Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Ex-funcionário de inteligência da Síria é condenado à prisão perpétua na Alemanha por crimes contra a humanidade

Tribunal alemão condenou um ex-oficial de inteligência dos serviços de segurança do presidente sírio, Bashar Al-Assad, à prisão perpétua depois de condená-lo por assassinato, estupro e crimes contra a humanidade em um julgamento histórico

Um tribunal alemão sentenciou hoje um ex-oficial de inteligência dos serviços de segurança do presidente sírio, Bashar Al-Assad, à prisão perpétua depois de condená-lo por assassinato, estupro e crimes contra a humanidade em um julgamento histórico, informou a Reuters.

Anwar R. foi acusado de 58 assassinatos, estupro e agressão sexual em uma prisão em Damasco que era supervisionada por uma unidade de inteligência que ele chefiava. Ele negou todas as acusações.

A decisão foi a segunda proferida no mesmo julgamento no tribunal regional superior da cidade de Koblenz, no oeste da Alemanha. Foi o primeiro caso criminal do mundo trazido por tortura liderada pelo Estado durante a guerra civil da Síria, que começou em 2011.

No ano passado, Eyad Al-Gharib, outro ex-membro do serviço de inteligência sírio, foi condenado a quatro anos e meio de prisão por cumplicidade na tortura de civis.

“O julgamento demonstra que a responsabilização pelas atrocidades hediondas do regime de Assad é possível – que as evidências são esmagadoras e serão aceitas pelos tribunais – se promotores e juízes nacionais decidirem agir”, disse Eric Witte, da Open Society Justice Initiative, que apoiou várias testemunhas no caso.

“Por mais que congratulemos o resultado deste julgamento, não devemos esquecer que a crueldade dos crimes provados em tribunal continua até hoje na Síria”, acrescentou.

LEIA: Síria entrega terroristas do Daesh às autoridades do Iraque

O governo Assad nega que tortura prisioneiros.

O veredito dará esperança a muitos dos 800.000 sírios na Alemanha depois que as tentativas de estabelecer um tribunal internacional para a Síria fracassaram.

Os promotores garantiram o julgamento sob as leis de jurisdição universal da Alemanha, que permitem que os tribunais processem crimes contra a humanidade cometidos em qualquer lugar do mundo.

Um segundo julgamento de um médico sírio suspeito de crimes contra a humanidade, incluindo torturar prisioneiros em um hospital militar na cidade de Homs em 2011-2012, começa em Frankfurt na próxima semana.

Promotores alemães também o acusam de assassinar um prisioneiro usando uma injeção letal.

No Conselho de Segurança da ONU, Rússia e China vetaram tentativas de potências ocidentais de encaminhar a crise síria ao Tribunal Penal Internacional, deixando sobreviventes de tortura e ataques com armas químicas com opções limitadas para buscar justiça.

Categorias
AlemanhaEuropa & RússiaNotíciaOriente MédioSíriaVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments