Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A maldição da oitava década e o fim de Israel

O primeiro-ministro israelense Naftali Bennett em Jerusalém, em 27 de abril de 2022 [Menahem Kahana/AFP via Getty Images]

Eu havia escrito um artigo sobre a crença de grande parte dos palestinos de que a segunda metade da oitava década do Estado de Israel seria o começo do fim, mas ficou claro para mim que os israelenses também sustentam, em um forma ou de outra, essa crença, especialmente os líderes da elite política israelense que levam essa crença/obsessão a sério.

Talvez o primeiro que falou nesse sentido e o invocou entre os primeiros-ministros de Israel tenha sido Benjamin Netanyahu, que afirmou que sua permanência como primeiro-ministro é a única garantia de continuidade de Israel após sua oitava década e mais de um século, ao contrário do história dos judeus que não tiveram um Estado que durou mais de oito décadas. Em seguida, o discurso de Naftali Bennett, atual primeiro-ministro de Israel, em sua campanha eleitoral de 2020, em que ecoou os mesmos sentimentos e exortou os eleitores judeus a apoiarem a coalizão Azul e Branco que ele lidera, a fim de superar a oitava década com segurança e garantir a continuação do Estado de Israel após seu octogésimo ano. Ehud Barak, o ex-primeiro-ministro de Israel, escreve para confirmar o mesmo complexo, o complexo do medo pela sobrevivência. É importante ter em mente que as pessoas mencionadas não são apenas alguns rabinos que acreditam em superstições religiosas que não têm conexão com a realidade, mas são os líderes políticos de Israel.

A questão importante aqui é por que esse medo do futuro, apesar de todas as manifestações de força que Israel tem feito questão de exibir, direta ou indiretamente? Por que esse medo, apesar de todo o apoio financeiro, militar e jurídico americano e europeu, que fez de Israel uma entidade acima da lei e acima da crítica, e o protegeu em instituições internacionais, incluindo o Conselho de Segurança e a grande mídia global? Israel obteve sistemas de armas americanos que existem apenas nos Estados Unidos da América e tem à sua disposição o maior estoque de armas americanas, ao mesmo tempo em que desfruta de uma vantagem militar que nenhum país da região possui, que é a arma nuclear.

Os líderes de Israel há muito se gabam da penetração de Israel na elite política árabe e de sua atração por países árabes influentes como Egito, Marrocos, Emirados Árabes Unidos, Jordânia e outros, e também conseguiram alcançar a subjugação completa da Autoridade Palestina e transformá-la em uma ferramenta de segurança na mão, além do papel de Israel em causar distúrbios nos países árabes ao seu redor, como Iraque, Síria e Sudão. Israel tem se esforçado para impor um bloqueio econômico sufocante ao Irã, sob o pretexto de sua possível produção de uma bomba nuclear que poderia ameaçar a segurança de Israel, e o transformou em um Estado pária na comunidade internacional.

LEIA: Israel não consegue esconder com mentiras seu mais recente crime contra palestinos

Apesar de tudo isso, Israel ainda sofre de um complexo crônico de medo, um complexo que se reflete no discurso público de seus intelectuais, jornalistas, acadêmicos, pensadores, nos discursos de seus primeiros-ministros e no medo de seus cidadãos em relação ao futuro, que veja na dupla cidadania um bote salva-vidas quando algum perigo se aproxima. Eles filosofam esse horror existencial do futuro com base na história judaica, mas o transformam em um fenômeno cósmico que transcende civilizações e séculos, como Ehud Barak fez alguns dias atrás nas páginas do Yedioth Ahronoth, porque – aparentemente – eles não veem o mundo fora de sua limitada experiência subjetiva.

Nós os vemos em cada ponto de virada histórico, ou em um evento importante no nível externo ou interno, engajando-se em uma discussão sobre o futuro de Israel e sua capacidade de sobreviver. É, aliás, uma situação rara, pois dificilmente se encontra um país em todo o mundo que discuta a ideia da sua sobrevivência ou continuidade; um líder ou um partido pode perder o poder, e o Estado pode mudar de um regime para outro ou de uma forma para outra, mas não passa pela cabeça de sua elite ou de seus cidadãos que o povo, o país e o Estado estão sujeitos à extinção. Vimos o colapso da União Soviética, mas seus povos permaneceram e o Estado foi transformado em entidades menores; ele foi transformado de um regime para outro, mas não pereceu. Vimos como a Iugoslávia se partiu em pedaços menores, mas o povo, a cultura e a terra permanecem. É verdade que a Alemanha sofreu um grande golpe na Segunda Guerra Mundial e foi dividida em duas partes, mas no final se recuperou e alcançou a unidade, mas a situação em Israel não é assim.

O ex-primeiro-ministro de Israel, comandante de seu exército e seu general mais condecorado, Ehud Barak, colocou o perigo da divisão interna antes das ameaças externas e considerou-o o maior perigo que aguarda sua sobrevivência. Mesmo as ambições nucleares do Irã não são uma ameaça existencial. Mesmo que conseguisse produzir uma bomba nuclear, não seria capaz de usá-la contra Israel, e essa suposta arma nuclear seria apenas uma arma de dissuasão.

Não há dúvida de que as preocupações de Ehud Barak não surgiram do nada, pois Israel é uma entidade cheia de contradições, que alguém como Netanyahu fez questão de apresentar como uma espécie de diversidade benigna e disciplinada, semelhante ao que está acontecendo nos Estados Unidos Da America.

Um grupo não homogêneo de etnias, culturas, lealdades e ideologias, que mesmo a religião judaica, que eles reúnem sob sua bandeira, não consegue unir. Pelo contrário, a religião divide os israelenses e pode acender o fogo de uma guerra religiosa interna que pode transformar Israel em cinzas. Vimos a credibilidade de parte disso através dos videoclipes que mostram uma discussão entre dois rabinos, um deles da seita Haredi e outro do sionismo religioso, quando o primeiro acusou o segundo de ser o responsável pela operação El-Ad realizado por dois palestinos contra um grupo de colonos, e disse que sua exploração da religião, contrariamente ao ensinamento da Torá, e suas contínuas provocações aos sentimentos dos muçulmanos ao invadir a mesquita de Al-Aqsa é o que incita os palestinos e os leva a tomar vingar e matar os judeus, e que são eles que pagam o preço dos erros do sionismo religioso.

LEIA: É hora de confrontar Israel ao denunciar a Nakba em curso contra os palestinos

O estado de rivalidade política e religiosa ameaça hoje com a queda do governo Bennett, e a realização de novas eleições que podem aprofundar o estado de divisão e polarização interna, sendo que as eleições – neste caso – serão as quartas a ocorrer no um período de dois anos, o que significa que a vida média de um único governo não é superior a seis meses, o que é uma indicação do fracasso do sistema de governo em Israel e da falência da classe política israelense.

Dia 11 de manhã, o exército israelense assassinou – como já fez inúmeras vezes antes – a  repórter da Cisjordânia, Shireen Abu Akleh, que possui cidadania americana além da palestina. Desde o primeiro momento, os israelenses tentaram seguir sua estratégia usual de transferir a responsabilidade por seus atos criminosos para o lado palestino, apesar de isso ser praticamente impossível, assumindo que, ao alegarem investigar o incidente, absorveriam o ressentimento popular e, eventualmente, sairiam com uma declaração fria e de várias interpretações negando a responsabilidade criminal pela ocupação e seus soldados.

Este tipo de comportamento arrogante e desrespeito pela verdade é o que levará todos aqueles que apoiam Israel a abandoná-lo, e gradualmente transformará o conflito em um conflito interno como resultado de responsabilizar as partes mutuamente pelo fracasso crônico de que Israel sofre , e não as profecias bíblicas, nem a interpretação arbitrária dos eventos da história. A obsessão que os israelenses sofrem se tornará uma realidade tangível como resultado de suas ações imprudentes, não devido a eventos sobrenaturais.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments