Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A queda para um mundo sem petróleo

Restos de velhas bombas de combustível em área desértica [Climainfo]

Oswald Spengler afirma em seu magistral “Declínio do Ocidente” que as civilizações, como os humanos, nascem, crescem, amadurecem e perecem. O que o historiador alemão chamou de “cultura faustiana”, o uso ilimitado de tecnologia e energia, está em declínio devido ao progressivo esgotamento desta última.

O “pico de hidrocarbonetos” do qual estes se tornarão cada vez mais escassos, difíceis de extrair e antieconômicos, já está aqui. Assunto tão complexo gera previsões díspares, mas todos antecipam sua proximidade. O ministro das Finanças russo, Vladimir Kolichev, estima que “o pico de consumo pode muito bem ter passado”.

A British Petroleum calcula que jamais voltará ao patamar de 2019, “a marca mais alta da história do petróleo”. A empresa estatal norueguesa Equinor coloca o colapso na produção por volta de 2027-28; o pesquisador norueguês Rystad Energy prevê para 2028; Total SA da França por volta de 2030; a consultoria Mc Kinsey para 2033; o grupo Bloomberg NEF e os consultores da Wood Mackenzie em 2035; a estimativa mais otimista é a da OPEP, que a data para 2040, daqui a apenas 18 anos.

O tesouro energético dos hidrocarbonetos foi gasto e desperdiçado porque era mais fácil invadir, saquear ou destruir os países produtores para a pilhagem capitalista do que usar sensatamente as energias não renováveis ​​para sua substituição progressiva por renováveis. Nada mais aventureiro do que adivinhar o futuro; nada mais necessário do que antecipá-lo quando parece inevitável. Vamos pensar no impensável.

Em nível ecológico, será difícil em poucas décadas substituir o atual consumo de energia, que em 78,4% é fornecido por combustível fóssil, por outras fontes escassas, caras e atualmente pouco desenvolvidas, como eólica, geotérmica, hidráulica, fotovoltaica . Procedimentos de extração cada vez mais drásticos, como o fracking americano, multiplicarão os custos de energia e poluição. Os picos de extração de outros recursos naturais também os tornarão progressivamente inacessíveis.

LEIA: Kuwait aumenta preço do petróleo cru para o mercado asiático

Isso levará ao esgotamento de combustíveis orgânicos, como madeira ou biomassa de rio. A produção de alimentos se tornará a indústria prioritária. As transnacionais intensificarão a disputa pela privatização e monopólio da terra e da água doce, ameaçando os pulmões vegetais da Sibéria e da Amazônia, patenteando novas espécies e organismos modificados.

A escassez de hidrocarbonetos e fertilizantes químicos dificultará o cultivo massivo do agronegócio. Os camponeses aumentarão a luta pela terra e pela substituição das propriedades agroalimentares por fazendas comunais, cooperativas ou familiares. A Venezuela, detentora das maiores reservas de hidrocarbonetos do mundo -o dobro da Arábia Saudita, cerca de treze vezes maior que a dos Estados Unidos- não deve e não pode ceder gratuitamente suas áreas de recursos naturais a transnacionais que não pagarão impostos.

A nível demográfico e social, acentuar-se-á o declínio da população nos países desenvolvidos e o seu aumento nos subdesenvolvidos. A progressiva informatização dos empregos aumentará o desemprego de camadas cada vez maiores dos marginais e excluídos.

Os pensadores dos países hegemônicos formularão planos de controle demográfico e esterilização massiva contra não proprietários e vastos setores não essenciais ao modo de produção informatizado. O empobrecimento progressivo favorecerá a legalização da compra e venda de órgãos e o suicídio assistido.

LEIA: Refinarias dos EUA buscam óleo combustível no Oriente Médio após proibição de importação da Rússia

As políticas de migração cada vez mais duras e a repressão das minorias étnicas multiplicarão os conflitos sociais. Os custos de aquecimento encorajarão novos fluxos migratórios de zonas frias e temperadas para os trópicos. Arranha-céus com seus elevadores impraticáveis ​​e sistemas de ventilação central se tornarão inviáveis; a escassez de alimentos estimulará a migração das cidades para os campos. A remoção de parques industriais multiplicará cidades quase fantasmas, como Detroit.

Haverá uma luta constante por cotas de reprodução demográfica. Intrincados sistemas informáticos irão extrema discriminação e exclusão de utilizadores sem meios económicos. O colapso das instituições assistenciais e solidárias promoverá o ressurgimento dos laços naturais de identidade familiar e cultural, grupal, tribal, de mera sobrevivência e de classe social. A Venezuela não pode e não deve entregar sua população a corporações transnacionais isentas do cumprimento de normas trabalhistas, sindicais e sociais, que a Constituição considera irreversíveis e irracionais.

Artigo publicado originalmente em espanhol em Cuba Debate

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEstados UnidosEuropa & RússiaFrançaNoruegaOPEPOpiniãoOrganizações InternacionaisRússiaVenezuela
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments