Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Vizinhos de Bielorrússia dizem que crise migratória ameaça choque militar

Migrantes presos dentro de Belarus atiraram pedras e galhos na guarda de fronteira polonesa e usaram troncos para tentar quebrar uma cerca de arame farpado durante a noite

Os países fronteiriços com Belarus, na quinta-feira, advertiram que a crise migratória nas fronteiras orientais da União Europeia poderia se agravar em um confronto militar, enquanto a Ucrânia disse que destacaria milhares de soldados a mais para reforçar sua fronteira.

A Lituânia, a Estônia e a Letônia disseram que Belarus representava sérias ameaças à segurança europeia ao escalar deliberadamente seu “ataque híbrido”, usando os migrantes para retaliar as sanções da UE.

“Isto aumenta a possibilidade de provocações e incidentes graves que também poderiam se espalhar para o domínio militar”, disse uma declaração conjunta dos ministros da defesa dos países.

Embora não seja um membro da UE, a Ucrânia está receosa de se tornar mais um ponto de fulgor na escalada da crise migratória. Kyiv anunciou exercícios e o envio de 8.500 soldados e policiais adicionais para a longa fronteira norte do país com Belarus.

Migrantes presos dentro de Belarus atiraram pedras e galhos na guarda de fronteira polonesa e usaram troncos para tentar quebrar uma cerca de arame farpado durante a noite, em novas tentativas de forçar sua entrada na UE, disseram as autoridades em Varsóvia.

A UE diz que Minsk está encorajando milhares de migrantes que fogem de partes do mundo devastadas pela guerra a tentar cruzar suas fronteiras e pode impor novas sanções à Belarus e às companhias aéreas que transportam os migrantes logo na segunda-feira.

LEIA: Escalada na fronteira entre Polônia e Belarus envolve OTAN e Rússia

O presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, ameaçou retaliar, inclusive fechando o trânsito do gás natural russo via Belarus, embora não tenha havido uma resposta imediata da Rússia, seu aliado próximo e apoiador financeiro.

O presidente russo, Vladimir Putin, disse que Moscou tentará ajudar a Europa a resistir a uma crise energética e espera que as autoridades alemãs em breve certifiquem o gasoduto Nord Stream 2 que transportará mais gás russo para a Alemanha.

Moscou reagiu com raiva no passado quando a Ucrânia, outro país de trânsito, interrompeu o fornecimento de gás ao Ocidente e Lukashenko provou ser um parceiro difícil, recuando contra seus desejos em certos momentos enquanto aceitava empréstimos e energia subsidiada.

A Rússia despachou dois bombardeiros estratégicos para patrulhar o espaço aéreo bielorrusso na quarta-feira em uma demonstração de apoio a seu aliado. Belarus disse que os aviões russos realizaram exercícios para um segundo dia na quinta-feira.

“Sim, estes são bombardeiros capazes de transportar armas nucleares”, disse Lukashenko. “Mas não temos outra opção. Devemos ver o que eles estão fazendo lá além das fronteiras”.

Ele também disse que houve tentativas de transferir armas para os migrantes, no que ele descreveu como uma provocação nos comentários levados pela mídia estatal bielorrussa. Ele não forneceu nenhuma evidência e não ficou claro quem ele estava acusando de fazer isso.

O Kremlin disse que a Rússia não tinha nada a ver com tensões na fronteira e sugeriu que a presença de pessoas fortemente armadas em ambos os lados era uma fonte de preocupação. Ele também rejeitou como “louca” uma sugestão em uma reportagem da mídia de que o porta-bandeira russo, Aeroflot, poderia ser alvo de sanções de retaliação.

LEIA: Situação é de emergência humanitária na fronteira bielorrussa

A UE não disse quais companhias aéreas serão incluídas, mas a Turquia também respondeu com raiva ao plano de sanções.

“Rejeitamos os esforços para retratar a Turquia, que não é parte nesta questão, como parte do problema”, disse o Ministério das Relações Exteriores turco em uma declaração, acrescentando que Ankara considerava o alvo de sua transportadora aérea de bandeira, a Turkish Airlines, sobre o assunto como “intencional”.

Temores

Presos entre duas fronteiras, os imigrantes sofreram temperaturas congelantes em campos improvisados. A Polônia relatou até mesmo mortes de migrantes durante os meses de crise e outros migrantes expressaram medo de que eles morreriam.

Nenhum dos cerca de 150 imigrantes reunidos perto da cidade de Bialowieza conseguiu passar a fronteira, disse à Reuters um porta-voz do serviço polonês de guarda-fronteira, dizendo que houve 468 tentativas de travessia na quarta-feira.

A situação na fronteira Polônia/Belarus – Charge [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

O Estado vizinho da UE, a Lituânia, que como a Polônia impôs o estado de emergência na fronteira, também relatou novas tentativas de romper a fronteira.

Disse que havia pedido às Nações Unidas que discutissem a criação de um “corredor humanitário” a partir da zona fronteiriça para ajudar os migrantes a retornar a seus países de origem, dizendo que relatos da rede social mostraram que algumas pessoas presas lá queriam voltar.

LEIA: Belarus busca violência ao empurrar refugiados à Europa, afirma Polônia

O vice-ministro das Relações Exteriores da Polônia, Pawel Jablonski, disse que a crise era “a pior ameaça que a Polônia enfrentou nos últimos trinta anos”, dizendo ao diário italiano La Stampa, Varsóvia, que esperava uma escalada nos próximos dias.

Os ministros das relações exteriores da UE podem aprovar um quinto pacote de sanções para Belarus na segunda-feira, que poderia incluir indivíduos e empresas, disse um diplomata na quinta-feira. A comissão executiva do bloco disse que as companhias aéreas que trazem migrantes estariam na lista e dois diplomatas disseram que o principal aeroporto de Belarus também estava sendo considerado.

A UE acusa Lukashenko de fabricar a crise em vingança pelas sanções anteriores em resposta à violenta repressão aos protestos de rua em massa contra seu governo em 2020. A Alemanha disse que ele deve ser combatido com toda a força.

“Lukashenko está fazendo um jogo de poder desumano com o povo”, disse o Ministro das Finanças alemão, Olaf Scholz, que está prestes a se tornar o próximo chanceler do país.

Lukashenko e a Rússia disseram que a UE não estava cumprindo com seus valores humanitários ao impedir a passagem de imigrantes.

Grandes grupos de pessoas fugindo de conflitos e da pobreza no Oriente Médio e em outros lugares começaram a voar para Minsk nesta primavera com a ajuda de agências de viagem bielorrussas. Eles então viajam para a fronteira com a Polônia, Lituânia ou Letônia e tentam atravessar para a UE, às vezes com cortadores de arame que dizem ter-lhes sido dados por guardas de fronteira bielorrussos.

A vice-presidente da Comissão Europeia, Margaritis Schinas, esteve nos Emirados Árabes Unidos na quinta-feira como parte de uma viagem a países da região cujas companhias aéreas estão operando vôos para Belarus, disseram diplomatas e oficiais.

Categorias
BelarusBielorrússiaEuropa & RússiaNotíciaPolôniaVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Show Comments