Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

‘País será purificado após expurgarmos as instituições’, alega Presidente da Tunísia

Presidente da Tunísia Kais Saied em Bruxelas, 4 de junho de 2021 [Dursun Aydemir/Getty Images]
Presidente da Tunísia Kais Saied em Bruxelas, 4 de junho de 2021 [Dursun Aydemir/Getty Images]

Em discurso proferido nesta sexta-feira (19), o presidente tunisiano Kais Saied advertiu: “O país somente pode ser purificado após retirarmos das instituições públicas aqueles que querem frustrar suas capacidades e deixar seus jovens na miséria”.

O texto foi compartilhado pela Presidência da República no Facebook, após um encontro com o Ministro do Trabalho e Treinamento Vocacional, Nasreddine Nsibi.

O encontro devotou-se a discutir a Lei n° 38 de 13 de agosto de 2020, relacionada às “medidas excepcionais” tomadas por Saied, para designar um departamento do governo a indivíduos desempregados há mais de dez anos.

“Eles venderam falsas ilusões aos jovens, que os fazem crer que alguns textos legais serão implementados, embora aqueles que os redigiram e aprovaram saibam muito bem que isso não acontecerá”, insistiu o presidente.

Será o presidente Kais Saied o novo Luís XIV? [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Será o presidente Kais Saied o novo Luís XIV? [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

De sua parte, comentou Nsibi: “As autoridades responsáveis por emitir a lei [sobre o mandato no setor público] não tinham qualquer intenção de efetivamente implementá-la, mas sim pretendiam mentir aos cidadãos desempregados”.

“Saied confirmou que o setor público não pode acomodar mais empregados”, prosseguiu o ministro. “Certamente sabem que não devemos vender ilusões”.

Na terça-feira (17), informações do Instituto Nacional de Estatísticas da Tunísia mostraram aumento considerável nos índices de desemprego do mercado local — de 17.9% a 18.4% entre o segundo e terceiro trimestre de 2021.

Desde 25 de julho, a Tunísia vivencia uma crise política, após o presidente assumir poderes executivos, congelar o parlamento, abolir o órgão de supervisão constitucional, passar a governar por decreto, destituir o premiê e compor um novo gabinete.

A maioria das forças políticas no país consideram as medidas de Saied como golpe contra a constituição. Outros apoiam o presidente ao descrever suas ações como “correção de curso na revolução de 2011”, que depôs o ditador Zine El Abidine Ben Ali.

Nos últimos três meses, a capital tunisiana vive protestos regulares, incluindo milhares de pessoas, contra os avanços do presidente — cujo mandato termina em 2024.

LEIA: União Geral Tunisiano de Trabalho pede antecipação das eleições parlamentares

Categorias
ÁfricaNotíciaTunísia
Show Comments
Show Comments