Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Protestos na Caxemira forçam exército da Índia a substituir pôster de Soleimani

Manifestantes na Caxemira seguram cartazes do comandante iraniano Qassem Soleimani, morto por um ataque aéreo dos EUA no Iraque, 3 de janeiro de 2020 [Tauseef Mustafa/AFP/Getty Images]
Manifestantes na Caxemira seguram cartazes do comandante iraniano Qassem Soleimani, morto por um ataque aéreo dos EUA no Iraque, 3 de janeiro de 2020 [Tauseef Mustafa/AFP/Getty Images]

Oficiais militares indianos no centro da Caxemira ocupada foram forçados a se desculpar depois de supostamente queimarem um retrato do general iraniano morto Qassem Soleimani, provocando protestos em massa. Os oficiais foram vistos mais tarde colocando uma foto substituta, apresentando Qassem Soleimani ao lado do líder supremo iraniano, aiatolá Ali Khamenei.

De acordo com o Observador da Caxemira, o incidente ocorreu na terça-feira na vila de Malbuchan, no distrito de Budgam, quando, durante um censo do exército no território ocupado, soldados do 2 Rashtriya Rifles do exército entraram em uma casa residencial e confiscaram uma foto de Soleimani antes de incendiá-la.

Os protestos teriam eclodido e se espalhado para o centro da cidade de Magam, na rodovia Srinigar-Gulmarg, com alguns até entrando em confronto com policiais e paramilitares, segundo divulgado.

ASSISTA: Supremo Líder do Irã compartilha vídeo animado de drone atingindo Trump

A filmagem foi compartilhada nas mídias sociais mostrando oficiais do exército fixando a imagem em uma parede no distrito predominantemente xiita de Budgam.

Outro vídeo mostrou o comandante, coronel Raman, visitando a área e pedindo desculpas à comunidade, pedindo calma e também levantando um retrato de Soleimani, obtendo reações positivas da multidão.

Em comunicado, a polícia confirmou que recebeu alegações de “mau comportamento das forças de segurança”.

“Hoje, por volta das 13h, as pessoas da aldeia Malbuchan Magam realizaram um protesto no mercado principal de Magam, alegando que um grupo de forças de segurança, enquanto patrulhava a aldeia […] se comportou mal com os moradores da aldeia”, disse a polícia no comunicado. “Policiais superiores e oficiais civis visitaram o local e conversaram com os moradores. O trânsito foi restabelecido e a situação está sob controle.”

O vice-inspetor-geral de polícia da Caxemira Central, Sujit Kumar, foi citado dizendo que “a questão foi resolvida e a situação está normalizada agora”.

Os sentimentos pró-iranianos são populares em partes da Caxemira, com o aniversário da Revolução Islâmica comemorado anualmente em áreas como Srinagar, Budgam e Kargil. Khamenei também visitou a Caxemira na década de 1980, após a Revolução Islâmica. A comunidade também se tornou mais vocal e visível na resistência contra a ocupação indiana nos últimos anos, sobretudo após a controversa decisão do governo indiano de retirar o “status especial” da Caxemira em 2019.

Soleimani foi morto em um ataque de drone dos EUA no aeroporto de Bagdá em 2020 ao lado do vice-chefe das Forças de Mobilização Popular do Iraque, Abu Mahdi Al-Muhandis. Seu assassinato viu muitos xiitas da Caxemira tomarem as ruas para protestar, prometendo “vingança”.

LEIA: Grupo de oposição hackeia televisão estatal do Irã

Categorias
Ásia & AméricasCaxemiraÍndiaIrãNotíciaOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments