Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O povo vs. COP26: nosso destino está em nossas mãos

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, fala aos líderes mundiais da Comunidade das Nações Britânica na recepção da Comunidade Britânica na COP26, em Glasgow, em 2 de novembro de 2021 [Will Crowne/Governo do Reino Unido]
O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, fala aos líderes mundiais da Comunidade das Nações Britânica na recepção da Comunidade Britânica na COP26, em Glasgow, em 2 de novembro de 2021 [Will Crowne/Governo do Reino Unido]

De todos os discursos e grandiosos pronunciamentos políticos da Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática de 2021 em Glasgow (COP26), as palavras do presidente mexicano, Andrés Manuel Lopez Obrador, foram as mais profundas e menos hipócritas.

López Obrador se revoltou contra os “tecnocratas e neoliberais” – líderes mundiais que seguram o futuro da humanidade em suas mãos. Foi uma referência direta aos líderes dos países poderosos que “aumentam sua produção de combustível, ao mesmo tempo em que realizam cúpulas para a proteção do meio ambiente”, enquanto chegam a Glasgow em jatos particulares.

De fato, a hipocrisia continua a definir o que se pretende ser uma luta coletiva global contra a mudança climática e suas consequências devastadoras e muitas vezes mortais.

Consumo excessivo, desigualdade e capitalismo desenfreado dificilmente foram as palavras-chave que definiram a COP26. Tais referências foram em grande parte feitas por ambientalistas “radicais” e “esquerdistas” fora dos salões da conferência. Apontar o óbvio tornou-se, infelizmente, um ato radical.

Dentro das salas de cúpula, era a política como de costume, embora dissimulada como uma preocupação virtuosa com o destino de toda a humanidade.

“Falta um minuto para a meia-noite daquele relógio do dia do juízo final e precisamos agir agora”, disse o primeiro-ministro britânico Boris Johnson, usando um tom enérgico e dramático. Ele mesmo havia admitido a futilidade dos antigos exemplos de uma retórica semelhante do passado. “Eu estava lá em Paris há seis anos, quando concordamos com as (emissões) líquidas zero e todas essas promessas não passarão de blá, blá, blá, blá”.

LEIA: ONU: relatório sobre clima é “alerta vermelho”

Por sua vez, o presidente francês Emmanuel Macron atacou os “grandes emissores, cujas estratégias nacionais não estão de acordo com nossos objetivos de 1,5°C”, afirmando que “muitos de nós assumimos compromissos aqui e depois assinamos acordos comerciais que fazem exatamente o contrário”.

Estes líderes não foram a exceção. Mas outros, como o presidente dos EUA Joe Biden, atacaram países específicos, particularmente os concorrentes globais dos EUA no comércio e na influência política. Seu estilo de discurso era distintamente diferente do de Johnson e Macron. “O fato de que a China, tentando assegurar, compreensivelmente, um novo papel no mundo como líder mundial, não apareceu? Ora!”, disse ele, seguindo com um golpe contra “Putin e a Rússia”. Isso é, em si mesmo, um triste comentário; Biden tinha viajado milhares de quilômetros apenas para acertar algumas contas políticas triviais.

Tal retórica política fútil acentua nossa dicotomia atual à medida que enfrentamos as repercussões de nosso próprio abuso contra o meio ambiente. Por um lado, precisamos de líderes que sejam capazes de apreciar a gravidade da situação, enquanto, por outro lado, a política internacional tem muitas vezes provado ser a causa de problemas e raramente as soluções.

A secretária de Relações Exteriores do Reino Unido, Liz Truss, o presidente dos EUA Joe Biden e Camillla, duquesa de Cornwall, falam em uma recepção da COP26 na Galeria de Arte Kelvingrove, em Glasgow, em 1º de novembro de 2021. [Karwai Tang/Governo do Reino Unido]

Então, como resolvemos este enigma?

O manifesto da Climate Action Network (CAN), a principal coalizão de ONGs da Europa que luta contra a perigosa mudança climática, oferece algumas pistas: “Uma sociedade sustentável, justa e resiliente a longo prazo precisa de uma abordagem proativa que seja holística, baseada em valores e centrada nas pessoas, abordando as desigualdades existentes e os desequilíbrios de poder”.

Esse é definitivamente o ponto de partida de uma conversa séria sobre o meio ambiente. A lógica egoísta dos políticos e bilionários só pode nos fazer afundar mais no implacável pântano.

O fundador da Amazon, Jeff Bezos, que também chegou à cúpula em seu jato particular, prometeu investir dois bilhões de dólares em mudanças climáticas até 2030, depois de ter uma “epifania” durante sua “expedição espacial” de dez minutos. “Foi-me dito que ver a Terra do espaço muda a lente através da qual se vê o mundo. Mas eu não estava preparado para o quanto isso seria verdade”, disse ele em seu discurso.

É claro que, para quem gosta de Bezos, ofertas tão generosas são bastante benéficas. Contribuem ainda mais para o sucesso de suas marcas comerciais, ao mesmo tempo em que desviam as críticas de que o capitalismo, o consumismo sem limites – essa acumulação incalculável, muitas vezes imerecida de riqueza – levou nosso ambiente ao ponto de desespero.

Entretanto, será que as pessoas que originaram o problema podem ser os próprios indivíduos que o consertam, sem sequer reconhecer seu papel na crise, em primeiro lugar? Nunca.

“Chega de hipocrisia e modismo”, disse Lopez Obrador, antes de participar da cúpula de Glasgow. O líder mexicano, frequentemente apelidado de ‘populista’ por figuras como The Economist, Reuters e outros, apontou precisamente a doença que resultou no atual impasse ambiental. “Devemos combater a enorme e monstruosa desigualdade que existe no mundo”, disse ele.

A verdade é esta: a resposta à crescente crise ambiental que se intensifica está em nossas próprias mãos, não nas dos políticos. Estes últimos só agirão se levantarmos nossa voz coletiva e os pressionarmos para que o façam.

De acordo com o último relatório publicado em agosto passado pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), “a influência humana aqueceu o clima a um ritmo sem precedentes ao longo de pelo menos os últimos dois mil anos”. Todos os discursos inflamados, cúpulas extravagantes e inúmeras promessas políticas fizeram muito pouco para reverter essa trajetória sombria e agravante.

Esperar a COP26 para salvar o mundo é uma ilusão. Nosso destino está verdadeiramente em nossas próprias mãos. Sempre esteve. Já é hora de os políticos pararem de falar e, por uma vez, ouvirem verdadeiramente.

LEIA: ONU alerta para piora de crise alimentar na República Democrática do Congo

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEUAEuropa & RússiaFrançaMéxicoReino Unido
Show Comments
Show Comments