Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Houthis revelam detalhes da operação ‘Furacão Iêmen’ nos Emirados Árabes

Porta-voz do exército iemenita apoiado pelos houthis, brigadeiro Yahya Saree [Yahya_Saree/Twitter]

Após o ataque de drone de ontem em Abu Dhabi, o porta-voz das forças armadas do Iêmen aliadas aos houthis, o general de brigada Yahya Saree, divulgou mais detalhes da operação apelidada de “Furacão Iêmen” um dia depois de sugerir que o movimento estava por trás do ataque “profundo aos Emirados Árabes”.

De acordo com Saree, a refinaria de petróleo Musaffah foi alvejada usando mísseis alados Quds 2. Ele observou que os drones Sammad-3 “atingiram vários alvos sensíveis e importantes”, enquanto a extensão do Aeroporto de Abu Dhabi foi atingida por quatro mísseis. Os mísseis balísticos Zulfiqar também atingiram o Aeroporto de Dubai.

“Prometemos atingir alvos mais vitais nos Emirados Árabes se continuarem sua escalada militar no Iêmen”, alertou o porta-voz.

O ataque matou três pessoas e feriu seis, informou a agência de notícias WAM dos Emirados Árabes. Os atingidos sofreram ferimentos “leves a moderados”.

LEIA: Especialistas prevêem desafios políticos no Iêmen em 2022

A operação representa uma escalada significativa no conflito de sete anos. O estado do Golfo é um dos principais membros da coalizão liderada pela Arábia Saudita e, até agora, evitou ataques de retaliação diretos das forças houthis, ao contrário da vizinha Arábia Saudita, que tem sido frequentemente atingida por ataques de drones e mísseis, bem como ataques transfronteiriços na região. Sul.

O Ministério das Relações Exteriores dos Emirados Árabes respondeu ao ataque com uma declaração condenando “o ataque da milícia terrorista Houthi a áreas e instalações civis em solo dos Emirados hoje. Esse ataque hediondo não ficará impune”. O ministério destacou que os Emirados Árabes “se reservam o direito de responder a esses ataques terroristas e a essa escalada criminosa viciosa”.

Outros estados árabes também condenaram o ataque, assim como o Partido Al-Islah do Iêmen. No entanto, o líder da facção no Iraque, Asaib Ahl Al-Haq, felicitou os “irmãos iemenitas oprimidos, que defendem seu país e sua nação contra a agressão cruel de uma coalizão opressora que permitiu o derramamento do sangue de crianças, mulheres e os idosos”. Os governantes dos Emirados Árabes têm uma longa história nessa agressão, acrescentou. “Parabenizamos os iemenitas por seu incrível progresso em poder de dissuasão e espírito revolucionário que alcançaram, apesar de toda a dor e sofrimento causados ​​pela arrogância dos poderes do mal.”

Após a operação, aviões de guerra da coalizão realizaram ataques aéreos em um bairro residencial na capital Sanaa, matando pelo menos 12 civis, incluindo uma família inteira; onze outras pessoas ficaram feridas. De acordo com Al-Masirah, os ataques lançados ontem à noite e hoje cedo foram os mais mortais na capital desde 2019. Também foi relatado que mais de 50 ataques aéreos foram realizados em todo o país nas últimas 24 horas.

LEIA: Quem está lutando na guerra do Iêmen?

Categorias
Emirados Árabes UnidosIêmenNotíciaOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments