Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Parlamentares britânicos pedem fim de projeto no Golfo devido a spyware israelense

Website da empresa israelense NSO, responsável por desenvolver o spyware Pegasus, em 21 de julho de 2021 [JOEL SAGET/AFP via Getty Images]
Website da empresa israelense NSO, responsável por desenvolver o spyware Pegasus, em 21 de julho de 2021 [JOEL SAGET/AFP via Getty Images]

Parlamentares britânicos pressionam o premiê Boris Johnson a revogar um programa público multimilionário destinado aos estados do Golfo, devido a seu envolvimento em atos de espionagem por meio do aplicativo israelense Pegasus, como revelou-se em julho.

O spyware desenvolvido pela empresa NSO ganhou manchetes, quando o grupo de pesquisa Citizen Lab, da Universidade de Toronto, expôs seu uso por diversos governos para hackear cerca de 50 mil telefones de jornalistas, ativistas e políticos em todo o planeta.

Dentre os clientes, estavam Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita e Bahrein.

Parlamentares britânicos — liderados por Layla Moran, chefe de assuntos estrangeiros do partido Liberal Democrata — demandam agora que o governo suspenda seu Fundo Estratégico do Golfo, programa de apoio a seis estados da região.

LEIA: CEO da empresa israelense de spyware NSO se demite antes de tomar posse

Em carta, os congressistas em questão destacaram a Johnson que as invasões via Pegasus “parecem demonstrar flagrante desrespeito por estados do CCG [Conselho de Cooperação do Golfo] pelas leis britânicas e internacionais”.

Em seguida, questionaram a contribuição do programa à segurança nacional, ao observar: “O fornecimento de itens e serviços de vigilância, além de treinamento militar e técnico avançado a Arábia Saudita, Emirados e Bahrein, pode impor de fato ameaça à nossa segurança”.

O parlamentar conservador James Cleverly defendeu o Fundo Estratégico do Golfo sob pretexto de “segurança nacional e impacto positivo em direitos humanos na região”.

Por meio do programa, o Reino Unido já alocou £53.4 milhões aos seis países aliados.

Além de questões como abusos de direitos humanos e a guerra no Iêmen, o escândalo sobre o Pegasus voltou a instigar contestações à legitimação do programa.

Os parlamentares acusaram Johnson de “fracassar em condenar publicamente as ações do grupo NSO ou dos governos saudita, emiradense e barenita; ou sequer assumir ações substanciais para proteger cidadãos e residentes britânicos”.

A carta reivindicou ainda sanções à firma NSO — como feito por Washington, na última semana. “Londres deve garantir maior supervisão sobre o licenciamento de softwares relevantes, de acordo com a lei de direitos humanos internacional”, reiterou.

Contrário aos apelos contra o spyware israelense, no início de 2020, foi reportado que o governo britânico efetivamente ajudou a vender seus produtos a mercados aliados.

LEIA: AP planeja processar Israel por hackear celulares palestinos

Categorias
Arábia SauditaBahreinEAUIsraelNotíciaOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments