Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel teme ser comparado ao regime do apartheid

Apoiadores pró-palestinos seguram cartazes com os dizeres 'Boicote ao Apartheid Israel' durante um protesto para condenar os ataques aéreos israelenses em andamento em Gaza, em Durban, em 18 de maio de 2021 [Rajesh Jantilal/AFP via Getty Images]

As advertências feitas recentemente por Yair Lapid, o ministro das Relações Exteriores de Israel, sobre a insistência daqueles que ele descreveu como inimigos da ocupação em qualificar a política israelense em relação aos palestinos como um “estado de apartheid”, que é o outro termo do “regime de apartheid” “, ainda estão provocando mais reações internas israelenses, bem como um estado de aborrecimento que está se espalhando na comunidade diplomática israelense.

Os israelenses temem o que consideram uma política adotada por organizações de direitos humanos para ‘distorcer’ a reputação do Estado de ocupação e compará-lo ao sistema de apartheid que prevaleceu na África do Sul em décadas anteriores, baseado na etnia e na divisão entre brancos e negros africanos, que formavam a grande maioria. Esse sistema prevaleceu por mais de 40 anos em meio a um estado de desdém, uma vez que os negros eram privados do direito de voto e de outras liberdades.

A África permanece ao lado da Palestina [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

A África permanece ao lado da Palestina [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Dan Perry, um escritor do The Times of Israel e chefe da Associação de Imprensa Estrangeira, disse em seu artigo traduzido pelo Arabi 21 que “o medo israelense é devido aos esforços de organizações jurídicas internacionais de direitos humanos para comparar a política israelense aplicada contra os palestinos ao que aconteceu anteriormente com os negros na África do Sul. Hoje, eles são perseguidos nos Estados Unidos, são privados da maioria dos direitos e são considerados vítimas do apartheid por um grupo étnico minoritário”.

Acrescentou que “as posições das forças anti-israelenses consideram que existe uma ampla base genética comum entre os países que praticam o apartheid, como o antigo regime sul-africano, e agora os Estados Unidos em conjunto com Israel, que praticam a mesma política com os palestinos na Cisjordânia, adotando a prática de genocídio e ligando os palestinos ao termo ‘ilegal’ com qualquer referência a assentamentos judaicos.

LEIA: A investigação de crimes de guerra pela ONU ainda está manchada por décadas de apoio colonial a Israel

Através de uma revisão de estatísticas, os israelenses temem a noção de que a maior parte da população mundial nasceu após a queda do regime do apartheid na África do Sul. Então, eles correm para descrever Israel com a mesma descrição, que exige que os israelenses trabalhem para impedir o uso do termo sistema de apartheid, mesmo que Israel tenha assumido o controle das terras palestinas por 54 anos. Não se espera que mude sua política hostil em relação a eles. Agora constrói assentamentos para judeus e estabelece universidades lá, apesar da objeção do mundo.

Ao mesmo tempo, o que reforça a repetição mundial da noção de regime do apartheid é o fato de que as terras da Autoridade Palestina se tornaram ilhas cercadas por terras sob o controle total do exército israelense. Provoca uma aceitação deprimida dos bantustões, lembrando ao mundo inteiro a situação que prevalecia nas décadas de 1970 e 1980 sob o regime da África do Sul. Talvez a política praticada pelas forças de ocupação contra os palestinos seja o racismo.

Vale mencionar que as estimativas pessimistas israelenses esperam que o Ano Novo de 2022 seja testemunha de uma campanha das organizações internacionais e da ONU para selecionar os termos e vocabulários relacionados ao apartheid, no que diz respeito às políticas israelenses em relação aos palestinos, o que motivou o Ministério das Relações Exteriores de Israel e o consulados de todo o mundo ao alerta diplomático para enfrentar o que consideram um tsunami político contra eles.

LEIA: Israel prendeu 390 palestinos no ano passado por ‘incitar violência’ nas redes sociais

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments