Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Um fórum internacional na Faixa de Gaza desnuda o cerco israelense

"O Cerco de Gaza, um Crime Contínuo" foi o primeiro fórum desse tipo no território ocupado

“O Cerco de Gaza, um Crime Contínuo” , primeiro desse tipo realizado no território ocupado, procurou lançar luz sobre o contínuo e brutal cerco israelense imposto por Israel à Faixa de Gaza desde 2007 e suas implicações.

Participaram várias figuras internacionais do mundo da política e dos direitos humanos. Notavelmente, eles incluíam o ex-relator da ONU Richard Falk e a parlamentar finlandesa Anna Kontula. Todos os palestrantes explicaram que o cerco israelense e seus efeitos em vários setores da Faixa de Gaza é crime e destacaram o papel de países e organizações internacionais em sua implementação. Eles também discutiram as formas legais e humanitárias de romper o cerco com base em resoluções e convenções internacionalmente reconhecidas.

Punição coletiva

Em seu discurso em nome do comitê organizador, Ahmed Abu Rtema disse que o bloqueio israelense imposto à Faixa de Gaza desde 2007 é uma violação flagrante das leis internacionais e das normas humanitárias; uma punição coletiva que causou sofrimento a civis em toda a sociedade palestina.

Centenas de pacientes morreram porque as autoridades de ocupação israelenses bloquearam seu direito básico de ter acesso a hospitais e cuidados médicos adequados. O bloqueio, disse Rtema, minou a economia palestina, bloqueou o autodesenvolvimento e exacerbou a pobreza e o desemprego. Cidadãos palestinos tiveram negados seus direitos naturais à liberdade de movimento e viagem.

O organizador sublinhou que este cerco não teria durado quinze anos sem a cumplicidade internacional que dá cobertura política e diplomática ao governo de ocupação, permitindo-lhe continuarcom as violações sabendo que não será responsabilizado. O fórum, explicou, pretendia esclarecer o sofrimento causado pelo cerco, porque nenhum estatuto de prescrição anula esse sofrimento, nem significa que o povo da Palestina ocupada deva simplesmente adaptar suas vidas a ele. Vidas são perdidas e propriedades são destruídas todos os dias, ele lembrou ao público.

A deputada finlandesa Anna Kontula disse que Israel construiu outro muro, desta vez em torno da Faixa de Gaza sitiada ilegalmente, onde dois milhões de pessoas vivem como prisioneiros que sonham em viver livremente. Ela observou que os palestinos estão sofrendo a ocupação mais longa da era moderna, acompanhada de violações de direitos humanos cometidas por Israel. Ela também destacou que, de acordo com a ONU e muitas organizações de direitos humanos, o bloqueio imposto a Gaza é uma violação do direito internacional e é uma punição coletiva de civis que levou a uma catástrofe social, econômica e humanitária.

LEIA: O direito à autodeterminação palestina pode ser alcançado por meios pacíficos?

O ex-Alto Comissário da ONU para os Direitos Humanos nos Territórios Palestinos, Richard Falk, prestou uma homenagem inspiradora ao povo de Gaza pela maneira como eles vivem, resistem e perseveram criativamente enquanto continuam a construir uma vida significativa para si mesmos, mantendo seus sonhos como parte de suas medidas de resistência. Ele acrescentou que eles são um exemplo importante para as pessoas que vivem em condições impossíveis.

Falk salientou que a população civil de Gaza foi e ainda é vítima de várias formas de punição coletiva, a começar pelo próprio cerco, que é agravado periodicamente por ofensivas militares ilegais realizadas por Israel em grande escala, resultando em muitos Vítimas civis.

Professor de Direito, ele ressaltou que a essência básica do Direito Internacional Humanitário, especialmente no que diz respeito à ocupação, proíbe claramente uma abordagem tão agressiva. A lei exige que a potência ocupante – neste caso, Israel – trate bem os civis em todas as circunstâncias.

Ele também disse que a ocupação israelense desafia a lei internacional de várias maneiras, incluindo assassinatos ilegais e falha na proteção da população civil. Israel usa suas forças aéreas, marítimas e terrestres contra civis palestinos vulneráveis ​​e desarmados. Como tal, ele acredita que vai além do que pode ser chamado de conflito “razoável”; é grave, cruel e uma violação contínua dos deveres básicos de um Estado membro da ONU e de um Estado soberano que respeita os fundamentos do direito internacional.

O papel da comunidade internacional para romper do cerco

Jennifer Bing é a diretora do Programa Palestina no Quaker American Friends Service Committee (AFSC). Ela é ativista pela e na Palestina há quarenta anos e falou sobre o papel da sociedade civil norte-americana no confronto com o bloqueio israelense a Gaza.

Na segunda sessão do fórum  “O Cerco de Gaza, um Crime Contínuo” , ela disse que desde sua primeira visita à Palestina em 1982, ela foi motivada pela coragem das mães, a criatividade das crianças, o empenho dos agricultores na reforma da terra e a força do comunidade palestina para enfrentar desafios insuportáveis. Ela enfatizou que o AFSC está se esforçando para fazer com que os americanos percebam sua responsabilidade de agir para mudar as políticas dos EUA que causam danos e evitam a responsabilização por abusos de direitos humanos.

Algum progresso foi feito. Pela primeira vez em décadas, explicou Bing, a venda de armas para Israel foi bloqueada no Congresso dos EUA. Centenas de grupos da sociedade civil foram mobilizados, incluindo aliados e apoiadores dos Movimentos Vidas Negras Importam e Justiça Climática, bem como congregações em muitas comunidades religiosas.

O jornalista e ativista irlandês David Cronin falou sobre o papel da Europa no incentivo ao cerco israelense na Faixa de Gaza. Uma das formas mais importantes através das quais a UE contribuiu para o cerco é o financiamento do equipamento de vigilância melhorado no posto fronteiriço de Karam Abu Salem, através do qual passam limitados fornecimentos de mercadorias entre Gaza e Israel.

Ele destacou o fato de que a UE permitiu que Israel participasse do programa de pesquisa Horizon Europe, que tem um orçamento de mais de US$ 107 bilhões para 2022-27. Isso permitirá que Israel bombardeie Gaza repetidamente e roube água dos palestinos na Cisjordânia ocupada.

Cronin terminou sua contribuição dizendo: “Meus amigos, tenho total confiança de que a força do povo ajudará a levantar o cerco a Gaza e porá fim ao regime corrupto do apartheid de Israel”.

A fraqueza da solidariedade internacional em relação ao cerco israelense da Faixa de Gaza foi o foco da contribuição do pesquisador canadense de direitos humanos e jurídico Peter Larson para o fórum. O presidente do conselho de administração da Canadian Ottawa Foundation, especializada em assuntos palestino-israelenses mencionou em sua apresentação os cortes de energia, drones, franco-atiradores ao longo da cerca, pescadores de Gaza sendo perseguidos pela marinha israelense e que Israel se recusa a permitir a maioria dos palestinos de Gaza para ir a Jerusalém ou Cisjordânia, ou ver seus parentes.

LEIA: Contra o apartheid e o genocídio, exigir embargo militar a Israel

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEstados UnidosIsraelOpiniãoOriente MédioPalestinaVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments