Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Em vez de libertar prisioneiros palestinos, novo esquema visa punir suas famílias

Palestinos levantam cartazes em apoio ao prisioneiro palestino em greve de fome Hisham Abu Hawash na cidade de Nablus, no norte da Cisjordânia ocupada, em 4 de janeiro de 2022 [Jaafar Ashtiyeh/AFP via Getty Images]

Um esquema está em andamento para reter ou reduzir os pagamentos feitos pela Autoridade Palestina às famílias dos prisioneiros palestinos. De acordo com a mídia israelense, o governo Biden solicitou que a AP revise completamente seu sistema de apoio aos prisioneiros palestinos. A liderança palestina já havia manifestado disposição de envolver os EUA em uma ‘discussão’.

De acordo com o Canal 12 de Israel, o governo Biden pediu ao presidente da AP, Mahmoud Abbas, que pare de pagar salários às famílias dos prisioneiros palestinos e, em vez disso, considere um sistema alternativo de ‘bem-estar’. Por exemplo, prisioneiros com mais de 60 anos receberiam pagamentos como se fossem ‘funcionários de AP aposentados’. Aqueles com menos de 60 anos, segundo o relatório, seriam pagos como ‘funcionários da AP’.

O acima é entendido como algum tipo de compromisso. Ao contrário das tentativas anteriores americanas e israelenses destinadas a cortar qualquer tipo de apoio às famílias dos prisioneiros palestinos, desta vez a AP parece disposta a considerar alternativas aos sistemas existentes.

O primeiro-ministro da AP, Mohammed Shtayyeh, já havia manifestado sua disposição de considerar as preocupações americanas. Em novembro passado, Shtayyeh havia declarado que “se alguém tiver reservas sobre esta ou aquela seção da lei, podemos discuti-la”.

Por ‘lei’, Shtayyeh estava se referindo à lei palestina que permite que a AP apoie prisioneiros palestinos e suas famílias como um pacto de solidariedade. Afinal, esses prisioneiros palestinos estão enfrentando circunstâncias horríveis devido aos seus atos de resistência à ocupação israelense.

Claro, Israel não vê dessa maneira. Para Tel Aviv, qualquer ato de resistência palestina é ilegal, e todo opositor palestino é um ‘terrorista’. Isso não deveria surpreender, pois Israel não se vê como um ocupante ou os palestinos como um povo merecedor de justiça e liberdade.

LEIA: Prisioneiros palestinos são sinônimo de resistência, não de colaboração da AP

Também não surpreende a posição americana. Washington também concorda com a descrição israelense da resistência palestina como “terrorista” e há anos tenta impedir que qualquer ajuda chegue às famílias de prisioneiros palestinos.

Em 2018, o ex-presidente dos EUA, Donald Trump, reteve o financiamento da Autoridade Palestina e também da agência de refugiados da ONU para palestinos, UNRWA, citando o apoio financeiro da Autoridade Palestina aos prisioneiros palestinos e suas famílias.

No ano seguinte, Israel seguiu o exemplo, pois reteve ilegalmente os pagamentos de impostos cobrados em nome da AP – um sistema muito injusto instituído pelo chamado Protocolo de Paris. O dinheiro retido por Israel constitui quase metade de todo o orçamento da AP. Este roubo total por parte de Israel é realizado como uma forma de pressão, sob vários disfarces e sem monitoramento internacional.

Eventualmente, em novembro de 2020, Israel mais uma vez começou a transferir o pagamento para os cofres da AP, mas mantendo uma parte do dinheiro, que, segundo estimativas israelenses, equivalia a pagamentos feitos às famílias dos prisioneiros.

Para lidar com a crise, a AP instituiu vários cortes orçamentários que afetaram principalmente funcionários e prisioneiros da AP – muitos dos quais pertenciam a grupos rivais da AP, seja na Cisjordânia ou na Faixa de Gaza sitiada. Os gastos desproporcionalmente maciços com o aparato de segurança da AP, especialmente os ramos que estão envolvidos na chamada coordenação de segurança entre a AP e Israel, foram deixados intocados.

Desde o início do mandato presidencial de Biden, a Autoridade Palestina promoveu a noção infundada de que Biden é melhor para os palestinos, simplesmente porque o novo governo deu uma validação política parcial a Mahmoud Abbas – que foi completamente evitado por Trump – e restaurou a ajuda dos EUA. Além disso, não há evidências da suposta agenda pró-palestina de Joe Biden e seu governo.

LEIA: Prisioneiros palestinos iniciam boicote aos tribunais israelenses

De fato, o governo Biden prometeu não reverter nenhuma das medidas ilegais tomadas por Trump que, entre outras concessões, legitimaram a ocupação israelense de Jerusalém Oriental Palestina e das Colinas de Golã sírias. Além disso, os EUA ainda não reabriram seu consulado em Jerusalém Oriental, que serviu como uma representação diplomática americana de fato nos territórios ocupados. Mesmo a restauração do escritório da OLP em Washington DC ainda não foi realizada, devido à forte oposição de Israel e seus aliados no Capitólio.

Mais de um ano se passou desde o início da presidência de Biden, mas ainda não há horizonte político, nenhum engajamento americano significativo e nem mesmo uma perspectiva americana coerente. Ao contrário, tudo o que vimos é a insistência de Israel em consolidar sua ocupação, ampliando o círculo de violência e expandindo seus assentamentos ilegais, seja com um aceno americano ou desinteresse.

Palestinos comuns, é claro, têm muito poucas expectativas de Washington, pois não há evidências históricas para demonstrar que os EUA sempre favoreceram a agenda palestina – a de liberdade e justiça – sobre a israelense, de ocupação sem fim e apartheid. Embora o Congresso dos EUA seja muito rápido em aprovar medidas anti-palestinas, as iniciativas pró-palestinas, embora louváveis, têm muito pouca chance de se tornarem lei. Por exemplo, o HR 2407 – “Promovendo os direitos humanos para crianças palestinas que vivem sob a Lei de Ocupação Militar de Israel”, há anos tenta lembrar o governo dos EUA de sua responsabilidade legal sob a Lei de Assistência Estrangeira para que ele deixe de financiar a detenção militar de crianças em qualquer lugar do mundo, inclusive na Palestina.

Não apenas Israel não é responsabilizado pela detenção contínua de milhares de homens, mulheres e crianças palestinos, mas na verdade está ditando a política externa americana, obrigando Washington a aceitar e acomodar as definições, prioridades e agendas israelenses.

A questão dos prisioneiros palestinos é um tema muito sensível na Palestina. Os palestinos consideram seus prisioneiros heróis da resistência e suas famílias como uma responsabilidade coletiva das comunidades palestinas em todos os lugares. Na verdade, o apoio às famílias dos prisioneiros palestinos é o último recurso de legitimidade nas mãos da AP. Se perder isso, as consequências certamente serão terríveis.

Talvez os diplomatas americanos possam considerar um caminho alternativo para abordar de forma justa a questão do apoio financeiro recebido pelos prisioneiros palestinos e suas famílias, ou seja, libertar todos os prisioneiros palestinos das masmorras israelenses. Talvez a discussão também devesse ser expandida para incluir a liberdade de todos os palestinos que estão vivenciando suas próprias formas de aprisionamento por Israel. Tais demandas podem parecer ultrajantes em vista dos atuais equilíbrios políticos de poder, mas certamente são, moral e legalmente, a discussão adequada a ser feita.

LEIA: Prisioneiro palestino de 63 anos morre em prisão de Israel

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEstados UnidosIsraelONUOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments