Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Se a Ucrânia pode ter uma brigada internacional, por que a Palestina e a Síria não podem?

Um soldado ucraniano é visto atrás de pneus no bairro de Zhuliany, em Kiev, durante a invasão militar russa da Ucrânia, em 26 de fevereiro de 2022 [Aytaç Ünal / Agência Anadolu] 

A secretária de Relações Exteriores da Grã-Bretanha, Liz Truss, disse que apoiará qualquer pessoa que queira ir à Ucrânia para se juntar a uma brigada internacional de combatentes contra a Rússia. Ela descreveu tal missão como parte de uma batalha “pela liberdade e democracia”.

Não posso deixar de me perguntar, porém, sobre aqueles que deixaram as costas britânicas para lutar no exterior apenas para ter suas cidadanias revogadas por um governo britânico antipático. A única diferença que vejo entre aqueles que querem lutar na Ucrânia e aqueles que querem lutar na Palestina, Síria, Líbia ou Iraque é a cor da pele e a fé.

Há pelo menos 100.000 muçulmanos vivendo em Kiev. A Truss vai apoiar seus irmãos e irmãs britânicos e europeus que querem sair para lutar ao lado deles na capital ucraniana? Ela disse à BBC na manhã de domingo que cabe às pessoas tomar suas próprias decisões em tais situações; ela também disse que os ucranianos estão lutando pela liberdade, “não apenas pela Ucrânia, mas por toda a Europa”.

Por que, eu me pergunto, a democracia e a liberdade são mais preciosas na Europa do que, digamos, na Síria, onde o ditador Bashar Al-Assad está tentando esmagar os últimos vestígios de uma revolução na qual os sírios ousaram sonhar com seu próprio estado democrático? E por que os palestinos que resistem à ocupação brutal de Israel são demonizados como “terroristas” e evitados pelo Ocidente “democrático” e aparentemente amante da liberdade? Conheço muitas pessoas que gostariam de sair e se juntar aos palestinos na defesa de seus direitos legítimos enquanto lutam pela sobrevivência contra o apartheid de Israel.

Enquanto o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskyy, insta os estrangeiros “a se juntarem à defesa da segurança na Europa”, seu governo está pronto para armar uma legião “internacional” de estrangeiros voluntários que desejam se juntar ao exército ucraniano em sua luta contra as forças russas. “Esta não é apenas a invasão da Ucrânia pela Rússia”, apontou ele em seu site oficial. “Este é o começo de uma guerra contra a Europa. Contra a unidade européia.”

Líderes palestinos fizeram declarações semelhantes sobre garantir o futuro do terceiro local mais sagrado do Islã, o Nobre Santuário de Al-Aqsa em Jerusalém, que está sob ataque das forças de ocupação israelenses, incluindo colonos ilegais. Se um apelo internacional fosse feito para milhões de muçulmanos em todo o Ocidente para proteger Al-Aqsa dos desígnios assassinos dos israelenses, a secretária de Relações Exteriores Liz Truss aprovaria? De alguma forma, eu duvido. Como escrevi alguns dias atrás, “a crise na Ucrânia expõe a hipocrisia de Israel e seus aliados sionistas”. Entre estes últimos estão Truss e o governo no qual ela tem um cargo sênior.

“Todo mundo que quiser se juntar à defesa da segurança na Europa e no mundo pode vir e ficar ombro a ombro com os ucranianos contra os invasores do século 21”, disse Zelenskyy. Agora imagine que o líder do Hamas, Ismail Haniyeh – cuja eleição democrática como primeiro-ministro palestino em 2006 foi rejeitada pelos mesmos aliados sionistas – tenha feito um convite desses aos muçulmanos ao redor do mundo, e à Grã-Bretanha em particular, para proteger o povo da Palestina ocupada de Israel e seu colonizador-colonialismo. O apartheid, lembre-se, é semelhante a um crime contra a humanidade, e a anexação de território por meio de ação militar é ilegal; Israel é culpado de ambos.

Além disso, alguns dos colonos e soldados que apoiam e reforçam a ocupação israelense da Palestina possuem passaportes britânicos e outros europeus. Mas ei, tudo bem parece, porque eles são brancos e judeus, enquanto aqueles que se opõem a eles são “apenas” árabes.

LEIA: Invasão russa à Ucrânia ‘defende a humanidade’, afirma Assad

Em 2019, visitei uma clínica de amputados onde crianças sírias traumatizadas estavam sendo ensinadas a andar novamente. Conheci médicos, professores e trabalhadores humanitários britânicos que tiveram sua cidadania revogada porque estavam trabalhando em Idlib, controlada pelos rebeldes. Incapaz de fazer uma contestação legal contra a decisão do governo britânico de uma zona de guerra, eles estão agora em um buraco negro legal.

Eles não pegaram em armas nem saíram para lutar; eles simplesmente queriam ajudar o povo sírio comum em sua luta pela democracia e a melhor maneira de fazer isso era usando as habilidades que eles têm. Todos devem estar se perguntando por que o governo britânico que os privou de seus passaportes está pronto para apoiar aqueles que desejam fazer o mesmo na Ucrânia, e até mesmo pegar em armas lá. Pode haver algum exemplo mais flagrante de hipocrisia, islamofobia e racismo do que o apresentado por Liz Truss e, presumivelmente, seu chefe Boris Johnson e seus colegas de gabinete?

Quando as pessoas estão em apuros, é da natureza humana que as pessoas queiram ajudar da maneira que puderem. Eu não sonharia em criticar quem quer se juntar a uma brigada internacional para ajudar os ucranianos em sua luta. Mas se está tudo bem, então também deve estar tudo bem que outros ajudem o povo da Palestina, Chechênia, Líbia, Síria, Iêmen, Caxemira ocupada e outros pontos problemáticos.

Na década de 1930, cerca de 60.000 jovens deixaram a América do Norte e a Europa para se juntar à Brigada Internacional, grupos de voluntários estrangeiros que lutaram do lado republicano contra as forças nacionalistas fascistas durante a Guerra Civil Espanhola (1936-39). O que raramente é relatado é que, enquanto muitos deixaram a Grã-Bretanha para lutar pelos republicanos, também houve alguns que lutaram ao lado dos fascistas. Nenhum deles enfrentou problemas quando retornaram à Grã-Bretanha.

Enquanto Truss e o secretário de Defesa do Reino Unido, Ben Wallace, insistem que os soldados britânicos não serão enviados à Ucrânia para lutar, a posição dos cidadãos britânicos que decidem se juntar à brigada internacional precisa ser esclarecida. O secretário de Relações Exteriores precisa explicar por que a defesa da democracia na Ucrânia é aceitável, mas enfrentar tiranos, ditadores e regimes autoritários em outros lugares não é. Nós temos o direito de saber. Mais ao ponto, o mesmo acontece com o povo da Palestina ocupada e da Síria. Se os ucranianos podem ser ajudados por uma brigada internacional, por que palestinos não podem?

LEIA: A crise na Ucrânia expõe a hipocrisia de Israel e seus aliados sionistas

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoEuropa & RússiaOpiniãoOriente MédioReino UnidoRússiaSíriaUcrânia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments