Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A guerra por Israel nos campi britânicos

Universidade de Bristol, Reino Unido em 16 de maio de 2019 [Geoff Caddick/ AFP / Getty Images]
Universidade de Bristol, Reino Unido em 16 de maio de 2019 [Geoff Caddick/ AFP / Getty Images]

Durante a maior parte de 2021, o lobby de Israel travou uma guerra na Universidade de Bristol. Seu alvo principal era David Miller, então professor de sociologia lá.

Apoiado pelo próprio governo israelense, o lobby fez uma campanha de longo prazo que resultou na demissão sumária de Miller por motivos ainda não revelados. Mas é evidente que a política antissionista de Miller foi a verdadeira razão.

Miller é provavelmente o maior especialista do Reino Unido no movimento sionista, no lobby de Israel e na islamofobia. A demissão de Miller foi uma vitória sem precedentes para Israel e seu lobby.

Pela primeira vez na história, uma potência estrangeira hostil foi capaz de impor sua vontade a um estabelecimento acadêmico britânico de tal forma que conseguiu que um professor fosse demitido por suas opiniões críticas sobre a mesma potência estrangeira hostil.

O lobby conseguiu a demissão usando sua tática usual – alegações fabricadas de antissemitismo.

Miller foi incessantemente tachado de fanático antijudaico por pessoas cuja verdadeira agenda era bastante clara: defender Israel e o sionismo, aconteça o que acontecer.

Apesar de anos de tal desinformação visando Miller, duas investigações internas de Bristol por um QC justificaram Miller. Em ambos os relatórios internos – que obtive para The Electronic Intifada – o QC disse que não apenas o que Miller disse não era antissemita, mas ele não tinha nenhum caso para demonstrá-lo.

A Universidade de Bristol foi em frente e demitiu-o mesmo assim.

Miller está atualmente tramitando um recurso interno com a universidade. Uso essa frase porque, dada a forma vergonhosa e desonesta com que as autoridades universitárias sempre agiram, considero quase impossível que o reintegrem, a menos que sejam forçadas a isso.

Parece provável que Miller terá que levar seu caso a um tribunal de trabalho. Ele quase certamente vencerá o caso. Mas isso pode levar muito tempo e, enquanto isso, o estrago em sua carreira acadêmica já foi feito. Ele parece ter terminado nos campi britânicos.

Esta é uma tragédia e uma enorme injustiça, não apenas para os alunos da Universidade de Bristol e para o próprio Miller, mas para todo o país e – na verdade – para o mundo inteiro.

A demissão de Miller é um duro golpe para o conceito de liberdade acadêmica no país. Isso significa que Israel – agindo por meio de seus agentes no Reino Unido – agora tem, até certo ponto, um veto sobre quem pode ou não ensinar nos campi britânicos. As consequências disso são assustadoras.

Mas, previsivelmente, a falsa brigada de “liberdade de expressão” de direita não tem absolutamente nada a dizer sobre tudo isso. Eles só parecem se importar com questões ridículas de guerra cultural e a ameaça (habitualmente exagerada) da chamada cultura de cancelamento.

Mas o que o grupo norte-americano Palestine Legal apelidou com precisão de “exceção palestina à liberdade de expressão” está se espalhando cada vez mais para o Reino Unido.

Quem é o responsável por isso?

LEIA: Parlamentar do Reino Unido diz que BDS será proibido

Tornou-se aparente que Israel está utilizando uma pequena minoria de jovens estudantes britânicos como peões em sua guerra por procuração contra a liberdade acadêmica e na defesa do racismo sionista no campus.

Ironicamente, foi exatamente para essa campanha insidiosa de desinformação que Miller estava tentando chamar a atenção em primeiro lugar, e pela qual foi atacado e difamado.

Como a grande maioria das pessoas no Reino Unido, a maioria dos estudantes apoia os direitos humanos dos palestinos e quer ver igualdade para eles e o fim da ocupação e do apartheid israelense. Mas uma pequena minoria de estudantes está convencida pelos sionistas e está disposta a jogar sujo para impor sua vontade no campus.

Israel trabalhou por muitas décadas para construir essa situação. Estudantes britânicos desde a idade escolar primária são preparados, submetidos a uma lavagem cerebral, radicalizados e recrutados para o movimento sionista.

Dois dos principais propagandistas pró-Israel no campus de Bristol foram os principais exemplos desse fenômeno muito real.

Sabrina Miller e Edward Isaacs da Sociedade Judaica (afiliada à União de Estudantes Judeus, que por sua vez está constitucionalmente comprometida com a promoção dos interesses de Israel e também está ligada ao próprio estado israelense), ambos desempenharam papéis importantes na bem-sucedida campanha para a demissão de Miller .

Ambos são claramente pessoas a serem observadas no futuro. A carreira de Sabrina Miller no jornalismo de direita decolou desde que ela fez sua reputação ao conseguir a demissão de seu homônimo e escrever sobre isso na grande mídia. Após um estágio no The Spectator, ela foi direto para um emprego no blog de notícias libertárias de extrema direita Guido Fawkes. Quanto tempo até ela conseguir uma coluna lucrativa no The Times ou no The Telegraph?

LEIA: Sionistas ameaçam processar Universidade de Londres por voto favorável ao BDS

Isaacs, por outro lado, parece ter sido preparado para o mundo da política conservadora.

Ele ainda não tem 21 anos e já é um dos principais propagandistas antipalestinos do país. Ele foi um orador estrela no falso “7º Fórum Global de Combate ao Antissemitismo” do governo israelense no início deste ano, onde – cercado por bandeiras israelenses – ele se declarou um “orgulhoso sionista” e pediu que a Universidade de Bristol demitisse Miller.

Mais recentemente, ele fez amizade com o primeiro-ministro Boris Johnson e o ministro das Relações Exteriores israelense Yair Lapid em uma recepção número 10 em Downing Street.

Tanto Sabrina Miller quanto Isaacs se radicalizaram na causa sionista quando ainda eram crianças em idade escolar. Ambos foram premiados com a elite do United Jewish Israel Appeal “Israel Fast Track Fellowship”.

Se fossem estudantes muçulmanos, provavelmente já teriam sido encaminhados para investigação.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoEuropa & RússiaInquéritoIsraelOriente MédioPalestinaReino Unido
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments