Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

As tentativas do Exército sudanês de renegociar um acordo com a sociedade civil dificilmente terão sucesso

Uma manifestação exigindo o fim da intervenção militar e a transferência da administração para civis em Cartum, Sudão em 30 de outubro de 2021 [Mahmoud Hjaj/ Agência Anadolu]

Dezessete dias depois que o Exército sudanês, liderado pelo general Abdel Fattah Al-Burhan, negou ter feito um golpe, o país ainda não está mais perto de restaurar o governo civil e restabelecer as instituições democráticas. Embora a maioria da comunidade internacional e do povo sudanês esperem plenamente que o primeiro-ministro Abdalla Hamdok seja reintegrado, alguns outros membros da administração deposto podem não retornar ao poder com tanta facilidade.

Fontes revelaram que pelo menos três ministros sênior parecem estar enfrentando acusações prováveis ​​de envolvimento em aceitar subornos de um país estrangeiro. As reuniões gravadas com uma agência de inteligência estrangeira teriam ocorrido no centro de Cartum e sugerem que altos funcionários do governo civil estavam sendo patrocinados para agir contra os interesses do Sudão.

O exército pôde usar as evidências para dar mais peso à sua alegação de que foi obrigado a intervir nos trabalhos do governo de transição, que foi empossado quatro meses após o golpe que destituiu o presidente Omar Al-Bashir. A atual incerteza também sugere que Al-Burhan está procurando nomear funcionários do governo do ex-presidente deposto para preencher o vácuo de poder.

Os eventos extraordinários em torno da tomada do exército em 25 de outubro começaram na conferência de imprensa realizada por Al-Burhan em seu papel como chefe do Conselho de Soberania do Sudão. Ele mencionou casualmente que o primeiro-ministro havia sido detido e estava hospedado em sua residência presidencial. Os observadores podiam apenas supor que o chefe do exército queria que o primeiro-ministro continuasse, mas sob um conjunto de circunstâncias alternativas.

LEIA: O que é preciso para que os golpes no mundo árabe sejam condenados?

Apesar de uma série de relatórios falsos que sugeriam que Hamdok retomaria seu papel de primeiro-ministro na administração do país e os arranjos constitucionais seriam restabelecidos, as fontes agora parecem acreditar que o primeiro-ministro pode retornar a uma posição política de linha de frente como vice-presidente. Também há especulação de que o primeiro-ministro pode manter sua posição, mas os arranjos constitucionais podem ser alterados substancialmente.

Outras questões que foram citadas como razão para a interrupção do poder de transição incluíram o desacordo público entre o governo civil e os ex-grupos de milícias armadas que apoiaram a tomada do exército. O Movimento de Justiça e Igualdade de Darfur, por exemplo, acusou as Forças de Liberdade e Mudança de marginalizá-lo e, portanto, continua a apoiar a prevaricação do exército.

Também parece provável que as demandas consistentes pela instalação de um governo tecnocrata continuem a ser compartilhadas pelo exército. Tradicionalmente, os sudaneses foram ensinados a acreditar que governos tecnocratas fora dos interesses políticos serão capazes de dirigir os assuntos do governo de maneira imparcial. Esse era o cenário nos anos 70, quando um governo liderado pelo então chefe do exército, Jaafar Nimeiry, estava no poder após tomar o controle do Sudão por meio de um golpe militar.

Os militares do Sudão tomaram o poder e prenderam o primeiro-ministro, Abdalla Hamdok – Charge [Sabaaneh/ Monitor do Oriente Médio]

Nos últimos dias, uma delegação da Liga Árabe se reuniu com Al-Burhan, em um movimento que parece beneficiar o exército, que conta com o Egito e os Estados do Golfo para fortalecer sua posição. Embora a Liga Árabe tenha pedido aos partidos sudaneses que se mantenham na transição democrática, fontes afirmam que os governos árabes enfatizarão a necessidade de uma forte operação de inteligência e segurança no Sudão. Teme-se que este último possa anular as demandas civis por um governo democrático.

Além disso, fontes independentes nos Estados Unidos parecem ter persuadido o Congresso a impor sanções a indivíduos encarregados do complexo industrial militar controlado pelo exército sudanês. Embora não tenha havido nenhum anúncio oficial, acredita-se que o Congresso e os serviços de inteligência dos EUA exercerão pressão financeira e política sobre o exército.

Quer isso aconteça ou não, é claro que o comitê do governo civil criado para desmantelar as redes econômicas do antigo regime – conhecido como Tamkeen – foi definido para quebrar o controle de uma enorme riqueza, embora o ministério das finanças dirigido por Jibril Ibrahim negue que quaisquer fundos tinha sido depositado. O comitê ainda não atingiu os interesses econômicos diretos dos militares, mas claramente os tem em vista.

LEIA: General Al-Burhan indica a si próprio como chefe executivo do Sudão

As estatísticas oficiais sobre o valor dos ativos do exército não estão em registro público. No entanto, empresas agrícolas como a Zadna e outras que fabricam commodities elétricas e industriais parecem ser o foco das tentativas do governo civil de atacar e desmantelar organizações filiadas ao exército.

O Exército sudanês parece estar sem opções que possam persuadir o governo civil a aceitar um novo acordo para substituir o arranjo constitucional anterior. Parece improvável que o povo sudanês aceite que oficiais filiados ao regime de Bashir assumam o controle. Se isso for correto, então sugere que o “golpe” – “corrigindo o caminho para a democracia”, como diz Al-Burhan – pode muito bem ter falhado.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArtigoOpiniãoSudão
Show Comments
Show Comments