Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Fugindo das garras da pátria

Ativista político egípcio-palestino Ramy Shaath em Paris, França, em 8 de janeiro de 2022 [Julien de Rosa/AFP/Getty Images]

A chegada do ativista político egípcio de origem palestina Ramy Shaath à França, depois de ter sido deportado das prisões egípcias, despojado da nacionalidade do país em que nasceu e viveu, é uma ocasião de luto e enlutece os países que brutalizaram o seu povo e cederam aos seus inimigos.

Não creio que seja uma ocasião feliz, digna de qualquer forma de felicitações e comemorações, pois perpetua uma nova realidade lamentável e humilhante, em que todo verdadeiro adversário se torna um pária, que não merece ser um cidadão usufruindo da nacionalidade de seu país. Temo que o incidente de tirar a cidadania de  Shaath em troca de sua liberdade no exílio abre um novo precedente para milhares de casos semelhantes em prisões egípcias desde 2013.

Imediatamente após a emissão de um comunicado da família de Ramy Shaath sobre sua saída do Egito, apátrida, rumo à capital jordaniana e de lá ao seu destino final, a França, para se estabelecer com sua esposa francesa, começaram as comemorações e felicitações nos círculos políticos e de direitos humanos egípcios, entre aqueles que veem o escapar das garras do poder como uma conquista e uma vitória. Há quem acompanhe suas felicitações a ele com o desejo do mesmo destino para os muitos que estão presos.

Imagine se o regime adotasse essa abordagem e repetisse a experiência de Ramy Shaath com outros prisioneiros de consciência que preocupam governos que pressionam o regime egípcio, como Emmanuel Macron fez com Shaath. Qual seria o destino da elite política egípcia, à luz dessa deliberada destruição do solo para que não reste nenhuma possibilidade de a oposição brotar?

LEIA: No Egito, regime troca cidadania por liberdade

O que costumava ser classificado como crimes contra a humanidade que merecem condenação no início do golpe de Abdel Fattah Al-Sisi agora se tornaram soluções diplomáticas e entendimentos internacionais que reconhecem o direito da autoridade de cassar a cidadania de seus oponentes. Eles estão sendo recebidos com aplausos e congratulações por opositores que se resignaram à impotência e ao desamparo, e ninguém se atreve a enfrentá-lo, mesmo que movendo ações judiciais contra a política de transferências que viola as sucessivas constituições egípcias e pactos internacionais de direitos humanos .

Quando o golpe de Al-Sisi foi bem-sucedido no verão de 2013, seu regime começou a queimar, destruir e excluir os oponentes de maneira imprudente de retaliação excessiva, não deixando oportunidade para a presença de outra voz. O Egito foi colocado na vanguarda da lista dos países que mais condenam à morte opositores do sistema político. Aqueles que permanecem vivos nas prisões não são mencionados por ninguém, nem estão presentes em nenhum entendimento ou acordo internacional de modo a atender as necessidades do regime egípcio em termos de suas ferramentas de repressão, em troca da libertação de alguns dos novos reféns, procurados nominalmente nos círculos ocidentais.

Prisões de Sisi – Charge [Sabaaneh/monitor do Oriente Médio]

Mesmo as vozes que conseguiram se estabelecer sob a autoridade opressora, descritas como mais prudentes e menos ferozes pelo novo regime, foram, em pouco tempo, rotuladas como inimigas ou opositoras ou, no mínimo, acusadas de serem um grupo de quinta coluna que representa um perigo para o novo regime. Essas vozes foram liquidadas, uma a uma, e perseguidas até se estabelecerem no exílio. São muitos os exemplos, talvez o mais claro seja o caso de Mohamed El-Baradei, ex-vice-presidente do governo formado pelo golpista, e Issam Hajji, conselheiro científico do chefe da autoridade construída sobre as ruínas da revolução de janeiro.

LEIA: Sisi rotula de ‘mentiras’ evidências de violações de direitos humanos

Pouco a pouco, desenvolveu-se um estado de aclimatação à brutalidade, sem qualquer desejo de resistir, até chegarmos a esse estado de completa miséria. Chegamos ao ponto, enquanto nos preparamos para marcar o aniversário da revolução da liberdade e da dignidade humana, de acreditar que escapar das garras da pátria é uma ocasião feliz que merece ser celebrada, sem se importar que a pátria tenha fincado suas garras dentro e fora da cidadania. Toda essa situação pede piedade, não parabéns pelo exílio forçado, para escapar das garras de uma pátria insaciável de sangue.

Este artigo foi publicado originalmente em árabe, em Al-Araby Al-Jadeed, em 10 de janeiro de 2022

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArtigoEgitoEuropa & RússiaFrançaOpinião
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments