Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O mundo árabe pelos olhos de Eduardo Kobra

O artista brasileiro tem obras espalhadas pelos cinco continentes, inclusive nos Emirados Árabes, e recebeu convites para produzir na Arábia Saudita. Além dos murais, ele tem telas em exposição na Eden Gallery, em Dubai.

O artista brasileiro Eduardo Kobra trabalha com arte de rua há mais de 30 anos e já pintou murais em cerca de 40 países nos cinco continentes. Nos Emirados Árabes Unidos, ele criou cinco obras de grande porte. Atualmente, ele tem telas em exposição na Eden Gallery, em Dubai, e avalia novos convites do país e de outras nações árabes, como a Arábia Saudita.

Kobra nasceu na periferia de São Paulo, no bairro do Campo Limpo, e é autodidata nas artes. Aos 46 anos, ele segue trabalhando e produzindo obras no mundo inteiro. “Tive uma nova proposta [de trabalho] lá dos Emirados, e cheguei a receber um contato da Arábia Saudita para a criação de uma série de murais. Todos os projetos vão sendo discutidos, estudados passo a passo e eu sigo produzindo esses trabalhos”, disse Kobra à ANBA. Ele informou que cerca de 20 convites internacionais estão em avaliação.

Em exposição na Eden Gallery estão seis telas do artista brasileiro. “São obras criadas especificamente com temas relacionados a Dubai e aos Emirados de forma geral. Tem um pouco da cultura local estampada nessas obras, fiz um pouco de pesquisa, um pouco criação, um pouco de licença poética, são peças únicas, pinturas que tenho desenvolvido há cerca de cinco meses, e estão expostas nessa nova galeria de Dubai”, contou Kobra. Algumas das telas são originais dos murais que o artista produziu na região. “Porque cada mural feito tem uma tela, uma representação pintada à mão”, disse.

Além dos trabalhos nos Emirados Árabes, Kobra produziu uma tela em homenagem ao Líbano após a explosão que ocorreu em Beirute, em agosto de 2020. “Criei uma peça e coloquei em leilão, e com a venda revertemos 100% dos recursos para ajudar famílias afetadas na região. Isso foi importante para mim pelo respeito que tenho pelo cidadão, pelas famílias, pelo retorno carinhoso e gentil que recebi de várias pessoas que ficaram sabendo disso”, contou.

Arte nos Emirados

Kobra contou que recebeu os convites para pintar nos Emirados com total entusiasmo. “Temos uma informação midiática, por meio de livros, histórias, filmes, documentários, e isso muitas vezes é muito distante da realidade, de você estar presente, se relacionar. Então existem muitas ideias sobre o mundo árabe de pessoas que na realidade nunca estiveram lá. Eu, particularmente, até pela linguagem da minha obra, pela ideia que minha obra traz de me relacionar com os povos, com as culturas, com as tradições, eu tinha esse entusiasmo, essa vontade de estar lá, de ver com meus próprios olhos, de aprender, conhecer, visitar os lugares, entender mais sobre a cultura, os usos e costumes”, declarou o artista.

LEIA: Arte no confinamento: Galeria de Vancouver exibe artistas de Gaza

O primeiro convite para os Emirados foi para participar de um festival chamado Dubai Canvas 3D Art Award, em Dubai, em 2015. “Eu sou um dos precursores no Brasil a realizar esse trabalho de pinturas em três dimensões no piso, então foi excepcional, porque além de uma receptividade incrível, tivemos um acompanhamento total da mídia local durante o processo da obra, até porque se tratava de uma novidade na região”, contou o artista. Uma dificuldade para ele e sua equipe foi pintar o piso no calor de 40 graus. A pintura não está mais em exibição.

Na sequência, Kobra foi convidado a pintar a lateral de um prédio. Para este trabalho, ele contou que pesquisou mais sobre a história do país, e com isso, pintou ‘O Beduíno’, também em 2015. O mural continua lá até o presente momento.

Em 2016 veio um novo convite, dessa vez, para pintar um mural em uma antiga escadaria de Dubai, em Jumeirah. “Eles ofereceram esse espaço, que era o mais privilegiado que tinha ali naquele momento, e eu criei um trabalho intitulado ‘A Lenda do Cavalo Árabe’, e apresentei para eles. Tinha um chafariz ali também, e eu fiz essa relação do chafariz que solta água por onde os seis cavalos estão correndo. É um trabalho que está lá até hoje”, informou Kobra.

Esse trabalho doscavalos na escadaria abriu portas para outros projetos, segundo o muralista. “Eu realizei outro projeto nessa versão tridimensional, que foi baseado na ideia de os Emirados terem surgido da visão de vanguarda de chegar num lugar de deserto e transformar naquele verdadeiro oásis, então eu coloquei um menininho, simbolizando os primeiros xeques construindo um dos ícones dos Emirados ali na areia [o Burj Al Arab]”, disse. Na foto de capa desta reportagem, o artista posa com o mural ‘Sonho de um menino’, criado para um evento em 2017. Há uma tela com a arte original exposta na galeria Eden. 

Foi no Ano da Tolerância nos Emirados, em 2019, que Kobra realizou seu último projeto no país árabe. Ele recebeu um convite do governo para pintar o maior mural dos Emirados Árabes, em Abu Dhabi. “Esse painel traz pessoas de diferentes países que vivem ali na região, justamente desmistificando muita coisa, mostrando o acolhimento, a abertura e esse contato com outras culturas”, contou Kobra.

Para esse trabalho, o artista passou quase dois meses na região. “Foi impressionante, porque eu pude visitar a casa de algumas pessoas que moram lá, me convidaram para jantar, estive em um casamento, foi excepcional. Além disso, pude visitar os espaços de arte maravilhosos, como o Museu do Louvre, fiquei super impressionado, também a Grande Mesquita Sheikh Zayed, em Abu Dhabi, com todo aquele mármore, os lustres, o tapete feito à mão. Fiquei muito instigado, muito interessado pela tradição, pela cultura e pelo respeito que eles têm pela fé em Deus, pela conduta, achei muito interessante”, contou.

LEIA: Grafiteiro sírio homenageia Maradona

Além do trabalho artístico, Kobra também se dedica a seu instituto e projetos sociais. “Tenho obras contratadas por governos, cidades, prefeituras, galerias, além dos painéis que fiz de forma voluntária, na África, na Índia, e sigo me esforçando, abrindo portas e seguindo o passo a passo com a minha obra”, diz. Seu instituto está em fase de desenvolvimento. Ele terá projetos de ajuda humanitária, questões ambientais e transformação social por meio da arte.

Publicado originalmente em Anba

Categorias
Arábia SauditaÁsia & AméricasBrasilEmirados Árabes UnidosLíbanoNotíciaOriente MédioVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments