Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

AP condena novos assentamentos de Israel em Hebron, Cisjordânia ocupada

Obras em curso em um assentamento ilegal israelense na Cisjordânia ocupada, 28 de outubro de 2021 [AHMAD GHARABLI/AFP/Getty Images]
Obras em curso em um assentamento ilegal israelense na Cisjordânia ocupada, 28 de outubro de 2021 [AHMAD GHARABLI/AFP/Getty Images]

A Autoridade Palestina (AP) condenou na última quinta-feira (25) a última aprovação deferida pelo governo israelense para construir 372 novas unidades coloniais na cidade de Hebron (Al-Khalil), na Cisjordânia ocupada.

Em nota, a chancelaria palestina reafirmou que a decisão “é uma extensão do processo de entrincheirar e expandir os assentamentos ilegais no coração da Cidade Velha de Hebron”.

A “provocação”, como descreveu Ramallah, foi anunciada somente alguns dias após Israel aprovar a construção de 11 mil unidades coloniais na região do antigo Aeroporto de Qalandia, em Jerusalém Oriental — também conhecido como Aeroporto Internacional de Jerusalém.

A Autoridade Palestina condenou também a visita do presidente israelense Isaac Herzog a um assentamento em Hebron para celebrar o Hanukkah, além de sua passagem pela Mesquita Abraâmica (Túmulo dos Patriarcas), onde acendeu velas cerimoniais.

O comunicado advertiu a comunidade internacional sobre os danos causados à solução de dois estados pelas obras contínuas de assentamentos ilegais nos territórios palestinos ocupados.

“A solução de dois estados é sujeita ao mais hediondo processo de sabotagem, devido à política de Israel para controlar terras palestinas e acelerar sua anexação da Cisjordânia”, reiterou.

Na quinta-feira, a imprensa israelense reportou que o conselho de Kiryat Arba, na cidade palestina de Hebron, autorizou a construção de 372 unidades residenciais em um assentamento local, incluindo edifícios públicos, escolas, lojas e parques.

Dados oficiais mostram que há 600 mil colonos vivendo em cerca de 145 postos coloniais e 140 assentamentos exclusivamente judaicos na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental.

Israel ocupou ambos os territórios em 1967, durante a chamada Guerra dos Seis Dias.

Todos os assentamentos são considerados ilegais segundo a lei internacional.

LEIA: “Hamas tem o direito legal de resistir”, diz parlamentar britânico

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments