Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Vendas de armas da Alemanha atingem recorde com quase metade do armamento indo para o Egito

Armas folheadas a ouro durante a primeira Exposição de Defesa de Serviço do Egito no Cairo, em 3 de dezembro de 2018 [Khaled Desouki/AFP via Getty Images]

As vendas de armas da Alemanha atingiram um recorde depois de terem sido impulsionadas pelas vendas de armamento para o Egito, segundo dados do governo.

Em 2021, a Alemanha exportou 9,35 bilhões de euros em armas, US$ 10,65 bilhões, um aumento de 61 por cento em relação a 2020, com a maioria dessas exportações autorizadas pelo governo anterior da ex-chanceler Angela Merkel.

Quase metade desse valor, cerca de US$ 4,92 bilhões em bens, principalmente sistemas de defesa aérea e equipamentos marítimos, foi para o Egito.

O país que ficou em segundo lugar na lista em termos de compra de armas da Alemanha foi os EUA, com US$ 1,15 bilhão, um quarto do total comprado pelo Egito.

Ativistas de direitos humanos fazem lobby há anos contra a venda de armas ao Egito, que não está apenas envolvido no conflito na Líbia e no Iêmen, mas também em uma campanha militar prolongada e desproporcional no Sinai.

LEIA: ‘Leave Sisi’ continua a ser tendência no Twitter à medida que o aniversário da revolta se aproxima

Em agosto do ano passado, vazou um vídeo mostrando os militares egípcios atirando em um homem à queima-roupa enquanto ele dormia, enquanto outro mostrava um homem desarmado sendo baleado de cima enquanto corria pelo deserto.

Em todo o país, milhares de dissidentes são detidos em condições abomináveis, mantidos por anos em prisão preventiva e sistematicamente torturados e impedidos de visitas familiares.

A decisão do Egito de enviar seu exército para a Líbia é ‘uma declaração de guerra’ [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

No início deste mês, uma das principais organizações de direitos humanos do Egito disse que estava suspendendo as atividades após a crescente repressão das forças de segurança.

A revelação desses números expôs a política inconsistente da Alemanha sobre a venda de armas. Em 2018, após o assassinato brutal do jornalista saudita Jamal Khashoggi dentro do consulado em Istambul, o governo alemão proibiu a venda de armas para a Arábia Saudita.

No entanto, apesar de reduzir drasticamente as vendas para o Reino, eles continuaram. Nos primeiros seis meses de 2019, Berlim vendeu a Riad US$ 915.817 em armas.

A Alemanha também está bloqueando as exportações de armas para a Ucrânia como parte de uma política de paz alemã que restringe as exportações de armas e promove a diplomacia que a ministra das Relações Exteriores, Annalena Baerbock, justificou dizendo: “a política restritiva de exportação de armas é baseada em nossa história”.

Categorias
ÁfricaAlemanhaEgitoEuropa & RússiaNotícia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments