Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A África não deve abandonar a Palestina e conceder a Israel o status de observador

Membros do Sindicato Geral dos Trabalhadores Industriais da África do Sul (GIWUSA), associações civis e partidos políticos marcham em Sandton, Joanesburgo, com faixas anti-Israel durante uma manifestação pró-Palestina, em 27 de janeiro de 2022. [Luca Sola/AFP via Getty Imagens]

A atual divisão na União Africana (UA) sobre o status de observador de Israel dentro da organização é emblemática de um conflito maior que tem o potencial de dividir as maiores instituições políticas do continente. A África enfrenta atualmente uma de suas decisões mais cruciais em relação à Palestina e Israel, cujas repercussões podem ser tão significativas quanto a Resolução 77 (XII) de 1975 adotada pela Organização da Unidade Africana – precursora da União Africana – que reconheceu a  ideologia da nfundação de Israel, o sionismo, como uma forma de racismo. Desta vez, porém, é a Palestina, e não Israel, que sai perdendo.

A tentativa de Israel de obter o status de observador na UA começou anos atrás. Durante décadas, a maioria dos países africanos cortou todos os laços com Israel em solidariedade com a Palestina e outros países árabes. O boicote africano, que começou a sério em 1973, vacilou logo depois que a própria liderança palestina assinou uma série de acordos com Israel, começando com os Acordos de Oslo de 1993. Vendo palestinos e outros países árabes “fazendo negócios” com Israel, alguns países africanos sentiram que sua solidariedade não estava mais servindo a um propósito específico e, assim, reviveram seus laços diplomáticos com Tel Aviv.

Desde então, Israel tem trabalhado diligentemente para fortalecer sua presença na África. Atualmente é reconhecido por 46 dos 55 membros da UA. Além disso, possui 17 embaixadas e 12 consulados em todo o continente. Alguns dos mais recentes triunfos diplomáticos de Israel incluem a consolidação dos laços com o Chade em 2019 e Marrocos e Sudão em 2020; todos os três são países de maioria muçulmana.

LEIA: Acabar com a coordenação de segurança ajudará a acabar com a ocupação

Com os sucessos de Israel em mente, há pouca evidência de que a Autoridade Palestina já tenha montado uma contra campanha substancial e coordenada na África para reconquistar o apoio de um continente que serviu como espinha dorsal da solidariedade internacional com o povo palestino por muitos anos. Essa solidariedade é exemplificada em inúmeras declarações de antigos líderes africanos, como o líder da libertação nacional da Tanzânia, Mwalimu Julius Nyerere, que disse: “Nunca hesitamos em apoiar o direito do povo da Palestina de ter sua própria terra”. Isto foi reiterado por numerosos líderes africanos em inúmeras ocasiões ao longo dos anos.

A solidariedade da África com a Palestina foi baseada na solidariedade palestina e árabe com a África. Historicamente, os palestinos viam sua luta de libertação no mesmo contexto das próprias lutas de libertação da África contra o colonialismo ocidental. Isso explica a redação da Resolução 77 (XII) acima mencionada, que equiparou “o regime racista na Palestina ocupada” com “os regimes racistas no Zimbábue e na África do Sul”, pois todos eles estavam fundamentados na mesma “origem imperialista comum … ( e estão) organicamente vinculados em sua política de repressão à dignidade e integridade do ser humano”.

O primeiro-ministro palestino, Mohammad Shtayyeh, discursa na 35ª Sessão Ordinária da Cúpula da União Africana (UA) em Adis Abeba, Etiópia, em 5 de fevereiro de 2022. [Tony Karumba/AFP via Getty Images]

Muito disso mudou nos últimos anos, não apenas por parte de muitas nações africanas, mas também por parte dos palestinos. Uma renovada “luta pela África”, defendida pelos EUA e outros países ocidentais, bem como Rússia, China e Israel, está forçando muitos no continente a buscar políticas “pragmáticas” ao abandonar o velho discurso de libertação e descolonização em favor de retórica grandiosa sobre “inovação tecnológica” com ênfase egoísta no “combate ao terrorismo”. Assim, com Israel posando como uma “superpotência em ascensão”, muitos países africanos estão fazendo fila para comprar drones não tripulados israelenses e tecnologia de monitoramento e vigilância digital.

No entanto, a liderança palestina também mudou. Com a contínua “coordenação de segurança” entre a Autoridade Palestina e Israel, os palestinos estão enviando mensagens confusas para seus ex-aliados na África e em outros lugares. Assim, vimos o primeiro-ministro da AP, Mohammed Shtayyeh, dizer à Cimeira da UA em 5 de fevereiro: “Com base em suas posições históricas declaradas e seu apoio ao direito palestino… pedimos a retirada e objeção do status de observador de Israel na União Africana”. Tais contradições encorajaram pessoas como Moussa Faki Mahamat que, como Presidente da Comissão da UA, decidiu assumir a responsabilidade de conceder o status de observador a Israel em julho passado.

LEIA: De Tantura a Naqab, a vergonha de Israel está sendo exposta

Os países africanos que se opuseram à decisão de Faki argumentaram na cúpula deste mês que a decisão era ilegal e que não refletia os desejos coletivos dos estados africanos. Faki sugeriu que tal visão refletia os “duplos padrões” em jogo. “O referido Estado – referindo-se a Israel – é (aceitável) em nível nacional, enquanto não pode ser (aceito) em nível africano? Francamente, gostaria que alguém me explicasse esse tipo de padrão duplo”, disse Faki em 7 de fevereiro.

Na verdade, ele tinha suas próprias razões para conceder a Israel o status cobiçado. O Presidente da Comissão da UA foi ministro dos Negócios Estrangeiros do Chade até 2017. Embora o Chade não tenha declarado os seus laços diplomáticos com Israel até 2019, o principal diplomata do país da África Central deve ter desempenhado um papel significativo na preparação do caminho para o relacionamento oficial entre os governos em N’Djamena eTel Aviv .

Faki pode ter calculado que o triunfo diplomático de Israel em seu país e em outros países africanos nos últimos anos significou que a África está pronta para abraçar o estado de ocupação incondicionalmente, e que décadas de solidariedade mútua África-Palestina não serão um fator na decisão da UA. A cúpula de fevereiro, no entanto, demonstrou o contrário, ou seja, que a África ainda não sucumbiu às pressões ocidentais-israelenses e que a Palestina continua a comandar um forte eleitorado político no continente, apesar das muitas deficiências da liderança palestina.

O sólido apoio que a Palestina goza de um bloco influente da UA, somado ao apoio popular que a causa palestina continua recebendo em toda a África, indica que, apesar dos erros do passado, ela continua sendo uma questão central no continente. No entanto, para que Israel não coroe seus triunfos diplomáticos na África com o status de observador da UA, os palestinos e seus apoiadores devem agir rapidamente para formular uma contra-estratégia. Eles devem trabalhar lado a lado com os governos africanos que rejeitam a adesão de Israel e mobilizar as inúmeras organizações da sociedade civil para enviar uma mensagem forte e coletiva a Israel de que não é bem-vindo na África. Uma região que pagou e continua a pagar um alto preço pelo colonialismo, neocolonialismo e apartheid não precisa “fazer negócios” com outro regime colonial de apartheid.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestinaUnião Africana
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments