Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A criação dos ‘Estados Unidos do Mundo Turco’

O presidente turco Recep Tayyip Erdogan durante a coletiva de imprensa da 8ª cúpula do Conselho Turco em Istambul, Turquia, em 12 de novembro de 2021. [Murat Kula/Agência Anadolu]
O presidente turco Recep Tayyip Erdogan durante a coletiva de imprensa da 8ª cúpula do Conselho Turco em Istambul, Turquia, em 12 de novembro de 2021. [Murat Kula/Agência Anadolu]

O Conselho de Cooperação dos Estados de Língua Turca (conhecido como Conselho Turco) realizou sua 8ª cúpula na sexta-feira na Ilha da Democracia e Liberdades do Mar de Mármara. O conselho anunciou vários “avanços”, incluindo uma mudança de nome para Organização dos Estados Turcos.

Antes da cúpula, o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, e os líderes dos outros Estados membros inauguraram o secretariado do Conselho Turco no histórico distrito de Sultanahmet, em Istambul. Este foi um movimento para ligar a nova organização a Istambul, que era a capital do antigo Império Otomano.

O Conselho Turco foi estabelecido em outubro de 2009, quando a Turquia, Azerbaijão, Cazaquistão e Quirguistão assinaram o Acordo de Nakhchivan. O Uzbequistão aderiu em 15 de outubro de 2019, em Baku. A Hungria recebeu o status de observador em 2018, assim como o Turcomenistão durante a última cúpula, que foi realizada sob o título “Tecnologias verdes e cidades inteligentes na era digital”.

O presidente do Azerbaijão, Ilham Aliyev, entregou a presidência da organização a Erdogan durante a cúpula.

O que é esta organização?

O presidente do Cazaquistão, Nursultan Nazarbayev, propôs reunir o povo turco sob um único órgão em 2006. Quando foi formado em 2009, o diplomata turco aposentado Halil Akinci foi escolhido como o primeiro secretário-geral. “O Conselho Turco se tornou a primeira aliança voluntária de estados turcos na história”, declarou ele.

Hoje conhecida como Organização dos Estados Turcos, conta com seis órgãos executivos para realizar seus trabalhos e acompanhar a implementação das resoluções, sendo um deles a Organização Internacional da Cultura Turca (Turksoy). Com sede em Ancara, foi fundada em 1993, 16 anos antes do conselho, e é semelhante à UNESCO.

LEIA: Turquia e regime sírio enviam militares para Aleppo

A Assembleia Parlamentar dos Países de Língua Turca (Turkpa) também faz parte da organização. Foi estabelecido pelo Acordo de Istambul de 2008 e tem sede em Baku. A assembleia visa fortalecer a cooperação entre os parlamentos turcos.

O Conselho Empresarial Turco, como o próprio nome sugere, busca aprimorar a cooperação econômica. Foi fundada em 2011. A International Turkic Academy, criada um ano depois, coordena e apóia a pesquisa científica na língua, literatura, cultura, história e etnografia turca.

O Fundo do Patrimônio Cultural Turco também foi fundado em 2012. Junto com a Câmara de Comércio e Indústria Turca (TCCI), que foi fundada há dois anos, eles completam os seis órgãos executivos do que agora é chamado de Organização dos Estados Turcos.

O presidente do Azerbaijão Ilham Aliyev (4º esq.), o presidente turco Recep Tayyip Erdogan (4º dir), o presidente do Cazaquistão Kasim Jomert Tokayev (3º dir), o primeiro-ministro da Hungria, Victor Orban (1º dir.), o presidente em exercício do Uzbequistão Shavkat Mirziyoyev (2º dir.), o presidente do Quirguistão Sadyr Japarov (3º esq.), o presidente do Turcomenistão Gurbanguli Berdimuhammedov (2º esq.) e o secretário-geral do Conselho turco Bagdá Amreyev (1º esq.) posam para uma foto durante a 8ª cúpula do Conselho Turco em Istambul, Turquia, em 12 de novembro de 2021. [Murat Kula/Agência Anadolu]

O presidente do Azerbaijão Ilham Aliyev (4º esq.), o presidente turco Recep Tayyip Erdogan (4º dir), o presidente do Cazaquistão Kasim Jomert Tokayev (3º dir), o primeiro-ministro da Hungria, Victor Orban (1º dir.), o presidente em exercício do Uzbequistão Shavkat Mirziyoyev (2º dir.), o presidente do Quirguistão Sadyr Japarov (3º esq.), o presidente do Turcomenistão Gurbanguli Berdimuhammedov (2º esq.) e o secretário-geral do Conselho turco Bagdá Amreyev (1º esq.) posam para uma foto durante a 8ª cúpula do Conselho Turco em Istambul, Turquia, em 12 de novembro de 2021. [Murat Kula/Agência Anadolu]

Objetivos

O Secretário-Geral da organização, Bagdá Amreyev, disse a Anadolu em abril que, “Em geral, o Conselho Turco faz o possível para desenvolver a cooperação multilateral entre os Estados membros em política, economia, ciência, cultura e educação, bem como militar questões, a lei, o meio ambiente, questões de energia, transporte, investimento e finanças. ”

Durante a 8ª cúpula, a organização adotou a Visão Mundial Turca – 2040 (Visão 2040) que, segundo Amreyev, “oferece o contexto de longo prazo para o desenvolvimento e os esforços de integração dos Estados membros”. Isso, ele destacou, depende do desenvolvimento da coesão política para agir como um em uma ampla gama de questões internacionais. “Haverá apoio para uma cooperação mais dinâmica sob a égide do Conselho Turco, com base na convergência de políticas econômicas e todos os marcos regulatórios relevantes; alcançar a integração comercial completa; estabelecer um único espaço de investimento turco; a realização da integração digital; a atualização de transporte e conectividade de energia; e a habilitação da mobilidade intra-regional

Como primeiro passo, a organização adotou a Estratégia do Conselho Turco 2021-2026 (Estratégia 2026), que foi preparada para definir o contexto e identificar metas claras para a cooperação.

“Essas estratégias”, disse Amreyev, “marcam uma parceria nova e mais dinâmica entre os Estados membros, onde mudam as relações dos Estados membros da cooperação para a integração econômica gradual. A economia é a prioridade mais importante. A integração do mercado é impossível sem uma cooperação política estreita. ”

Guerra de Nagorno-Karabakh

O jornalista turco Ismail Yasha disse-me que a organização dá “muito poder” aos Estados membros devido à cooperação estratégica, política, económica e cultural entre eles. “A formação de um corpo unificado para o mundo turco lhes dará mais poder político, econômico e militar nos níveis regional e internacional. As vozes dos Estados membros serão ouvidas por outros mais do que quando eles estão sozinhos.”

A guerra de Nagorno-Karabakh foi um verdadeiro teste para essa cooperação, observou o presidente do Azerbaijão, Aliyev. Ele explicou que a organização “reagiu imediatamente” desde o primeiro dia e deu um “forte” apoio ao seu país. A organização foi a segunda potência depois da Turquia a fazê-lo. Esse apoio, acrescentou, “fortaleceu” o mundo turco.

Uma das conquistas mais importantes do pós-guerra foi um acordo entre os estados membros e observadores da organização para estabelecer um “corredor verde” para facilitar a passagem de pessoas e bens de consumo essenciais, medicamentos e equipamentos médicos.

O papel de Erdogan

Entregando a presidência da organização a Erdogan, Aliyev expressou sua confiança de que, sob a liderança do presidente turco, as relações entre os países turcos, baseadas na unidade, solidariedade e respeito mútuo, serão fortalecidas ainda mais. “Não há dúvida de que o estimado presidente, o líder do mundo turco, terá sucesso nisso.”

Erdogan disse em uma entrevista coletiva após a cúpula que, “A região do Turquestão [as terras do povo turco], o berço da civilização, se tornará mais uma vez um centro de atração e esclarecimento para toda a humanidade”. A adoção da Visão 40, acrescentou ele, deve ser considerada como um “novo sinal de fraternidade eterna” no mundo turco.

O presidente turco assegurou ao mundo que, “Ninguém deve ser incomodado pelo Conselho Turco. Pelo contrário, eles devem tentar fazer parte desta estrutura única baseada na história antiga e nas relações humanas.”

Na verdade, de acordo com Amreyev, pelo menos quinze países estão buscando o status de observador da organização. Pode muito bem acabar como os “Estados Unidos do Mundo Turco”, concluiu.

LEIA: Quem vai competir com Erdogan nas eleições turcas de 2023?

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasAzerbaijãoEuropa & RússiaOpiniãoOriente MédioTurquia
Show Comments
Show Comments