Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Alemanha inicia julgamento de médico sírio por crimes de lesa-humanidade

Médico sírio Alaa Mousa, em 14 de maio de 2020 [Zamanalwsl]

A Suprema Corte Regional de Frankfurt deu início nesta quarta-feira (19) ao julgamento de Alaa Mousa, acusado de crimes de lesa-humanidade por assessorar tortura e assassinato de prisioneiros políticos em hospitais militares do regime de Bashar al-Assad, entre 2011 e 2012.

Segundo a promotoria alemã, o médico de 36 anos é cúmplice de 18 casos de tortura na região de Homs e Damasco, incluindo um adolescente que teve seus genitais incendiados e um prisioneiro que recebeu injeção letal após ser brutalmente espancado pelas autoridades.

LEIA: Ex-funcionário de inteligência da Síria é condenado à prisão perpétua na Alemanha por crimes contra a humanidade

Mousa ainda praticava medicina em um hospital na Alemanha, quando foi detido; todavia, nega as acusações. Os promotores recorreram então a evidências coletadas pelo Centro Sírio de Pesquisa e Estudos Jurídicos, que compilou relatos de vítimas torturadas por Mousa.

Mousa ficou conhecido por algumas de suas vítimas como “doutor da tortura”.

O Centro Sírio de Pesquisa e Estudos Jurídicos coleta evidências contra criminosos de guerra e lesa-humanidade há anos e ajudou a fundamentar o processo contra o ex-coronel sírio Anwar Raslan, condenado à prisão perpétua pelo judiciário alemão, na última semana.

Raslan, de 58 anos, desertou há uma década, mas foi considerado culpado por supervisionar 27 assassinatos e quatro mil casos de tortura, em um centro penitenciário de Damasco.

Categorias
AlemanhaEuropa & RússiaNotíciaOriente MédioSíria
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments