Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O Mossad de Israel se compromete a fazer ‘o que for preciso’ para impedir o Irã de desenvolver armas nucleares

Um trabalhador entra em uma instalação de conversão de urânio, parte do Programa de Energia Nuclear do Irã, fora da cidade de Isfahan, Irã [Getty Images]
Um trabalhador entra em uma instalação de conversão de urânio, parte do Programa de Energia Nuclear do Irã, fora da cidade de Isfahan, Irã [Getty Images]

O Mossad de Israel enviou uma mensagem assustadora ao Irã com um aviso de que a República Islâmica “nunca terá armas nucleares”. Embora não faça parte do acordo nuclear, que está sendo renegociado pelo Irã e pelos Estados Unidos, Israel não mediu esforços para minar os esforços das grandes potências para chegar a um acordo.

Enquanto delicadas negociações estavam em andamento em Viena, o primeiro-ministro israelense, Naftali Bennett, pediu aos EUA que “parassem imediatamente” o processo enquanto acusava o Irã de recorrer à “chantagem nuclear” como tática.

O pedido de Bennett foi seguido à noite por uma mensagem do chefe do Mossad de Israel, David Barnea. Israel fará “o que for preciso” para garantir que o Irã nunca desenvolva uma arma nuclear, disse o homem de 56 anos que assumiu o comando da agência de inteligência que supostamente está por trás de vários assassinatos de autoridades iranianas.

O Irã “não terá armas nucleares, não nos próximos anos, nunca”, disse Barnea em uma cerimônia para funcionários do Mossad em Jerusalém, ao lado do primeiro-ministro, Naftali Bennett, e do presidente, Isaac Herzog.

O “compromisso do Mossad” é ​​evitar que o Irã desenvolva uma ogiva nuclear que Barnea prometeu. “Junto com nossos colegas no estabelecimento de defesa, faremos o que for necessário para manter a ameaça longe do Estado de Israel e impedi-la de qualquer maneira.”

O principal diplomata do Irã, o ministro das Relações Exteriores, Hossein Amir-Abdollahian, disse que um acordo para reativar o acordo nuclear de seu país com potências mundiais estava “ao alcance”, mas que dependia da boa vontade do Ocidente.

As negociações com o objetivo de reviver o acordo nuclear de 2015 entre o Irã e várias potências mundiais – Grã-Bretanha, China, França, Alemanha, Rússia e Estados Unidos – foram retomadas na segunda-feira depois que o Irã as interrompeu em junho após a eleição do presidente Ebrahim Raisi.

O ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump desistiu unilateralmente do acordo cuidadosamente costurado por seu antecessor, Barack Obama. A decisão, amplamente vista como imprudente, foi incentivada por seu secretário de Estado, Mike Pompeo, e pelo primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu.

A decisão precipitada de Trump saiu pela culatra. Os falcões pró-Israel agora admitem que “foi uma das decisões de segurança nacional dos Estados Unidos mais estúpidas, mais mal pensadas e contraproducentes da era pós-Guerra Fria”.

Além do levantamento das sanções, o Irã está buscando salvaguardas de que nenhum governo dos EUA seria capaz de se retirar unilateralmente do acordo no futuro. O medo em Teerã é que outro presidente republicano aceite a ideia de punir Teerã de onde saiu a camarilha de Trump.

LEIA: O primeiro-ministro de Israel pede que os EUA ‘parem imediatamente’ as negociações nucleares com o Irã

Categorias
Ásia & AméricasEstados UnidosIrãNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments