Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O Brasil das ‘expo’ de Dubai

O setor de comércio exterior brasileiro vai encerrando sua participação em duas  das grandes  feiras realizadas em Dubai:  a Expo Universal Dubai 2020 e a Gulfood

O setor de comércio exterior brasileiro vai encerrando sua participação em duas  das grandes  feiras realizadas em Dubai:  a Expo Universal Dubai 2020,  maior evento mundial presencial realizado desde o início da pandemia de Covid-19,que precisou ser adiada e começou finalmente em 1º de outubro de 2021 e que ainda vai até 31 de março;  e a Gulfood,  principal feira B2B de alimentos e bebidas do Oriente Médio, realizada de 13 a 17 de fevereiro.

Além de pavilhões próprios, shows e atrações gastronômicas, as empresas tiveram oportunidades de negócios com um mercado importante para o país. Dados da Câmara de Comércio Árabe-Brasileira apontam que em 2021 as exportações brasileiras para os 22 países da Liga Árabe somaram mais de US$ 14 bilhões, um aumento de 26% em relação a 2020. Só no setor de alimentos as exportações brasileiras somaram US$ 8,92 bilhões em 2021, uma alta de 9,52% sobre 2020.

A um custo de US$ 7 bilhões, a Expo Dubai está sendo realizada pela primeira vez no Oriente Médio. Mas não sem muita polêmica pela escolha do país e ameaças de boicote.O Parlamento europeu  chegou a pedir que os estados europeus não participassem, “para expressar sua rejeição às violações dos direitos humanos nos Emirados”, mas a maioria acabou participando.

LEIA: Mosaico de Histórias: Tour pela 25 de março percorre os caminhos da imigração árabe

Organizações da sociedade civil criticam o país por violar a liberdade de expressão e as condições dos trabalhadores estrangeiros que participaram da construção da área da feira.

No final, a feira foi aberta pelo príncipe-herdeiro de Dubai, xeque Mohamed bin Rashid Al Maktum, com a participação de 190 países, cada um exibindo  suas inovações e motivos de orgulho. A sustentabilidade foi tema de um dos mais importantes distritos do evento de Mumbai. E o Brasil levou justamente  para esse distrito o seu pavilhão, escolhendo o meio ambiente, em especial a Amazônia e seus rios, como motivação.

O outro pavilhão brasileiro, aberto dentro da Gulfood 2022, também teve a região amazônica como estrela, com destaque para o açaí, fruta originária da região e grande produto de exportação do Brasil. De acordo com a agência ANBA,  a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil) constatou que o produto não é  vinculado ao país pelos consumidores de Dubai. Por isso, decidiu trabalhar a imagem do açaí como um item nacional.

O pavilhão  foi  organizado pela ApexBrasil e reuniu 114 empresas já no inicio, levando uma expectativa de geração de mais de US$ 415 milhões em negócios durante e após a feira. Do total, 67 empresas foram levadas pela ApexBrasil e participaram dos pavilhões Nacional, Bebidas, Grãos, Carnes e Frangos. Já a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) levou outras 30 empresas, e mais 17 foram convidadas pela Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec). A ApexBrasil tem projetos para internacionalização dos setores com ambas as associações e participou. A Câmara de Comércio Árabe Brasileira organizou dois espaços na mostra.

Pavilhão do Brasil organizado pela ApexBrasil na Gulfood 2022 [ApexBrasil]

A feira promove o setor alimentar  contemplando bebidas, lácteos, óleos, produtos free-from, carne e frango, grãos e cereais, alimentos, incluindo de nicho e os classificados como ‘specialty. O perfil dos visitantes é internacional, sendo 60% do Oriente Médio, 20% da Ásia, 9% da África, 8% da Europa, 2% das Américas e 1% da Australásia.

Sustentabilidade foi o tema escolhido pelo Brasil

A sustentabilidade foi escolhida como um dos principais temas  do Pavilhão do Brasil, buscando apresentar aos investidores números do governo sobre o desmatamento, ainda que questionados pelas organizações não governamentais e institutos de pesquisa.

“ Ao fincar território no Distrito de Sustentabilidade da Expo 2020 Dubai, o Pavilhão do Brasil demonstra confiança em relação aos fundamentos da sua política ambiental e da sua participação histórica no desenvolvimento sustentável global. É uma oportunidade de mostrar o quanto o país preserva sua biodiversidade e protege seus recursos naturais.” diz o texto brasileiro no site da Expo Dubai.

O projeto do pavilhão é assinado pelo arquiteto José Paulo Gouvêa, vencedor de concurso organizado pela Apex-Brasil, e desenvolvido pelos pelos escritórios JPG.ARQ, MMBB Arquitetos e Ben-Avid. De acordo com a equipe responsável,  foi planejado para proporcionar uma experiência sensorial aos visitantes de  contato com os biomas e patrimônio cultural brasileiros.

LEIA: Empresas brasileiras participam da maior feira de alimentos Halal do mundo

O pavilhão consiste em uma enorme estrutura tênsil em aço com quatro faces recobertas por uma membrana translúcida leve. Um espelho d’água cobre boa parte dos quatro mil metros quadrados da área, por onde os visitantes circulam.  É inspirado nas águas dos  rios e mangues brasileiros. Os projetores convertem a membrana translúcida da estrutura de aço em enormes telas, criando uma atmosfera imersiva que apresenta ecossistemas e cidades brasileiras.A umidade e as imagens do Rio Negro levam frescor à expo situada em um país do deserto. Os temas homenageados, entre lugares, festas, comidas e  fontes de energia renováveis brasileiros são projetados. O espaço oferece sombra durante o dia e se transforma em um cubo flutuante luminoso à noite, uma lanterna atravessada por uma passarela escura feita de concreto preto antiderrapante.

O grande espelho d’água é alimentado pelo reaproveitamento da chuva, filtros de retrolavagem e condensamento do sistema de climatização. De acordo com os arquitetos, um dos maiores desafios foi reter o máximo volume de água da chuva usando as instalações de filtro (tanques de equilíbrio subterrâneos), visando sempre reduzir o consumo.

Exibindo maravilhas

Em várias ocasiões o Brasil foi protagonista de atividades na programação geral da Expo.

No dia 07 de fevereiro de 2022, participou do evento “Nações Maravilhosas na Expô Dubai 2002”. O dia foi dedicado aos países que guardam as sete Maravilhas do Mundo e da Natureza e o Brasil é dono de três delas: a estátua do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro; as Cataratas do Iguaçu (compartilhadas com países vizinhos) e a Floresta Amazônica.

O comissário-geral do Brasil junto à Expo 2020 Dubai, Elias Martins, o diretor do Pavilhão Brasil, Raphael Nascimento, e o presidente fundador das Novas7Maravilhas, Bernard Weber, apresentaram os ícones brasileiros especialmente projetados no Pavilhão.

Detalhe do pavilhão brasileiro, com menina visitante experimentando o balanço da rede [Expo Dubai/Divulgação]

Parte da publicidade da participação brasileira foi dedicada a crianças de língua árabe, ao incluir o Pavilhão Brasil em um episódio de uma série de programas de TV para crianças chamada “Majid in Expo – ماجد في أكسبو”. O programa faz parte do Majid TV, um canal infantil de entretenimento, e também foi veiculado no YouTube.

O Comissário-Geral do Brasil deu uma entrevista ao Jornal Al Bayan, na qual falou sobre a presença do Palmeiras na final do Mundial de Clubes da FIFA em Abu-Dhabi.

O Brasil também promoveu grande programação de shows de músicas populares, dança, capoeira e gastronomia

Halal e valor agregado

O secretário da Câmara de Comércio Brasil Arabe comemorou o resultado da Gulfood, em que o Brasil aumentou a apresentação de  produtos de valor agregado, como as marcas de café, alimentos industrializados, doces e bebidas, produtos que a Apex vem promovendo ao lado setores de carnes, complexo sucroalcooleiro, cereais e complexo soja.

.Além disso, como maior fornecedor de produtos halal para o Oriente Médio, o Brasil está diversificando e agregando valor aos seus produtos. Esse fato é destacado pelo  CEO da Cdial Halal, certificadora  no mercado Halal,  Ali Saifi, que vê espaço para o setor crescer.  “Temos destaque na exportação de proteína animal. Somos líderes na exportação de carne de frango halal. Porém, as indústrias brasileiras de diversos setores têm enorme potencial para explorar esse mercado em ascensão, como fármacos, cosméticos, dentre outras. As portas desse mercado estão abertas, porque o Brasil conquistou a confiança dos consumidores de produtos halal”.

Em 2021, na Cdial Halal houve um aumento de 53% entre as empresas brasileiras certificadas, sendo que as certificações das empresas alimentos industrializados foi uma dos estiveram em destaque, com 80% de crescimento em 2021, conforme o site Notícias Agrícolas, que esteve em Dubai para cobertura da Feira.

O mercado halal representa hoje demandas de quase um terço  da população mundial e deve movimentar em torno de US$ 5,74 trilhões até 2024, de acordo com dados do State of the Global Islamic Economy

A Expo Universal de máscaras

Visitante de máscara comprovam vacinação ou exame recende de covid-10 [Expo Dubai/Divulgação]

A primeira Exposição Universal ocorreu em 1851 em Londres, no Crystal Palace, uma estrutura criada para a ocasião. Em Paris, a de 1889 apresentou ao mundo a icônica Torre Eiffel.

A Expo 2020 antecede a Copa do Mundo de futebol, no Catar, e foi um teste para grandes eventos presenciais no Oriente Médio, depois do adiamento devido à pandemia.

Uma exigência em Dubai foi o distanciamento social, o uso de máscaras e o comprovante de vacina de todos os visitantes ou um teste PCR negativo muito recente.

LEIA: Músico sírio se torna luthier e produz alaúdes em São Paulo

Categorias
Ásia & AméricasBrasilCoronavírusEmirados Árabes UnidosOriente MédioReportagemVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments