorrer.

“Às vezes, a publicação gosta de marcar uma caixa em vez de se preocupar com a mudança”, disse Bello.

“Durante o movimento Black Lives Matter, havia muito para o BAME, e isso diminuiu assim que a onda acabou”, acrescentou.

“Os editores independentes estão realmente lutando pela diversidade mais do que ninguém.”

Artigo publicado originalmente em inglês no site Middle East Eye

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEstados UnidosEuropa & RússiaOpiniãoReino Unido
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments