Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Grupo pró-Israel alega antissemitismo e impede apoio psicológico a estudantes palestinos

Universidade George Washington em Washington, D.C, EUA, em 9 de setembro de 2021 [Stefani Reynolds/Bloomberg/Getty Images]

Os estudantes palestinos da Universidade George Washington (GW) não tiveram acesso aos serviços de apoio ao trauma após uma queixa de um grupo pró-Israel de que é antissemita atender à dor mental e fisiológica dos estudantes palestinos.

A alegação de antissemitismo foi feita após o Escritório de Defesa e Apoio (OEA, na sigla em inglês) da GW, que tem a tarefa de prestar atendimento mental e fisiológico aos membros da comunidade GW que sofreram traumas, ter oferecido seu serviço aos estudantes palestinos em junho.

O pessoal da OEA ofereceu apoio aos traumas quando notaram que os estudantes palestinos pareciam ter sido impactados pela expulsão forçada de palestinos em Jerusalém por Israel e seu brutal ataque de 11 dias à Faixa de Gaza em maio. Eles acreditavam que oferecer um espaço de processamento para os palestinos os ajudaria a superar seu trauma, como aconteceu quando outras comunidades foram atingidas pela violência.

É rotina para a OEA oferecer seu apoio a diferentes grupos. Ela proporcionou espaços de cura para membros judeus, negros, pardos e asiáticos da comunidade que sofreram traumas resultantes do racismo e/ou da violência do Estado.

A OEA foi criticada e impedida de cumprir suas funções regulares após sua decisão de fornecer apoio aos estudantes palestinos. Foi relatado que dentro de 24 horas após a divulgação de um espaço virtual de processamento no Instagram, autoridades da GW, incluindo um representante do Conselho Diretor e do Escritório do Presidente, realizaram uma reunião de emergência com a OEA e orientaram o escritório a cancelar o evento e retirar a postagem.

LEIA: Antissemitismo como arma para intimidar críticos de Israel

Além disso, os administradores da GW ordenaram à OEA que publicasse um pedido de desculpas declarando que a postagem anterior “não criou um espaço seguro para todos os membros de nossa comunidade”. Desde então, a GW também iniciou uma “auditoria” da OEA, que não está mais autorizada a postar nas mídias sociais ou a se comunicar com professores em nome dos estudantes.

Uma reclamação foi apresentada à Palestina Legal pelo membro da equipe da OEA, Nada Elbasha. O grupo fornece apoio em defesa e litígio para estudantes universitários, ativistas de base e comunidades afetadas que defendem a justiça na Palestina.

“Os palestinos da GW merecem ter acesso aos mesmos serviços que qualquer outro estudante aqui”, disse Nada Elbasha. “Ter administradores de alto nível cancelando nossa programação de apoio e ameaçando fechar nosso escritório foi uma declaração chocante de que a GW não se importa com seus estudantes palestinos”.

Elbasha soube mais tarde que o grupo de estudantes contra agressões sexuais da GW (SASA, sigla em inglês), que também havia oferecido apoio a trauma para estudantes palestinos no Instagram, também foi orientado a retirar seu post. Tanto a SASA quanto a OEA foram informadas que apoiar os direitos humanos palestinos e dar apoio aos palestinos era prejudicial aos estudantes judeus.

O advogado e co-conselheiro palestino Benjamin Douglas iniciou uma queixa de direitos civis contra a GW junto ao Escritório de Direitos Humanos do Distrito de Columbia, desafiando o que eles disseram ser seu “cancelamento seletivo e discriminatório de serviços de apoio a trauma para estudantes palestinos”.

A queixa detalha como a negação de serviços da GW aos palestinos constitui discriminação de origem nacional em violação à Lei de Direitos Humanos do Distrito de Colúmbia (DCHRA, sigla em inglês). A lei proíbe que instituições educacionais neguem ou restrinjam seus serviços ou programas a qualquer pessoa com base em 21 categorias protegidas, incluindo raça, cor e origem nacional.

“Negar o apoio dos palestinos porque sua dor é politicamente inconveniente não é apenas errado, é ilegal”

disse o advogado sênior da Palestina, Radhika Sainath. O grupo disse que o trabalho que realizou em conjunto com o Centro de Direitos Constitucionais mostrou que existe uma “Exceção Palestina” para a liberdade de expressão e defesa dos direitos humanos, que se tornou ainda mais aparente na primavera passada quando pessoas em todos os EUA protestaram contra a violência colonial e militar de Israel.

LEIA: Cerco israelense a Gaza impede tratamento de pacientes com doenças renais

Categorias
Ásia & AméricasEstados UnidosIsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments