Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A crise na Ucrânia expõe a hipocrisia de Israel e seus aliados sionistas

Uma seleção de primeiras páginas da cobertura jornalística nacional diária do Reino Unido sobre a invasão russa da Ucrânia, em 25 de fevereiro de 2022, em Londres, Inglaterra [Jeff J. Mitchell/Getty Images]

Na Escócia, quando alguém está em terreno instável ou patinando em gelo fino, diz-se que está pendurado por um “peg shoogly“. É exatamente aí que Israel se encontra durante a crise na Ucrânia, quando a hipocrisia de Tel Aviv e seus aliados sionistas é exposta para o mundo inteiro ver.

De acordo com todos eles – os EUA, o Reino Unido, a UE e o próprio Israel –, a integridade territorial e a soberania da Ucrânia são sacrossantas. Por que, porém, cada um deles não aplica o mesmo princípio à Palestina e aos palestinos? O povo daquela terra ocupada não tem direito à sua própria integridade territorial e soberania sem a realidade das incursões armadas diárias do estado colonial de Israel, um país que nunca declarou onde estão suas fronteiras porque sua ideologia sionista fundadora exige sua constante expansão para municípios vizinhos, não apenas a terra da Palestina?

Até que a ONU e a OTAN implementem condições equitativas quando se trata de direitos humanos, soberania e respeito pelas fronteiras, podemos esperar testemunhar mais invasões e apropriações de terras à medida que Estados poderosos continuam a agir com impunidade.

O velho ditado de que a verdade é a primeira vítima da guerra está se desenrolando diante de nossos olhos. É difícil saber o que realmente está acontecendo na Ucrânia, com o Russia Today assumindo uma óbvia posição pró-Moscou, enquanto a BBC explorou a linguagem “totalmente” infeliz, cheia de testosterona e machista do ministro da Defesa da Grã-Bretanha, Ben Wallace. Fontes confiáveis ​​de notícias são escassas.

O presidente russo, Vladimir Putin, insiste que seu exército está dando apoio às repúblicas separatistas de Donbass e Lugansk, mas ele diria que não é? Enquanto isso, seu colega americano, Joe Biden, está acusando o líder russo de uma invasão em grande escala, mas ele diria isso, não diria? Com apelos imprudentes de todos os lados incitando outras potências a tomar medidas militares, para onde isso está indo?

LEIA: Sete maneiras pelas quais a guerra Rússia-Ucrânia afetará o Oriente Médio

O povo de Taiwan deve estar muito preocupado, caso a China siga o exemplo da Rússia e invada a ilha, que Pequim acredita ser território chinês legítimo. Na quinta-feira, os caças foram embaralhados, porque as aeronaves chinesas estavam no espaço aéreo de Taiwan.

Os palestinos têm todo o direito de perguntar por que os líderes ocidentais, liderados por Biden, estão impondo sanções incapacitantes a Moscou e ameaçando mais ações de retaliação se continuar com a invasão da Ucrânia, mas não tomam medidas semelhantes contra o colonialismo israelense. Esses são os mesmos líderes, lembre-se, que fecham os olhos para o roubo contínuo de terras palestinas por Israel e suas ofensivas militares contra os palestinos na Faixa de Gaza sitiada. Israel é acusado de implementar o crime de apartheid na Palestina ocupada por B’Tselem, Human Rights Watch e Anistia Internacional; cometer crimes de guerra em Gaza; e usar fósforo branco e outras armas proibidas nas áreas civis densamente povoadas da Faixa. Além disso, o Estado sionista ainda deve ser responsabilizado pelo bombardeio do centro de mídia da Associated Press em Gaza.

Sem um pingo de ironia, porém, o desavergonhado governo de Tel Aviv anunciou esta semana que “Israel apoia a integridade territorial e a soberania da Ucrânia”. A hipocrisia é de tirar o fôlego.

O envolvimento de Israel na Ucrânia vai além da mera retórica. Nunca foi muito exigente com quem vende armas, mas isso pode voltar a assombrar o Estado sionista; o batalhão neonazista Azov, que esteve na linha de frente na guerra da Ucrânia contra os separatistas pró-Rússia, está armado até os dentes com armas israelenses. O batalhão é uma das muitas brigadas voluntárias a lutar ao lado do exército ucraniano no leste do país e tem uma reputação de brutalidade.

Tensões entre Rússia e Ucrânia aumentam na fronteira compartilhada [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Há preocupações particulares nos corredores do poder de que, se a luta contra os separatistas chegar ao fim, a próxima grande ameaça ao governo ucraniano e ao próprio Estado serão os extremistas de direita do batalhão Azov. Suas tendências abertamente neonazistas estão lá para todos verem. Muitos dos combatentes Azov são antissemitas, negadores do Holocausto e admiradores de Adolf Hitler, mas já sabemos que Israel é mais tolerante com as opiniões odiosas daqueles que compram suas armas do que, digamos, promotores da paz e apoiadores antiguerra, como o ex-líder trabalhista Jeremy Corbyn na Grã-Bretanha.

O atual líder trabalhista Sir Keir Starmer está liderando uma caça às bruxas contra membros do partido que são pró-Palestina e anti-Israel, mas não tem escrúpulos em apoiar a Ucrânia, com verrugas neonazistas e tudo, assim como seu rival belicista, o primeiro-ministro Boris Johnson. Ambos adotaram posturas pró-Ucrânia esta semana e, no entanto, não apenas mantiveram silêncio sobre a limpeza étnica dos palestinos pelo apartheid de Israel, mas também declararam seu apoio ativo ao Estado sionista.

LEIA: Agressão de Putin é possível pois EUA criaram um mundo seguro às autocracias

Quando olhamos para a cumplicidade do Ocidente com os desastres humanitários no Iêmen, Iraque, Afeganistão, Síria, Líbia e Palestina, não é surpresa que Starmer e Johnson tenham seguido a linha de Washington como os obedientes cachorrinhos que são. Todos os países muçulmanos acima mencionados são vítimas direta ou indiretamente da agressão da OTAN; e todos são vítimas do imperialismo norte-americano.

Não se trata de tomar partido ou escolher Putin em vez de Biden; também não sou fã de nenhum. É sobre paz, que, de onde estou, parece estar a um milhão de milhas de distância tanto da Casa Branca quanto do Kremlin.

Claramente, os EUA não perderam o apetite pela guerra, apesar de sua humilhante derrota nas mãos do Talibã no Afeganistão no ano passado. De fato, a economia americana prospera em conflitos ao redor do mundo. Os EUA têm cerca de 750 bases militares em 80 países, e Biden está feliz em cercar a Rússia com bases da OTAN e países alinhados à OTAN. Putin ficou cada vez mais agitado com isso e deu a conhecer seus sentimentos. Em dezembro, o líder russo iniciou conversas com os Estados Unidos para difundir a situação. A resposta de Washington foi chutar areia na cara de Putin, o curso de ação menos diplomático ao lidar com um líder cujo ego é do tamanho da Praça Vermelha. Mas talvez Biden tenha planejado assim.

Enquanto isso, os palestinos só podem olhar com desespero e se perguntar o que será necessário para o Ocidente parar, pausar e considerar seus direitos territoriais e soberania com a mesma compaixão demonstrada ao povo da Ucrânia. Se, como disse a ex-primeira-ministra Theresa May outro dia em Westminster, é importante enfrentar a Rússia em “defesa da democracia”, então certamente esse nobre princípio deve ser aplicado em todos os lugares, inclusive na Palestina ocupada por Israel. É hipócrita fazer o contrário.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEstados UnidosEuropa & RússiaIsraelOpiniãoOriente MédioOTANPalestinaRússiaUcrânia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments