Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Sionistas ameaçam processar Universidade de Londres por voto favorável ao BDS

Estudantes protestam contra a ocupação israelense, no campus da Universidade de Leeds, no Reino Unido, em 5 de maio de 2018 [Universidade de Leeds – Grupo de Solidariedade Palestina/Facebook]
Estudantes protestam contra a ocupação israelense, no campus da Universidade de Leeds, no Reino Unido, em 5 de maio de 2018 [Universidade de Leeds – Grupo de Solidariedade Palestina/Facebook]

O grupo Advogados do Reino Unido por Israel (UKFLI) ameaçou processar a Universidade de Londres após uma de suas associações estudantis aprovar por vasta maioria o boicote a empresas que auxiliam na ocupação da Palestina histórica.

As informações são do jornal britânico The Jewish Chronicle.

O lobby sionista interveio na questão, ao alegar ilegalidade na campanha civil, sob o argumento de que o grêmio estudantil é registrado como entidade beneficente.

Segundo os advogados pró-Israel, a medida não está de acordo com seu status beneficente, tampouco respeita objetivos e metas da organização discente, incluindo “avanço na educação” e “promoção de interesses e bem-estar na cidade universitária”.

De acordo com a carta do grupo sionista, há uma “distinção fundamental” entre melhorar a vida de estudantes de grupos minoritários e apoiar a “causa dos palestinos contra Israel”

LEIA: Estudantes da City University votam para boicotar Israel, em nova vitória do BDS

“Os estudantes têm direito de apoiar uma campanha política como indivíduos, desde que o façam de maneira legal. A Cidade Universitária, no entanto, não pode conduzir a campanha pois é uma entidade beneficente e seus recursos, instalações e equipes devem ser utilizados para promover tais objetivos”, insistiram os advogados sionistas.

Na última semana, o grêmio conhecido como Cidade Universitária realizou um encontro para incluir ou não a ocupação israelense em seus esforços anticoloniais. A proposta de desinvestimento foi aprovada por 93% dos estudantes presentes.

O grupo Amigos da Palestina celebrou a decisão como “vitória para a causa palestina e para o movimento de Boicote, Desinvestimento e Sanções [BDS]” e prometeu ajudar na investigação sobre o envolvimento da Universidade de Londres com empresas cúmplices da ocupação.

No entanto, a organização de direitos humanos advertiu contra uma eventual negativa da diretoria da instituição: “Falhar com essa moção, aprovada democraticamente, seria como falhar com os próprios estudantes e com a democracia”.

LEIA: Reino Unido e Austrália alinhados com o Apartheid israelense

Categorias
BDSEuropa & RússiaIsraelNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestinaReino Unido
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments